SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número especial 3Apresentação índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Educar em Revista

versão impressa ISSN 0104-4060

Educ. rev.  no.spe3 Curitiba  2014

https://doi.org/10.1590/0104-4060.38671 

 

 

Editorial

 

 

Salvo melhor juízo, a nossa atual Constituição Federal (1988), uma jovem de 26 anos, define em seu artigo 205: "A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho". Também consta em nossa Carta Magna, em seu artigo 225, § 1º: "VI - promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente".

Assim, para o tema em tela do presente dossiê, podemos inferir que também cabe ao Poder Público definir políticas que incorporem a dimensão ambiental na promoção da educação ambiental em todos os níveis de ensino. Após uma década de sua promulgação, acontece a publicação da Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999, regulamentada pelo Decreto nº 4.281, de 25 de junho de 2002, que dispõe sobre a Política Nacional de Educação Ambiental, da qual tomo a liberdade de destacar o artigo 3º do seu primeiro capítulo, quando explicita que todos têm direito à educação ambiental, incumbindo às instituições educativas a tarefa de promover este tipo de educação de modo integrado aos programas educacionais que desenvolvem. É certo que outros setores também foram instados a dividir esta responsabilidade, tais como os órgãos integrantes do Sistema Nacional de Meio Ambiente, os meios de comunicação de massa, as empresas, entidades de classe, instituições públicas e privadas.

Os valorosos esforços de nossos docentes e pesquisadores que tratam desta abordagem em suas investigações e práticas profissionais, alguns deles reunidos nesta publicação, sinalizam que o desafio acerca da conscientização da existência de uma problemática ambiental não tem sido um objetivo fácil de alcançar, o que faz deste debate uma oportunidade que contribui na ampliação e na inovação de ideias que estimulem a formação de consciências ambientais aptas a entender os problemas do século XXI e propor-lhe soluções viáveis e inteligentes.

Outro desafio é, sem dúvida, aquele que trata da formação de professores e da responsabilidade destes na promoção de discussões em seu ambiente de trabalho, qual seja, a escola, o colégio e a universidade, de questões ambientais e os seus desdobramentos políticos, sociais, econômicos, históricos e geopolíticos. Se ainda são poucos os que reconhecem a luta pela legitimidade da importância das Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação Ambiental no estabelecimento de processos educativos com enfoques interdisciplinares, esta se torna, talvez, uma das maiores dificuldades ainda a ser incorporada nas práticas de nossos docentes, formadores de professores.

É com esta pequena reflexão que saúdo fortemente as organizadoras deste dossiê por esta importante e necessária iniciativa, a quem deixo o prazer de apresentar seus autores de modo mais detalhado. Com isto, desejo-lhes uma proveitosa leitura dos artigos aqui reunidos.

Curitiba, novembro de 2014.

 

Marcus Levy Bencostta
Editor

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons