SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número1A modernização tecnológica no setor de transformação de plásticos do BrasilAtividades em polímeros da AEASP índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Polímeros

versão impressa ISSN 0104-1428

Polímeros vol.7 no.1 São Carlos jan./mar. 1997

https://doi.org/10.1590/S0104-14281997000100004 

POLÍTICA TECNOLÓGICA

 

O estabelecimento de uma política tecnológica para os setores de plásticos e borrachas do Estado de São Paulo

 

 

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado de São Paulo, através do seu Conselho de Ciência e Tecnologia (CONCITE) resolveu estabelecer uma política tecnológica global para os diversos setores industriais responsáveis pelos principais segmentos econômicos do Estado de São Paulo. Para atingir tal objetivo o CONCITE criou uma série de comissões setoriais representando os diferentes segmentos das indústrias. Os de Plásticos e Borrachas estão representados pela Comissão Setorial de Polímeros, que é inicialmente responsável pela elaboração de um documento básico para o estabelecimento da política tecnológica para este setor. Esta Comissão, empossada pelo vice-presidente executivo do CONCITE, Dr. Armando Antônio Maria Laganá, é formada por representantes de diversas entidades importantes do setor, tais como ABIPLAST-SINDIPLAST, ABIMAQ-SINDIMAQ, ABIARB-SINDIBOR, ABPol, ABREMPLAST, ANIP, INP, assim como várias Universidades, Escolas Técnicas e Centros de P&D do estado como USP, UNICAMP, UFSCar, SENAI, IPEN, IPT, CTA. A coordenação desta Comissão ficou a cargo do ex-presidente e atual conselheiro da ABPol, além de coordenador do Núcleo UFSCar-Empresa, Prof. Sílvio Manrich.

Um documento básico, elaborado com a participação dos diversos representantes e com sua primeira versão concluída em meados de novembro de 1996, foi encaminhado ao CONCITE para que sirva de subsídio ao estabelecimento de uma política tecnológica para o setor. A Comissão Setorial de Polímeros deverá ter seus trabalhos continuados numa segunda fase, através da criação de sub-comissões para expressar as necessidades específicas dos diferentes segmentos do setor de polímeros do Estado de São Paulo. A presente matéria tem como objetivo apresentar de forma sucinta alguns aspectos importantes que estão presentes nessa primeira versão do documento "Política Tecnológica do Setor de Polímeros para o Estado de São Paulo".

 

 

DADOS RELEVANTES DO SETOR DE POLÍMEROS

Faturamento e Consumo

O Setor de Polímeros como um todo começou a ter grande destaque no Brasil a partir dos anos 50 e hoje é um dos setores econômico-industriais que mais cresce. Só na área de embalagens o consumo de polímeros aumentou oito vezes nos últimos dez anos e o Brasil deve estar preparado para um crescimento maior em igual período, pois além do crescimento esperado das exportações, o consumo per capita deverá passar de 15 para 25 kg/ano. O consumo per capita de plásticos já atingiu valores superiores a 70 kg/ano na maior parte dos países desenvolvidos, o que representa quase cinco vezes mais que o atual consumo brasileiro. Estes fatos sinalizam para uma real perspectiva de ampliação das atividades do setor. O apoio e o estímulo do Estado à pesquisa e desenvolvimento no setor de polímeros é o caminho apontado para colocar o seu setor produtivo em condições de competição dentro do atual mercado globalizado, de forma a suprir o consumo previsto e diminuir as importações, além de promover o progresso econômico e social do Estado.

As indústrias de plásticos e borrachas no Brasil - abrangendo as de resinas termoplásticas e termofixas, de transformação de plásticos e borrachas (leves e pneumática), de reciclagem mecânica de polímeros e de máquinas e periféricos - tiveram em 1995 um faturamento global superior a US$ 18 bilhões. O Estado de São Paulo, com aproximadamente 4.000 empresas atuando no setor de polímeros e gerando cerca de 200.000 empregos diretos, foi responsável por US$ 9,8 bilhões do faturamento global do país.

 

Capacitações em RH

Uma breve comparação entre os dados relativos ao faturamento das empresas de polímeros do Estado de São Paulo e as disponibilidades de profissionais especializados evidencia a necessidade de investimentos tanto em recursos humanos como em P&D. O número de cursos oferecidos a profissionais de empresas está aquém do mínimo necessário para que haja a reciclagem e a atualização dos conhecimentos. Observa-se grande déficit de profissionais em todas as áreas e, notadamente, em áreas prioritárias como borrachas, síntese, processamento, simulação, design/projetos de máquinas e ferramentaria, entre outras.

Para a capacitação em nível técnico, no Estado de São Paulo temos a tradicional Escola SENAI Mário Amato, que forma em média 124 profissionais por ano, totalizando, nos seus anos de existência, 1240 técnicos em plásticos e borrachas, e também o Colégio Técnico de Campinas, que formou recentemente sua primeira turma de 8 técnicos em plásticos.

Em nível superior, existem 5 Universidades com alguma ênfase em polímeros: USP São Paulo, USP São Carlos, Universidade Mackenzie, Universidade Federal de São Carlos e UNICAMP. Destas, apenas uma (UFSCar - São Carlos) forma em média 25 engenheiros por ano com especialidade em polímeros, num total de 450 já formados. Duas outras (USP-Poli e Mackenzie - SP) iniciaram curso de Engenharia de Materiais, todavia sem ênfase específica em polímeros. A nível de pós-graduação (mestrado e doutorado), essas 5 universidades, que somam 26 professores-doutores, já concederam 141 diplomas na modalidade polímeros.

As atividades em P&D no Estado de São Paulo são realizadas por 12 entidades - 6 universidades: UFSCar (DEMa), USP São Paulo (Poli e IQ), USP São Carlos (IQSC), Unicamp (IQ e FEQ), Universidade Mackenzie e Unesp (Fac. de Ciências Agrárias de Botucatu); 5 Centros de P&D: CCDM/UFSCar, IPEN, IPT, CTA, Embrapa; e a Escola Técnica Senai Mário Amato, com apenas algumas delas se destacando pela forte interação com o meio produtivo, porém com necessidade de uma ação específica para o direcionamento dessas atividades. Por outro lado, os laboratórios de P&D em empresas são encontrados nas de grande e médio porte e, se compararmos com os países desenvolvidos, muito investimento ainda está por se fazer.

Tabela 1

 

SITUAÇÃO ATUAL

A Comissão Setorial de Polímeros elaborou quadros onde demonstrou as principais áreas do setor, com os respectivos produtos e processos. Avaliou também as capacitações disponíveis para a formação de RH e os serviços atualmente oferecidos, dados esses que estão sendo apresentados no texto que segue.

Produtos e Processos

A partir das informações obtidas junto aos sindicatos e associações ligados ao setor de polímeros, o setor foi subdividido nas sete áreas que melhor representam nosso parque empresarial. Nas tabelas 2 e 3 são apresentadas as áreas, com seus principais produtos, linhas de produtos e processos e também os serviços prioritários que devem ser alvo da política tecnológica.

Serviços

A Comissão Setorial procurou conhecer as entidades do Estado de São Paulo que prestam serviços de extensão para as empresas. Participaram do levantamento realizado as seguintes instituições:

- UNESP/Faculdade de Ciências Agrárias de Botucatu;

- UNICAMP/Inst. de Química;

- USP/Inst. de Química e Poli/Engenharia de Materiais e Engenharia Química;

- UFSCar/ Engenharia de Materiais, CCDM (Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais) e NIT (Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais);

- Escola SENAI Mário Amato;

- ABPol; INP; EMBRAPA/São Carlos; IPT; IPEN; CTA.

Os principais dados obtidos foram:

- Com exceção do Instituto de Química da USP e da Faculdade de Ciências Agrárias da UNESP, todas as outras instituições oferecem cursos sejam "in company" ou avulsos na instituição ou em outros locais. Além dos cursos, a ABPol promove congressos nacionais/internacionais e mantém publicação de uma revista especializada.

- Os serviços laboratoriais são oferecidos em contato do pesquisador com o cliente e através dos centros especializados existentes na maioria das instituições.

- O número médio de serviços oferecido por ano chega a 3.700 no CCDM/UFSCar e a 1.440 no IPT (plásticos e borrachas), caindo para menos que 100 nas demais instituições.

- As entidades e as respectivas área abordadas nos cursos estão detalhadas no quadro da página seguinte.

Capacitações em P&D

Das 15 instituições analisadas, com capacitação para P&D, foram obtidos os seguintes resultados:

- Quanto aos principais tipos de pesquisa, 10 instituições trabalham com pesquisa essencialmente tecnológica para o setor produtivo, 11 com pesquisa acadêmica básica e 12 com acadêmica aplicada;

- Quanto aos resultados, 13 instituições geram relatórios técnicos e dissertações/teses, 11 transferem tecnologia para o setor produtivo e 4 geram patentes;

- Quanto às principais fontes de recursos, em 5 instituições há predomínio de recursos orçamentários próprios ou do Governo Federal e em 3 há uma participação significativa do governo estadual. Apenas 2 contam com predomínio de recursos oriundos de convênios com empresas e/ou serviços prestados.

- Quanto às linhas de pesquisa, as principais e o número de instituições trabalhando nessas áreas, dentre as 15 pesquisadas são:

- Aditivação: 3

- Aspectos mercadológicos: 2

- Blendas e misturas poliméricas: 8

- Catálise: 2

- Compósitos: 11

- Modificação química: 9

- Processamento/transformação : 10

- Reciclagem: 1

- Síntese de monômeros: 3

- Síntese de polímeros: 9

- Técnicas de caracterização: 11

A análise das necessidades do setor industrial levou os membros da Comissão Setorial de Polímeros a sugerir os temas de pesquisa que devem ser alvo da política tecnológica do Governo, em caráter prioritário e que estão sintetizados na tabela 4.

 

AÇÕES RECOMENDADAS PARA P&D

Em função das informações sobre as indústrias e sobre o quadro do Ensino e P&D no Estado, a Comissão Setorial de Polímeros recomendou a priorização das seguintes iniciativas para P&D:

- Identificar e apoiar a consolidação dos grupos de excelência e outros com atividades em ensino/pesquisa/desenvolvimento em todos os níveis (superior, técnico superior, tecnologia básica de produção, caracterização e transformação em polímeros), através da geração de mecanismos que resultem em utilização máxima de seu potencial. Apoiar e gerar mecanismos para a ampliação das potencialidades dos grupos acima mencionados, para atender às necessidades do meio produtivo em P&D e serviços que ainda não são prestados por falta de infra-estrutura. Articular os grupos de excelência com as pequenas e médias empresas para prestação de serviços em tecnologia básica de produção, caracterização e processamento de materiais poliméricos. Subsidiar as micro, pequenas e médias empresas na utilização dos serviços mencionados.

- Apoiar os grupos acima mencionados em projetos para atualização e modernização dos equipamentos e máquinas. Interagir com a FAPESP de forma que os projetos financiados por aquela instituição contemplem as necessidades em P&D das indústrias e que esses projetos permitam o pagamento de bolsas a pesquisadores envolvidos, a exemplo das bolsas RHAE. Apoiar programas de P&D de curto, médio e longo prazos considerados prioritários (vide retro a tabela de Pesquisas Prioritárias que devem ser alvo da Política tecnológica).

