SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número6Avaliação da força muscular perineal no primeiro trimestre da gestação índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Latino-Americana de Enfermagem

versão On-line ISSN 1518-8345

Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.22 no.6 Ribeirão Preto nov./dez. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0000.2502 

Editorial

Estratégia para o acesso universal à saúde e cobertura universal de saúde e a contribuição das Redes Internacionais de Enfermagem1

Silvia Helena De Bortoli Cassiani

2Assessora Regional de Enfermagem e Técnicos de Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde, Washington, DC, Estados Unidos

Em outubro passado, 2014, o 53º Conselho Diretor da Organização Pan-Americana de Saúde, composto pelos ministros de saúde, ou de seus representantes, de todos os países das Américas, aprovou a Resolução CP53.14 sobre a "Estratégia para o acesso universal à saúde e cobertura universal de saúde"( 1 ).

Cobertura de saúde é definida como "a capacidade do sistema de saúde de atender às necessidades da população, incluindo a disponibilidade de infraestrutura, de recursos humanos, de tecnologias da saúde (inclusive medicamentos) e de financiamento. Acesso universal é definido como a ausência de barreiras geográficas, econômicas, socioculturais, de organização ou de gênero"( 1 ). O acesso universal é alcançado com a eliminação progressiva das barreiras que impedem que todas as pessoas utilizem os serviços de saúde integrais, estabelecidos em nível nacional, equitativamente.

O acesso universal à saúde e a cobertura universal de saúde são necessários para melhorar os resultados de saúde e outros objetivos fundamentais dos sistemas de saúde, e se baseiam no direito de toda pessoa ao gozo do grau máximo de saúde, da igualdade e da solidariedade. A estratégia de cobertura universal de saúde está sendo utilizada para trazer todos os interesses programáticos em saúde sob um guarda-chuva inclusivo e explicar sua relação com o aumento na expectativa de vida saudável, segundo discussões mais atuais das metas de desenvolvimento do milênio pós-2015( 2 ).

Os recursos humanos de saúde são um dos pilares centrais para o Acesso Universal à Saúde e a Cobertura Universal de Saúde. Todavia, ainda persistem profundos desequilíbrios e lacunas na disponibilidade, distribuição, composição, competência e produtividade dos recursos humanos de saúde, principalmente na atenção primária. Onze países da Região enfrentam um déficit absoluto de profissionais da saúde (menos de 25 médicos, enfermeiras e parteiras certificadas por 10.000 habitantes). Para a expansão da cobertura de saúde efetiva e equitativa, muitos países da América Latina deverão aperfeiçoar o treinamento e distribuição dos recursos humanos em saúde( 3 ).

A enfermagem tem papel imprescindível para que os países alcancem a meta da Cobertura Universal de Saúde e o Acesso Universal aos serviços de saúde. Enfermeiros e pessoal de enfermagem podem atuar nos serviços de saúde em todos os níveis de assistência. A formação dos enfermeiros deve prepará-los para a utilização e aplicação de conhecimentos científicos, para a análise crítica e reflexiva de sua prática e entorno profissional, e para o emprego das habilidades técnicas, científicas e de relacionamento interpessoal no cuidado humano.

Ainda há desafios internos e externos à profissão. Esses desafios, alguns históricos, são de caráter cultural, de gênero, de campo de conhecimentos e de incansável luta por um espaço profissional nem sempre reconhecido, atribuído e valorizado dentro do sistema de saúde. Há insuficiência e má distribuição de enfermeiros e pessoal de enfermagem na maioria dos países, acrescida de falta motivação e de desempenho, que podem impactar em termos de qualidade e segurança aos pacientes. Os cuidados de enfermagem nem sempre estão sendo prestados pelos profissionais com maior formação técnica e científica, fazendo com que a população não distinga o enfermeiro como sendo o profissional com formação universitária. Há, ainda, tensão entre os grupos dentro da profissão, pelo espaço de trabalho.

Há, contudo, uma fortaleza que deve ser reconhecida que é a capacidade, a vontade e a força de trabalhar, conjuntamente, pela profissão, para conseguir uma meta. A criação e o êxito de comunidades de prática na enfermagem da Região das Américas, mais conhecidas como as Redes Internacionais de Enfermagem, coordenadas pela Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde, são um exemplo dessa fortaleza dos enfermeiros.

A vontade de contribuir, de fazer-se conhecer, de intercâmbios de conhecimentos e de atividades, de associar e de crescer coletivamente tem produzido intenso movimento social e político entre enfermeiros, principalmente os provenientes das universidades, nos países latino-americanos, através das redes nacionais e internacionais de Enfermagem.

A OPAS/OMS soube reconhecer, apoiar e estimular, em seu devido momento, o trabalho que a organização de enfermeiros em Redes vem desenvolvendo e que constituem, até o momento, mais de 25 redes internacionais, congregando mais de 3.000 enfermeiros.

Por essa formação e trabalho, as redes internacionais de enfermagem podem e devem ser reconhecidas como um potencial e uma das contribuições da enfermagem e dos enfermeiros para o alcance da cobertura universal de saúde e o acesso universal de saúde a todos os povos.

REFERÊNCIAS

1. Organização Pan-Americana da Saúde. Estratégia para o acesso universal à saúde e a cobertura universal de saúde. out 2014. [acesso 12 nov 2014]. Disponível em: www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task. [ Links ]

2. World Health Organization. Positioning Health in the Post-2015 Development Agenda. WHO discussion paper. 2012. [acesso 12 nov 2014]. Disponível em: http://www.who.int/topics/millennium_development_goals/post2015/WHOdiscussionpaper_October2012.pdfLinks ]

3. Frenk J. Leading the way towards universal health coverage: a call to action. Lancet. 2014 Oct [Internet]; [acesso 20 nov 2014]. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140673614614677. doi:10.1016/S0140-6736(14)61467-7. [ Links ]

1 O conteúdo expresso nessa publicação é de responsabilidade da autora e não representa, necessariamente, as decisões ou políticas da Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Sáude. Este texto obteve licença para publicação concedida pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) datada de 2/12/2014.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium provided the original work is properly cited.