SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue3Factors influencing nursing staff members' participation in continuing education author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Latino-Americana de Enfermagem

On-line version ISSN 1518-8345

Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.14 no.3 Ribeirão Preto May/June 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000300001 

EDITORIAL

 

Sistemas de saúde em busca de excelência: os recursos humanos em foco

 

 

Isabel Amélia Costa MendesI; Maria Helena Palucci MarzialeII

Editores da Revista Latino-Americana de Enfermagem da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, Centro Colaborador da OMS para o desenvolvimento da pesquisa em enfermagem:
IProfessor Titular, e-mail: iamendes@eerp.usp.br
IIProfessor Associado, e-mail: marziale@eerp.usp.br

 

 

A orientação estratégica em saúde depende de políticas e ações que assegurem prioridade aos esforços dirigidos à garantia de maior grau de eqüidade nas condições de vida e de saúde à população, assim como ao acesso aos serviços de atenção básica.

Tem-se constatado uma forte tendência de baixa influência do setor saúde na formulação de políticas econômicas que visam a promoção de crescimento, assim como na tomada de decisões em busca de distribuição mais eqüitativa de renda. Mas, em contrapartida, quando se pensa em eqüidade, ou em meios para alcançá-la, a saúde emerge como um bem que concentra um potencial significativo para a promoção do justo respeito à igualdade de direitos.

Se bem estruturado, o setor saúde pode minimizar desigualdades, estabelecer programas de bem estar social, promover a melhoria das condições de vida da maioria desassistida e transformar os sistemas de atenção básica com ênfase na promoção de saúde, prevenção de riscos e envolvimento da participação dos cidadãos. Na última década do século XX elencavam-se as seguintes estratégias para redução dos principais problemas defrontados pela saúde: - reorganização do setor saúde; focalização de ações dirigidas a grupos de alto risco; promoção de saúde; exploração da comunicação em saúde; integração da mulher à saúde e desenvolvimento; gestão de conhecimento; mobilização de recursos e cooperação entre países(1).

Embora no período em referência os sistemas de saúde na região das Américas tenham promovido transformações estruturais significativas, problemas persistiram e em sua maioria estão relacionados aos recursos humanos. Com base nesta constatação, a Organização Panamericana de Saúde, o Ministério da Saúde do Canadá e o Ministério da Saúde e Cuidados Prolongados da Província de Ontário promoveram uma reunião regional dos Observatórios de Recursos Humanos em Saúde, em outubro de 2005, em Toronto, com o propósito de unir os países das Américas em torno de um compromisso comum : a promoção dos recursos humanos em saúde. Nesta reunião produziu-se o denominado Chamado à Ação de Toronto para uma Década de Recursos Humanos em Saúde (2006-2015).

Trata-se de iniciativa que pretende congregar atores de setores distintos da sociedade que, mobilizados, contribuam para um esforço conjunto de longo prazo em prol da valorização, desenvolvimento e fortalecimento dos recursos humanos da saúde na Região das Américas. Entende-se assim tais trabalhadores como os protagonistas do funcionamento e da evolução do sistema de saúde, rumo à crescente e constante qualificação do sistema de saúde. Para que esta iniciativa produza impacto político e social na região, um dos consensos é que se estimule a ampla disseminação de seus propósitos(2-4).

Muito mais do que um plano para uma década, o apêlo à ação prevê que esforços sustentados resultem no desenvolvimento, formação e valorização dos Recursos Humanos da Saúde.

A visão que se tem é a de que até 2015 cada país tenha tido um significativo progresso no alcance de suas metas de saúde assentada no desenvolvimento da sua força de trabalho, que constitui a base do sistema de saúde.

Os recursos humanos de enfermagem participam de modo efetivo da dinâmica do poder na saúde, atuando de modo a facilitar e potencializar objetivos sanitários nacionais e regionais, contribuindo de formas diversas para o alcance das metas de oferta de saúde para todos(5). Há falta de disponibilidade de enfermeiras e obstetrízes para a atenção básica em saúde, verifica-se êxodo destes profissionais, observa-se condições inadequadas de trabalho e de integração destes profissionais aos serviços, concorrendo para graves conseqüências para a qualidade e abrangência da atenção em saúde. Sem um contingente suficiente de profissionais de enfermagem haverá falência dos sistemas de saúde e fracasso no alcance dos Objetivos do Milênio(6-7).

Com o desempenho de um papel indutor do Ministério da Saúde, em conexão com o Ministério da Educação, o Brasil avança na implementação de programas que direcionem e sustentem o processo de mudança pró operacionalização do Sistema Único de Saúde através de seus recursos humanos. No conjunto de ações e programas de investimento nas pessoas, é de se ressaltar o Pró-Saúde que visa reorientar o processo de formação, estabelecer mecanismos de integração e cooperação entre gestores do SUS e as instituições de ensino superior (até o momento especialmente cursos de enfermagem, medicina e odontologia) e ampliar a duração da prática educacional na rede pública de serviços básicos de saúde(8). Ao favorecer e promover uma efetiva interação entre instituições formadoras de Recursos Humanos e os próprios serviços de saúde, convergindo o ensino para a realidade do trabalho na saúde, os atores envolvidos exercitam e incorporam os princípios de eqüidade, da universalidade do acesso e de integralidade das ações.

Na esteira e nos reflexos do mencionado programa, está uma dentre muitas possibilidades de investir, valorizar e desenvolver recursos humanos da saúde de modo geral e de Enfermagem em particular.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Pan American Health Organization. Strategic orientations and program priorities: 1991-1994. Washington (DC): PAHO; 1991.

2. Mendes IAC, Marziale MHP. Década de recursos humanos em saúde: 2006-2015. Rev Latino-am Enfermagem 2006 janeiro-fevereiro; 14(1):1-2.

3. Rigoli F, Rocha CF, Foster AA. Desafios críticos dos recursos humanos em saúde: uma visão regional. Rev Latino-am Enfermagem 2006 janeiro-fevereiro; 14(1):7-16.

4. Reunião regional dos observatórios de recursos humanos em saúde (2005: Brasília, DF). Chamado à ação de Toronto: 2006-2015 rumo a uma década de recursos humanos em saúde nas Américas. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Série D. Reuniões e Conferências).

5. Organização Mundial da Saúde. Serviços de enfermageme obstetrícia: orientações estratégicas 2002-2008. Genebra: OMS; 2002.

6. Consejo Internacional de Enfermeras. La iniciativa del análisis mundial de la enfermería. La escasez de enfermeras profesionales en el mundo: percepción de problemas y actuaciones. Genebra: CIE; 2004.

7. Malvarez SM, Agudelo MCC. Panorama de la fuerza de trabajo en enfermería en América Latina. Washington (DC): OPS; 2005. (Serie Desarrollo de Recursos Humanos, nº 39).

8. Ministerio da Saúde (BR). Pró-Saúde: programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde / Ministério da Saúde, Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. 80p. (Série C - Projeto, Programas e Relatórios).

Creative Commons License