- Substituir a atual política de aplicação dos recursos com base (quase que na sua totalidade) no mérito do pesquisador, por uma que tenha como base o desenvolvimento tecnológico das empresas do Estado, objetivando a geração de mais impostos. Um modelo de distribuição desses recursos, e que pode ser adotado, é o do PADCT-III, que aloca 40% em sub-programas em C&T em áreas prioritárias; 50% em sub-programas cooperativos com o setor privado e 10% em atividades de suporte setorial. As Instituições de Fomento devem, no entanto, também levar em conta a qualidade do Pesquisador durante o julgamento, seleção e enquadramento dos projetos.

- Apoiar atividades de prestação de serviços pelas universidades relativos à proteção da propriedade intelectual (patentes, etc.) oriunda das atividades de P&D. Apoiar a criação de mecanismos de incentivo aos pesquisadores que gerem tecnologia.

- Para atividades conjuntas foi recomendado: Apoiar, consolidar e unificar as atividades de Grupos de Informações Tecnológicas e de P&D do Setor de Polímeros (Associações e Núcleos de Informações de Instituições).

- Fomentar e apoiar a criação de comissões permanentes dentro das Associações, para a geração de subsídios para a pesquisa e desenvolvimento que são de interesse do setor produtivo e compatíveis com a realidade econômica brasileira (comissões de: caracterização/aferição, injeção, extrusão, compostos, compósitos, projetos de máquinas e ferramentas, fibras naturais, reciclagem, borracha natural, normas, aditivos, polímeros condutores, síntese e modificação, entre outras).

 

AÇÕES RECOMENDADAS PARA CAPACITAÇÃO DE RH

A nível de formação de recursos humanos, a Comissão recomendou a adoção de três ações básicas:

- Subsidiar e ampliar cursos de "INFORMAÇÃO" e de "FORMAÇÃO" de curta e média duração, em níveis superior e técnico, voltados para profissionais de indústrias. Essas atividades devem ser promovidas pelas Associações em conjunto com as Universidades e Escolas Técnicas.

- Apoiar e criar mecanismos para ampliar as potencialidades e modernizar as escolas técnicas e as universidades que já ensinam polímeros no Estado. Implantar ementas atualizadas e que atendam às necessidades do mercado, nos cursos já existentes. Apoiar, em parceria com empresas, a formação de recursos humanos a nível de mestrado e doutorado com pesquisas aplicadas à indústria. Diversificar as especializações dos cursos em função das necessidades de mercado (cursos específicos sobre borrachas, termofixos, ferramentaria e projetos/design, embalagens, etc.).

- Criar escolas de nível técnico no Estado de São Paulo visando atender a crescente demanda desse tipo de Recursos Humanos. Apoiar a formação de instrutores de nível técnico no exterior. Adotar como pré-requisito para participação, experiência industrial de 3 anos na área específica e formação escolar compatível. Apoiar grupos de excelência em projetos de atualização científica em novas sub-áreas na forma integrada com o setor produtivo. Apoiar a formação de pesquisadores em "Propriedade Intelectual e Mecanismos de Proteção e Transferência da Tecnologia oriunda das atividades de P&D".

 

PROGRAMAS PROPOSTOS

A comissão destaca como prioridade, no Setor de Polímeros, a necessidade de apoio aos Programas de P&D na Área de Transformação de Polímeros. Como apontado pelos indicadores anteriores, deve-se, portanto, investir em programas de P&D que contemplem as seguintes áreas no setor de polímeros:

Processos envolvendo transformação, modificação de polímeros, desenvolvimento de compostos

Produtos para o setor automobilístico, de embalagens, construção civil, eletroeletrônica

Máquinas e Moldes para desenvolvimentos, automação e projetos/design

 

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Estratégias Gerais

São recomendadas as seguintes estratégias gerais para aplicação em todos os programas propostos:

1) Para que as ações propostas resultem em benefício direto do Setor Produtivo, devem existir vínculos entre as linhas de auxílio a P&D com as empresas ou órgãos do governo. Para tanto, devem ser estabelecidos os seguintes pontos:

- Participação junto aos órgãos de fomento, de representantes das diversas entidades do Setor (Associações, Sindicatos)

- Apoio às comissões permanentes que geram subsídios para a pesquisa e desenvolvimento que sejam de interesse do setor produtivo e compatíveis com a realidade econômica brasileira.

