SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 número2A construção social do saber sobre saúde e doença: uma perspectiva psicossocialPesquisa social em saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Saúde e Sociedade

versão impressa ISSN 0104-1290versão On-line ISSN 1984-0470

Saude soc. v.1 n.2 São Paulo  1992

https://doi.org/10.1590/S0104-12901992000200009 

RESENHA

 

O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde, por Maria Cecilia Minayo. São Paulo, HUCITEC / ABRASCO, 1992

 

 

Antes de mais nada é preciso colocar que se trata de um livro importante, que acaba por ocupar, elegantemente, um espaço insuficientemente ocupado, qual seja, aquele referente ao papel do assim chamado "qualitativo" na produção do conhecimento no campo da saúde coletiva.

O livro da professora minayo consegue isso basicamente porque opta por situar a questão do "qualitativo" na produção do conhecimento, no campo da saúde coletiva.

Com efeito, não cabe dúvida que o "qualitativo" fica extremamente empobrecido quando confinado ao terreno das opções metodológicas.

Além de conseguir escapar, repito, elegantemente, desta visão pequena do problema, a profª minayo consegue também escapar de outra armadilha: aquela que opõe o "qualitativo" ao "quantitativo" como coisas mutuamente excludentes (ou, pior ainda, como coisas ligadas, a primeira ao "progressismo" ou a modernidade" e a segunda ao "tradicionalismo" ou ao "reacionarismo").

Paralelamente, trata-se de um livro dos mais úteis para os estudantes e profissionais da saúde coletiva que desejam se aventurar no espinhoso campo do "social na saúde", na medida em que apresenta, de modo suscinto, com proficiência e clareza, as várias correntes teóricas e metodológicas das ciências sociais, no que elas tocam a problemática da saúde coletiva. isto sem esconder a sua "opção preferencial" (ainda que não exclusiva) pela dialética materialista

É óbvio que ainda fica faltando coisas (por exemplo, deixar mais claro que o "qualitativo" não pode ser identificado com o resíduo daquilo que o "quantitativo" não consegue explicar). mas, afinal, ninguém - muito menos uma figura delicada como a profª cecília - é de ferro, notadamente quando se trata de equacionar as mais que complexas relações entre saúde/ doença/ social/ epistemología/ metodologia/ teoria/ prática e outros tantos...

 

Fernando Lefèvre
Departamento de Prática de Saúde Pública-FSP/USP

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons