SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 issue1Radicais livres: conceitos, doenças relacionadas, sistema de defesa e estresse oxidativoDose de soro (antiveneno) no tratamento do envenenamento por serpentes peçonhentas do gênero Bothrops author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.43 n.1 São Paulo Jan./Mar. 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42301997000100015 

Artigo de Revisão

 

Capilaroscopia panorâmica periungueal e sua aplicação em doenças reumáticas

L.S.M. da Silva, A.R.A.G. Lima, M.L.C. Pucinelli, E. Atra, L.E.C. Andrade

 

Disciplina de Reumatologia da Universidade Federal de São Paulo — Escola Paulista de Medicina, São Paulo, SP.

 

 

UNITERMOS: Microcirculação. Capilares. Esclerodermia. Fenômeno de Raynaud. Microangiopatia. Microscopia capilar.

KEY WORDS: Microcirculation. Capillary loops. Scleroderma. Raynaud phenomenon. Microangiopathy. Capillary microscopy.

 

 

INTRODUÇÃO

A capilaroscopia periungueal (CPU) consiste na visualização in vivo da rede microvascular da região periungueal. Trata-se de um exame não-invasivo e de fácil execução, que tem encontrado grande aplicação no estudo das acro-síndromes vasculares e de doenças auto-imunes reumáticas sistêmicas.

Aparentemente, a primeira descrição de capilaroscopia microscópica data de 1663, tendo sido realizada por Johan Christophorous Kohlhaus. Estudos subseqüentes utilizaram diversos sistemas de magnificação óptica para a visualização de capilares em diferentes locais do organismo humano, tais como a conjuntiva ocular, lábios, região periungueal e polpa digital1-5.

Na primeira metade deste século, diversos estudos investigaram possíveis associações clínico-capilaroscópicas. A maioria desses estudos empregava magnificações de 50 a 250 vezes, que forneciam informações detalhadas sobre capilares individuais. Devido à enorme variabilidade normal da morfologia capilar, esses estudos originaram informações conflitantes e inconsistentes. A partir de 1955, Wertheimer & Wertheimer6 e Maricq et al.7-10 introduziram a CPU panorâmica, feita sob pequena magnificação (10 a 20 vezes). Essa abordagem tem a vantagem de salientar o panorama microvascular e as alterações morfológicas capilares mais marcantes em detrimento das freqüentes e sutis variações morfológicas evidenciadas sob maior magnificação. A CPU panorâmica permitiu evidenciarem-se padrões microangiopáticos consistentemente associados a determinadas condições clínicas. Nas décadas de 70 e 80, diversos trabalhos em todo o mundo confirmaram a utilidade propedêutica da CPU panorâmica. No Brasil, o método foi introduzido em 1987 mediante um amplo estudo de padronização da normalidade para nossa população11.

A CPU panorâmica tem boa reprodutibilidade e espelha adequadamente os achados anatomopatológicos9,10,12-14. Entretanto, deve-se ter em mente que a CPU fornece uma imagem indireta do capilar, pois com as fontes de luz disponíveis visualiza-se apenas o fluxo sanguíneo moldado pelas paredes dos capilares8.

 

MÉTODO DE EXECUÇÃO DO EXAME

O instrumento óptico mais adequado é a lupa estereomicroscópica, embora possam ser empregados, a título de triagem, outros instrumentos de magnificação, como a lupa de mão, oftalmoscópio e microscopia convencional. A epiiluminação deve provir de fonte de baixa irradiação térmica, incidindo a 45º sobre a superfície da pele.

A aplicação de um meio oleoso e transparente (óleo de imersão, glicerina) sobre a região a ser examinada nivela a superfície irregular da pele, o que permite a entrada e saída homogênea dos raios luminosos e torna a pele translúcida8,11.

Embora os dedos anular e mínimo ofereçam, em geral, melhor visibilidade, todos os dedos das mãos devem ser examinados, pois alterações microangiopáticas podem ser focais e restritas a apenas alguns dedos. Para melhores resultados, deve-se orientar o paciente a não retirar a cutícula por no mínimo três semanas antecedendo a avaliação. O edema resultante da retirada da cutícula prejudica acentuadamente o estudo dos capilares periungueais.

A CPU permite a visualização do plexo venoso subpapilar (PVS) e capilares das papilas dérmicas. As observações feitas restringem-se aos capilares da fileira distal, ou seja, imediatamente proximais à borda ungueal e à cutícula. Esses capilares são, normalmente, bem visualizados de forma longitudinal em seus três segmentos, aferente, transição e eferente. Os capilares das fileiras proximais são usualmente visualizados como pequenos pontos correspondendo ao topo do segmento de transição (fig. 1).

 

 

MORFOLOGIA DAS ALÇAS CAPILARES PERIUNGUEAIS

A escolha da região periungueal deve-se à peculiar disposição de seus capilares. Na maior parte do tegumento, as papilas dérmicas são perpendiculares à superfície da pele. Cada papila alberga uma alça capilar, a qual aparece à capilaroscopia como um pequeno ponto vermelho correspondendo ao topo da alça. Na região periungueal, as papilas assumem uma posição horizontal, permitindo visualização longitudinal dos diversos segmentos capilares.

As alças capilares são constituídas de três porções: ramo aferente (arterial), porção intermediária, ramo eferente (venoso).

O ramo eferente pode ser facilmente reconhecido pelo seu maior diâmetro. A forma das alças é altamente variável de indivíduo para indivíduo, podendo-se encontrar, ainda, diferenças entre as alças individuais de um mesmo indivíduo8,11.

 

PADRÕES PANORÂMICOS E PARÂMETROS DE MICROANGIOPATIA

As anormalidades da microvasculatura periungueal podem ser registradas sob forma analítica ou pela impressão subjetiva do quadro panorâmico (padrões panorâmicos). O método analítico registra, de forma objetiva e quantitativa, os diversos parâmetros de anomalias microvasculares (para uma revisão, veja referência 11). O método panorâmico exprime essas mesmas anomalias de forma sintética (quadro 1).

 

 

O método panorâmico utiliza a faculdade mental de reconhecimento de padrões, a mesma que nos permite o reconhecimento imediato de um rosto ou uma paisagem familiares. Esta é uma faculdade mental independente, em que a informação é processada em conjunto, sem análise de seus elementos individuais16. Apresenta a vantagem de permitir um reconhecimento imediato do conjunto de alterações e da captação de nuanças que, por vezes, não podem ser registradas de forma objetiva. Por outro lado, é um método subjetivo, com limitações relativas a reprodutibilidade e a quantificação.

Na abordagem analítica, os principais parâmetros visíveis à CPU são analisados individualmente, de forma quantitativa ou semiquantitativa. Os principais parâmetros analisados estão listados no quadro 2. Por sua importância e consistência em algumas enfermidades, merecem destaque os parâmetros que registram os fenômenos de aumento do calibre capilar e de desvascularização capilar.

 

 

O fenômeno de aumento no calibre das alças capilares é registrado pela quantificação do número de capilares ectasiados (de diâmetro 4 a 8 vezes superior ao dos capilares adjacentes) e de megacapilares (de diâmetro 10 vezes superior ao dos capilares adjacentes). Os megacapilares são facilmente identificados por seu aspecto aneurismático.

A desvascularização capilar pode ocorrer de forma difusa ou focal. A desvascularização difusa é registrada contando-se o número de capilares por milímetro. Para uma maior representatividade, recomenda-se contar uma extensão de 2 a 3 milímetros. Essa contagem é possível pela adaptação de um retículo graduado a uma das oculares do microscópio. Para o registro da desvascularização focal, estabeleceu-se o conceito de área de deleção. Uma área de deleção consiste em uma região da fileira distal em que faltam pelo menos duas alças ou uma área de pelo menos 3 milímetros sem capilares (fig. 2). Esse achado é registrado segundo o índice desenvolvido por Lee et al.17 (quadro 3).

 

 

 

Em nosso serviço, temos optado por uma combinação dos métodos analítico e sintético para interpretação das alterações vistas à CPU, o que nos permite aproveitar as vantagens de ambos.

 

ASPECTOS CAPILAROSCÓPICOS EM ALGUMAS DOENÇAS REUMÁTICAS

Os achados da CPU exibem uma ampla variabilidade entre pessoas sadias, o que exige que o examinador se familiarize adequadamente. Tendo como base o padrão panorâmico delineado no quadro 1, podemos encontrar alterações discretas, tais como alças tortuosas, enoveladas, com ramos cruzados entre si, e de morfologia bizarra (fig. 3). Micropetéquias com distribuição focal podem dever-se a microtraumas quotidianos. O PVS pode ser visualizado como um reticulado vermelho escuro em extensão variável do dorso da falange distal em aproximadamente 60% da população geral11, apresentando maior visibilidade em crianças18,19 e em pessoas de pele clara e fina. Curiosamente, é mais visível nos dedos da mão esquerda. Pode-se observar um pequeno número de capilares ectasiados, mas megacapilares são um achado definitivamente patológico. A densidade linear de capilares varia de 7 a 12/mm, podendo haver variação entre os diversos dedos. Não se observam áreas de deleção.

 

 

 

Na esclerodermia encontra-se o padrão SD em 90% dos casos7,8,11,20,21, por vezes ainda na fase prodrômica, em que apenas o fenômeno de Raynaud é aparente. Além dos dados assinalados no quadro 1, observa-se indefinição do contorno dos capilares, que aparecem como que "desfocados". Isto se deve, provavelmente, ao edema intersticial e à proliferação conjuntiva anômala observada nessa doença. É freqüente o encontro de micropetéquias com distribuição disseminada, o que traduz dano endotelial. A microangiopatia esclerodérmica, usualmente, tem caráter indolente, alterando-se lentamente ao longo dos anos. A esclerodermia localizada apresenta capilaroscopia periungueal normal8.

Alterações semelhantes ao padrão SD podem ser encontradas em síndromes de superposição do tecido conjuntivo, especialmente quando apresentam componente esclerodérmico8,11,20.

Em cerca de 60% dos casos de dermatomiosite evidencia-se o padrão SD8,9,11,22. Embora possa ser indistinguível daquele encontrado na esclerodermia, algumas pequenas diferenças podem orientar o diagnóstico específico. As alças capilares apresentam contornos nítidos, sem a impressão de "borramento" que é freqüente na esclerodermia. A microangiopatia periungueal na dermatomiosite apresenta uma grande prevalência de capilares com ramificações exuberantes, evocando uma imagem de arbusto ou couve-flor. Finalmente, a microangiopatia na dermatomiosite tem caráter mais dinâmico, involuindo quando se controla a doença. Curiosamente, a polimiosite raramente apresenta alterações à CPU.

As alterações microangiopáticas periungueais observadas no LES são menos específicas8,20,21,23. Cerca de 30% dos pacientes não apresentam qualquer alteração. Podem ser encontrados capilares ectasiados e micro-hemorragia de padrão disseminado. Raramente se observam megacapilares. Capilares longos e enovelados têm sido descritos em cerca de 30% dos casos, mas esse achado não parece ser específico. Não se encontra desvascularização, a menos que haja uma lesão discóide superposta à região periungueal sob exame. Fora da região periungueal, no dorso das falanges, pode ser encontrada uma lesão característica, denominada lesão "em janela". Trata-se de uma área circunscrita em que os topos dos capilares não são visíveis, mas o PVS é visível em cor vinhosa.

A maioria dos pacientes com a forma idiopática do fenômeno de Raynaud apresenta padrão capilaroscópico normal. Podem ser observados capilares ectasiados, mas, usualmente, não se vêem megacapilares e desvascularização. Entretanto, sabe-se que o fenômeno de Raynaud pode estar associado com doenças do tecido conectivo, especialmente com a esclerodermia, podendo preceder, por meses a anos, o aparecimento de outros sinais e sintomas sugestivos dessa doença. A CPU tem sido particularmente útil na identificação precoce de tais pacientes8,23,24.

Na artrite reumatóide, a CPU mostra apenas alterações inespecíficas, tais como tortuosidade capilar, visibilidade aumentada do PVS e micro-hemorragia8,11.

Uma certa proporção de pacientes com formas indiferenciadas de doença difusa do tecido conjuntivo apresenta microangiopatia tipo SD. A maior parte desses pacientes desenvolve manifestações esclerodérmicas8.

 

CORRELAÇÕES PROGNÓSTICAS DO PADRÃO SD NA ESCLERODERMIA

Observações clínicas não controladas têm sugerido uma correlação positiva entre gravidade da microangiopatia SD e a extensão do comprometimento visceral na esclerodermia. Com o intuito de esclarecer esse tema, estudamos recentemente 29 pacientes (20 com forma limitada/CREST e nove com forma difusa de esclerodermia), comparando as alterações capilaroscópicas e o envolvimento esofagiano e pulmonar25. Pacientes com a forma difusa apresentaram maior desvascularização. Em ambas as formas, o acometimento esofágico e pulmonar correlacionou-se com um maior grau de desvascularização. É interessante notar que um maior número de capilares ectasiados e megacapilares foi encontrado em pacientes sem úlceras de polpas digitais e reabsorção de tofo de falange distal, sugerindo um papel vicariante para a dilatação capilar.

Essas observações, embora preliminares, colocam a CPU como um possível instrumento de avaliação prognóstica e monitoração terapêutico-evolutiva na esclerodermia e enfermidades correlatas. Obviamente, estudos subseqüentes são necessários para confirmar e delimitar esse tipo de aplicação da CPU.

 

APLICAÇÕES DA CPU EM REUMATOLOGIA

Atualmente, a CPU encontra seu lugar bem definido na propedêutica médica, sendo indicada nas seguintes situações: 1) investigação de pacientes com fenômeno de Raynaud; 2) reconhecimento precoce de casos de esclerodermia, dermatomiosite e doença mista do tecido conectivo; 3) auxílio diagnóstico nas síndromes indiferenciadas do tecido conectivo; 4) correlação prognóstica e monitoração evolutiva na esclerodermia.

Por tratar-se de um exame não-invasivo, de fácil execução e baixo custo, o treinamento e a prática em capilaroscopia periungueal devem ser estimulados e estendidos, especialmente a médicos que lidam com pacientes reumáticos ou com acrossíndromes.

 

AGRADECIMENTOS

Este trabalho teve subsídio parcial dos Fundos Remanescentes da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Callender CL. Photomicrographic studies of morphology of surface capillaries in health and disease. JAMA 1925; 84: 352-6.         [ Links ]

2. Davis MJ, Lawler JC. Capillary alterations in pigmented purpuric disease of the skin. Arch Dermatol 1958; 78: 723-31.         [ Links ]

3. Duryee AW, Wright JS, Study of human capillaries. Am J Med Sci 1933; 185: 664-73.         [ Links ]

4. Gilje O, O´Leary PA, Baldes EJ. Capillary microscopic examination in skin diseases. Arch Dermatol 1953; 68: 136-47.         [ Links ]

5. Landau J, Davis E. The small blood vessels of the conjunctiva and nailbed in diabetes mellitus. Lancet 1960; 2: 723-34.         [ Links ]

6. Wertheimer N, Wertheimer M. Capillary structure: its relation to psychiatric diagnosis and morphology. J Nerv Ment Dis 1955; 121: 14-27.         [ Links ]

7. Maricq HR. Wide field capillary microscopy — technique and rating scale of abnormalities seen in scleroderma and related disorders. Arthritis Rheum 1981; 24: 1.159-65.         [ Links ]

8. Maricq HR, Maize JC. Nailfold capillary abnormalities. Clin Rheum Dis 1982; 8: 455-77.         [ Links ]

9. Nussbaum AJ. Silver RM, Maricq HR. Serial changes in nailfold capillary morphology in childhood dermatomyositis. Arthritis Rheum 1983; 26: 1.169-72.         [ Links ]

10. Thompson RP, Harper FE, Maizes JC et al. Nailfold biopsy in scleroderma and related disorders. Arthritis Rheum 1984; 27: 97-103.         [ Links ]

11. Andrade LEC, Gabriel A, Assad RL, Ferrari AJL, Atra E. Panoramic nailfold capillaroscopy: a new reading method and normal range. Semin Arthritis Rheum 1990; 20: 21-31.         [ Links ]

12. Schnitzler L. Baran R, Verret J-L. La biopsie du repli sub-ungueal dans les maladies dite du collagene. Etude histologique, ultrastructuralle et en immunofluorescence de 26 cas. Ann Dermat Venereol 1980; 107: 777-85.         [ Links ]

13. Smukler NM, Redish W, Messina EJ, Hughes G, Kulka JP. Capillaroscopy and biopsy study of cutaneous microangiopathy in systemic lupus erythematosus. Arthritis Rheum 1967; 10: 314-9.         [ Links ]

14. Thompson RP, Maize JC, Maricq HR. Histology of the nailfold in connective tissue disease. Arthritis Rheum 1981; 24: 102.         [ Links ]

15. Barros C, Verrastro T, Jamra M. Capilaroscopia em moléstias hemorrágicas e outras hemopatias. Rev Hosp Clin 1958; 13: 270-83.         [ Links ]

16. Bolinger RE, Ahlers P. The sciense of pattern recognition. JAMA 1975; 233: 1.289-90.         [ Links ]

17. Lee P, Leung FY-K, Alderdice C, Armstrong SK. Nailfold capillary microscopy in the connective tissue diseases: a semiquantitative assessment. J. Rheumatol 1983; 10: 930-8.         [ Links ]

18. Cony M, Klene-Boudard C, Fontan I et al. Etude des aspects capillaroscopiques périunguéaux chez l´enfant normal. Arch Fr Pediatr 1992; 171:49-4.         [ Links ]

19. Maricq HR. Nailfold capillaries in normal children. J Nerv Ment Dis 1965; 141: 197-203.         [ Links ]

20. Granier F, Vayssairat M, Priollet P, Housset E. Nailfold capillary microscopy in mixed connective tissue disease. Arthritis Rheum 1986; 29: 189-95.         [ Links ]

21. Studer A, Hunziker T. Lütolf O et al. Quantitative nailfold capillary microscopy in cutaneous and systemic lupus erythematosus and localized and systemic scleroderma. J Am Acad Dermatol 1991; 24: 941-5.         [ Links ]

22. Spencer-Green G, Crowe WE, Levinson JE. Nailfold capillary abnormalities and clinical outcome in childhood dermatomyositis. Arthritis Rheum 1982; 25: 954-8.         [ Links ]

23. Kenik JC, Maricq HR, Bole GG. Blind evaluation of the diagnostic specificity of nailfold capillary microscopy in the connective tissue diseases. Arthritis Rheum 1981; 25: 885-91.         [ Links ]

24. Houtman PM, Kallenberg CGM, Fidler V, Wouda AA. Diagnostic significance of nailfold capillary patterns in patients with Raynaud´s phenomenon. J. Rheumatol 1986; 13: 556-63.         [ Links ]

25. Pucinelli MLC, Atra E, Sato EI, Andrade LEC. Nail fold capillaroscopy in systemic sclerosis: correlation with involvement of lung and esophagus. Rev Bras Reumatol 1995; 35: 136-42.         [ Links ]

26. Gibson WC, Bosley PGH, Griffiths RS. Photomicrographic studies on the nailbed capillary networks in human control subjects. J Nerv Ment Dis 1956; 122: 219-31.         [ Links ]

27. Norris AS, Chowning JR. Capillary morphology of the nailfold in the mentally ill. J Neuropsych 1963; 5: 225-34.         [ Links ]