2) Dentro das linhas de fomento a P&D devem ser considerados:

- Linhas de Bolsas para contratação de pesquisadores e técnicos para o desenvolvimento dos projetos;

- Apoio para a obtenção da proteção da Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia resultantes das ações de P&D e incentivos para o desenvolvimento e/ou aperfeiçoamento de produtos e processos para o setor produtivo.

3) Dentro da política de financiamento de P&D no Estado, deve ser mantido um equilíbrio entre as pesquisas de curta duração (até 3 anos), de média duração (3 a 7 anos) e de longa duração (superior a 7 anos), tendo-se em vista os diferentes e importantes resultados de cada uma delas.

Estratégias Específicas

De forma a atender às necessidades específicas do setor, na modalidade de processos, produtos, máquinas e moldes, deve-se adotar as seguintes estratégias:

1) Implantar linhas de processamento experimental com equipamentos de alta produtividade e com padrões de qualidade para desenvolvimento de: Produtos novos; Produtos convencionais competitivos; Compostos; Ferramentas (moldes e matrizes).

2) Implantar linhas de processos de síntese e de catálise para o desenvolvimento de: Processos de polimerização e catalisadores; Novos tipos (grades) de polímeros; Sistemas de aditivação.

3) Ampliar e consolidar laboratórios de caracterização de polímeros para: Caracterizar as propriedades dos produtos e materiais; Gerar novas aplicações de polímeros convencionais e novos.

4) Implantar P&D em Design/projetos.

5) Implementar serviços de informação sobre cursos, eventos, publicações técnicas, rede de informações.

Em relação aos processos, produtos, linhas de produtos e serviços, as estratégias a serem adotadas deverão contemplar as seguintes especialidades:

a) Injeção, injeção sopro, injeção a gás, extrusão, extrusão sopro, calandragem e termoformagem

b) Moldes, matrizes e roscas

c) Borracha Natural

d) Catalisadores

e) Polímeros de barreira

f) Consultoria em Design/projetos

g) Atendimento/consultas técnicas; realização e divulgação de eventos; estudos de monitoramento e prospecção tecnológica; divulgação de documentos técnicos; divulgação de indicadores da atividade econômica; divulgação dos programas de P&D para empresas e seus benefícios.

Objetivos

Os programas de P&D propostos pela Comissão Setorial foram elaborados de forma a atingir os seguintes objetivos:

1) Novas aplicações de polímeros convencionais ou modificados, novos produtos ou linhas de produtos para atender às exigências das normas e padrões mundiais de forma competitiva, utilizando-se matérias primas nacionais.

Os custos e a qualidade das resinas e dos produtos novos sofrem constantes melhorias a nível mundial . Competir de forma global nessas áreas, tanto em qualidade quanto em preços, exige investimentos em P&D, pois a transferência de tecnologia pode em alguns casos não ser um instrumento disponível.

2) Atingir condições modernas de ação em projetos e desenvolvimentos, de forma a garantir alta qualidade e baixo custo de moldes, roscas, matrizes, processos, linhas de processo e máquinas. A implantação de métodos de cálculo, modelagem matemática e simulação antecipam os bons resultados com pouco investimento relativo.

3) A implantação nas indústrias de linhas de processos com controles avançados, máquinas produtivas a custos e qualidade competitivos com o mercado internacional.

Matéria elaborada pelo Prof. Silvio Manrich (UFSCar-DEMa), com a colaboração do Prof. Elias Hage Jr. (UFSCar-DEMa) e de Fátima S. Cordebello (ABPol)

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons