SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número2Tratamento da epistaxe índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. v.45 n.2 São Paulo abr./jun. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42301999000200018 

Relato de Caso

 

Granuloma letal da linha média: abordagem clínica e terapêutica de três casos

D. M.M. Borducchi, G. W. B. Colleoni, J. S. R. de Oliveira, A. C. Alves, O. Cervantes, R. A. Segreto, J. Kerbauy

 

Departamento de Anatomia Patológica e Disciplinas de Hematologia e Hemoterapia; Cirurgia de Cabeça e Pescoço e de Radioterapia da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina, São Paulo, SP.

 

 

RESUMO - OBJETIVO: Relato de três casos do GLLM acompanhados pela Disciplina de Hematologia e Hemoterapia da Unifesp-EPM que tiveram boa resposta à terapêutica e evolução favorável.
MÉTODOS: Após confirmação histológica e histoquímica, os pacientes foram submetidos à tratamento quimio e radioterápico com boa resposta terapêutica.
RESULTADOS: Atualmente estes pacientes encontram-se em remissão total da doença, com sobrevida média de 45 meses.
CONCLUSÃO: Levando-se em consideração nossa pequena experiência, acreditamos que o tratamento radioterápico e a abordagem quimioterápica inicial agressiva são fundamentais para uma boa evolução deste tipo de linfoma.

UNITERMOS: Linfoma não-Hodgkin. Linfoma angiocêntrico. Tratamento.

 

 

INTRODUÇÃO

O granuloma letal da linha média (GLLM) corresponde a um grupo de doenças raras, caracterizadas por processo destrutivo de partes moles envolvendo estruturas do trato respiratório superior (nariz, seios paranasais, palato e tecidos moles faciais). Alguns casos com envolvimento pulmonar e de SNC representam uma entidade diferente1. O curso clínico desta doença parece depender da proporção de células grandes observadas no exame anatomopatológico, podendo assumir forma indolente ou agressiva1.

O quadro citológico característico é de invasão da parede vascular e, usualmente, oclusão do lúmen por células linfóides com variados graus de atipia. Na maioria dos casos as células atípicas expressam antígenos pan -T (CD2+, CD5+/-, CD7 +/-), mas são freqüentemente CD3 -, podendo ser CD4+ ou CD8+ e CD56+2,3.

Atualmente o GLLM é considerado um linfoma de origem T e foi recentemente incluído na classificação R.E.A.L. (Revised European-American Classification) pelo International Lymphoma Study Group sob a denominação de linfoma angiocêntrico4. Apesar da evolução clínica de pacientes com GLLM na maioria dos casos ser bastante desfavorável5, relatamos três casos de GLLM acompanhados pela Disciplina de Hematologia e Hemoterapia da Unifesp-EPM que tiveram boa resposta à terapêutica e evolução favorável.

 

RELATO DE CASO

Relatamos três casos de GLLM, diagnosticados entre março/1995 e fevereiro/1997 no ambulatório de LNH da Unifesp-EPM. Um paciente pertencia ao sexo masculino e dois ao feminino, com idades ao diagnóstico de 28, 35 e 58 anos, respectivamente. Todos foram considerados como estadio I B E (Tabela 1), de acordo com os critérios de Ann Arbor6, e classificados como linfoma T devido à positividade ao CD45 Ro e negatividade do CD20, na imuno-histoquímica. A revisão das biópsias dos três casos, de acordo com a classificação R.E.A.L., revelou o diagnóstico de linfoma angiocêntrico (Figuras 1 e 2). Os pacientes foram submetidos à tratamento local com radioterapia (3.600 - 4.000 cGy) e tratamento sistêmico com quimioterapia, esquema MVPP (4 - 6 ciclos). Esse esquema quimioterápico consiste de mostarda nitrogenada 6 mg/m2 IV no primeiro e oitavo dias, vinblastina 6 mg/m2 IV no primeiro e oitavo dias, procarbazina 100 mg/m2 VO por 14 dias e prednisona 60 mg/m2 por 14 dias. A sobrevida dos pacientes em janeiro/1998 era de 32, 24 e 34 meses, respectivamente. Atualmente, todos encontram-se em remissão completa da doença, em acompanhamento ambulatorial periódico.

 

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Existem, habitualmente, dois problemas que necessitam ser resolvidos quando se suspeita do diagnóstico de GLLM. Primeiro, diferenciá-lo clínica, bacteriológica e epidemiologicamente dos outros granulomas, especialmente da granulomatose de Wegener (GW). Segundo, diferenciá-lo dos outros tipos de linfoma, principalmente do linfoma extra-nodal de origem B, de acordo com características imunopatológicas7. Mas, em contraste com a GW, a genuína vasculite nunca é observada no GLLM8. Outra diferença entre GLLM e GW, é a presença de ANCA (antineutrophil cytoplasm antibodies) na maioria dos casos de GW9, sendo a pesquisa deste anticorpo negativa nos nossos casos.

