SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número especial 4EditorialA educação a distância em pesquisas acadêmicas: uma análise bibliométrica em teses do campo educacional índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Educar em Revista

versão impressa ISSN 0104-4060

Educ. rev.  no.spe4 Curitiba  2014

https://doi.org/10.1590/0104-4060.39025 

Dossiê – Educação a Distância

Apresentação

Glaucia da Silva Brito


A ideia deste dossiê nasceu de uma simples discussão que tive com um grupo de alunos da pós-graduação em Educação da UFPR sobre as siglas utilizadas atualmente nos trabalhos sobre Educação a distância - EaD, EAD, ead, Ead, EAd. Esta discussão terminou imediatamente, com os esclarecimentos de Belão (2014):

oficialmente as nomenclaturas corretas são EaD e EAD. A diferença entre as duas é que EaD significa Educação a Distância, fazendo referência a cursos onde há distância de tempo e ou espaço; já EAD significa Educação Aberta e a Distância e ocorre em cursos onde o próprio aluno escolhe os módulos que vai cursar, por isso é chamada de Aberta. Portanto, EaD e EAD não são sinônimos1.

Se a sigla da educação a distância gera tantas dúvidas e discussões seria interessante ampliar a discussão sobre EaD. Desta forma, trago para este número especial da Educar em Revista da Universidade Federal do Paraná o dossiê sobre Educação a Distância, com pesquisas sobre alguns elementos considerados na organização de um sistema de EaD, que são: os atores da EaD, ou seja, os alunos, professores e tutores; aspectos pedagógicos e de aprendizagem, a infraestrutura, tecnologias, políticas públicas e outros elementos. Reconhecemos que estes elementos, na pesquisa em EaD, nem sempre são considerados separadamente, mas por uma questão de organização classificamos os artigos neste dossiê a partir destes elementos.

No primeiro artigo, "A educação a distância em pesquisas acadêmicas: uma análise bibliométrica em teses do campo educacional", os autores Daniel Mill e Márcia Rozenfeld Gomes de Oliveira apresentam uma análise das relações entre os temas "Pesquisa" e "Educação a Distância" (EaD). Buscaram identificar as articulações entre a agenda de pesquisa sobre EaD e a evolução da área a partir de uma análise bibliométrica das produções científicas (teses de doutorado em Educação), catalogadas pelo Grupo Horizonte (UFSCar).

No artigo seguinte o elemento explorado é a política pública sobre educação a distância no Brasil. Katia Morosov Alonso, no segundo artigo, "A EaD no Brasil: sobre (des)caminhos em sua instauração", analisa documentos emanados do Ministério da Educação, dados de Resumos Técnicos de Censos do Ensino Superior e publicações dedicadas ao tema educação a distância com o objetivo de explicitar determinadas tendências e delineamentos presentes na oferta da educação a distância no Brasil e aponta a urgência na e para a avaliação desta política pública.

O terceiro elemento explorado nesta edição é o da aprendizagem. Suely Scherer e Glaucia da Silva Brito, no terceiro artigo, "Educação a distância: possibilidades e desafios para a aprendizagem cooperativa em ambientes virtuais de aprendizagem", nos trazem os resultados de um estudo que teve por objetivo analisar possibilidades de aprendizagem cooperativa em ambientes virtuais de aprendizagem de disciplinas e cursos oferecidos na modalidade de Educação a Distância (EaD). No quarto artigo, "Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida", o autor José Armando Valente discute o blended learning, que combina atividades presenciais e atividades educacionais a distância, realizadas por meio das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC). Nos apresenta a sala de aula invertida (flipped classroom) como uma das maneiras de combinar as atividades presenciais e a distância.

O quinto artigo, "Estado del Mobile Learning en España", discute também o elemento aprendizagem, sendo de autoria de Francisco Brazuelo Grund e Domingo José Gallego Gil, professores e pesquisadores da Universidad Nacional de Educación a Distancia de Madrid, Espanha. Os autores nos apresentam uma investigação sobre o estado da arte do Mobile Learning ou aprendizagem móvel na Espanha a partir de uma revisão sobre o estudo descritivo da produção científica nacional, no período de 2009 a 2013.

Nos próximos artigos o elemento explorado foi o ator "professor" e sua formação em diversos aspectos: como aluno, como professor formador, como professor autor e professor-tutor em um curso na modalidade a distância. O sexto artigo, "Formação de professores a distância e as perspectivas de articulação entre teoria e prática por meio de ambientes on-line", de Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida e Katia Alexandra de Godoi e Silva, traz questões sobre a formação inicial de professores e da articulação entre teoria e prática nas modalidades presencial e a distância. As autoras Maria Teresa Menezes Freitas e Aléxia Pádua Franco, no artigo de número sete, "Os desafios de formar-se professor formador e autor na Educação a Distância", problematizam e discutem os desafios de formar professores autores e formadores para atuar em cursos na modalidade a distância a partir de duas questões centrais: Existe a necessidade de formar docentes, atuantes em cursos presenciais, para atuar em EaD? Que práticas formativas podem contribuir para que o professor possa se apropriar de detalhes fundamentais para o sucesso do trabalho profissional no contexto da EaD? No oitavo artigo, "Formação de professores dos anos iniciais da educação básica na modalidade EaD: ensino de língua materna e a influência das Tecnologias da Informação e Comunicação", escrito pelas autoras Lucilene Lisboa de Liz e Sandra Quarezemin, problematiza-se a percepção dos professores dos anos iniciais, alunos em formação por meio da educação a distância (EaD), no que diz respeito ao ensino de língua materna. No nono artigo, "As representações sociais do trabalho do tutor presencial: limites e possibilidades", as autoras Maria Luisa Furlan Costa e Maria Aparecida Crissi Knuppel apresentam o modelo de tutoria adotado pelas Instituições Públicas de Ensino Superior que integram o programa Universidade Aberta do Brasil (UAB), trazendo como foco central os tutores presenciais que se responsabilizam pelo atendimento aos alunos no polo de apoio presencial.

O elemento tecnologia na EaD é tratado nos próximos artigos. O autor Rui Trindade apresenta, no décimo artigo, "Os benefícios da utilização das TIC no Ensino Superior: A perspectiva docente na E-Learning", uma análise de projetos que receberam o prêmio Excelência E-Learning da Universidade do Porto (Portugal), atribuído entre 2004/2005 e 2010/2011, a partir dos benefícios que os docentes atribuíam à utilização das novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) como suportes de iniciativas pedagógicas em contextos de formação relacionados com o Ensino Superior. Ainda enfatizando a questão das tecnologias, no artigo décimo primeiro, "Objetos de Aprendizagem como elementos facilitadores na Educação a Distância", as autoras Mára Lúcia Fernandes Carneiro e Milene Selbach Silveira nos apresentam a análise de um conjunto de 65 objetos de aprendizagem produzidos no Núcleo de Apoio à Educação a Distância (NAPEAD) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), discutindo os achados desta pesquisa e o ponto de vista de alguns dos diferentes atores envolvidos no processo de produção e uso desses OAs.

Encerramos esta edição com a resenha de Sônia Cristina Vermelho, que destaca a obra de um autor que se tornou referência e traz alguma contribuição à temática da educação a distância nesta última década. Desta forma, MOORE. Michael G.; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: sistemas de aprendizagem on-line. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013, foi resenhado por ser um dos precursores da EaD nos EUA e muito citado no Brasil.

Desejo a todos uma boa leitura!

1BELÃO, Vanessa do R. G. Garret. Tendências das pesquisas em educação a distância em teses e dissertações defendidas entre 2002 e 2012 em Instituições do Estado do Paraná. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License