Entre as numerosas formas de tratamento propostas para GLLM, a radioterapia parece ser a de maior sucesso. Quimioterapia isolada parece ter um efeito pequeno e quando obtida, a remissão é rara e de curta duração. Finalmente, o interferon alpha-2b recombinante tem sido utilizado em alguns casos para manutenção da remissão10.

O tempo de evolução do GLLM é variável, entre 3 e 20 meses, e o óbito pode ocorrer por infecção secundária, hemorragia provocada pela erosão de vasos maiores da cabeça e do pescoço e caquexia5. Nós acreditamos que quimio e radioterapia combinadas representam a melhor forma de tratamento para esta doença, com possibilidade de reconstrução estética das lesões nasais e melhora da qualidade de vida dos pacientes que atingem remissão completa contínua. Obtivemos boa resposta com o tratamento quimio e radioterápico associados à profilaxia de infecção dos seios paranasais (sulfametoxazol-trimetoprima 400 mg/dia) e todos os nossos pacientes encontram-se em remissão completa com sobrevida acima do esperado, sendo que apenas o caso 3 (Figura 1) necessitou de cirurgia plástica reparadora. Provavelmente a evolução favorável dos nossos pacientes possa estar associada à forma menos agressiva (indolente) de manifestação do linfoma angiocêntrico.

Concluímos, a despeito de nossa pequena experiência, que o GLLM não é sempre "letal" sendo a denominação linfoma angiocêntrico mais adequada principalmente para os casos com evolução indolente, e que a abordagem inicial agressiva é fundamental para uma boa evolução.

 

 

SUMMARY
Lethal midline granuloma: clinical management of three cases Most part of LMG (Lethal Midline Granuloma) have a more unfavorable outcome than other kinds of T non-Hodgkin's lymphoma.

PURPOSE: We report three cases of LMG followed at Disciplina de Hematologia e Hemoterapia from Unifesp-EPM with good response to conventional treatment and favorable outcome.
METHODS: After histological and histochemical analyses, patientes were treatd with combined chemo-and radiotherapy with favorable evolution.
RESULTS: Currently they present clinical complete remission, with mean survival of 45 months.
CONCLUSION: Despite of our small experience, we believe that combined aggressive therapy is extremely important for further favorable evolution in this type of lymphoma.
[Rev Ass Med Brasil 1999; 45(2): 194-6.]
KEY WORDS: Lethal midline granuloma. Non-Hodgkin lymphoma. Treatment.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1- Lipford E, Margolich J, Longo D. Angiocentric immunoproliferative lesions: a clinicopathologic spectrum of post-thymic Tcell proliferations. Blood 1988; 5:1.674.         [ Links ]

2- Chan J, Ng C, Lau, W. Most nasal/nasopharyngeal lymphomas are peripheral T cell neoplasms. Am J Surg Pathol 1987; 11: 418.         [ Links ]

3- Ferry J, Sklar J, Zukerberg L. Nasal Lymphoma: a clinicopathologic study with immunophenotypic and genotypic analysis. Am J Surg Pathol 1991; 15: 268.         [ Links ]

4- Harris, N.L.; Jaffe, E.S.;Stein, H.; Banks, P.M.; Chan, J.K.C.; Cleary, M.L.; Delsol, G.; De Wolf-Peeters, C.; Falini, B.; Gatter, K.C.; Grogan, T.M.; Isaacson, P.G.; Knowles, D.M.; Mason, D.Y.; Muller-Hermelink, H.K.; Pileri, S.A.; Piris, M.A.; Ralfkiaer, E.; Warnke, R.A. Revised European - American classification of lymphoid neoplasms: a proposal from the International Lymphoma Study Group. Blood 1994; 84: 1.361 92.         [ Links ]

5- De Gioanni PP, Bosco GF, Modica R. Midline granuloma. A clinical case report. Minerva Stomatol 1993; 42: 107-12.         [ Links ]

6- Carbone P, Kaplan HS, Musholf K. Report of the commitee of Hodgkin's disease staging classification. Cancer Res 1971; 31: 1.860-1.         [ Links ]

7- Cabane J. Qui se cache derrière le granulome malin centro-facial? Ann Méd Interne 1983; 134: 601-5.         [ Links ]

8- Lippman SM, Grogan TM, Spier CM, Koopman CF, Gall EP, Shimm DS, Durie BGM. Lethal midline granuloma with a novel T-cell phenocyte as found in peripheral T-cell lymphoma. Cancer 1987; 59: 936-9.         [ Links ]

9- Rothacher UM, Rump JA, Herbst EW, Blum U, Maier W, Peter HH. Differential diagnostic aspects of lethal midline granulomas. Immun Infekt 1994; 22: 158-60.         [ Links ]

10- Tsokos M, Fauci A, Costa J. Idiopathic midline destructive disease (IMDD). A subgroup of the patients with the "midline granuloma" syndrome. Am J Clin Pathol 1982; 77: 162-8.         [ Links ]

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons