SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 issue2O que é o paciente terminal?Como avaliar quedas em idosos? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.47 no.2 São Paulo April/June 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302001000200011 

À beira do leito

Ginecologia

 

ESPESSAMENTO ENDOMETRIAL NO CLIMATÉRIO: COMO INVESTIGAR?

 

 

H.H.G.S., 48 anos, procurou o Setor de Climatério com queixa de fogachos intensos há três meses e resultado anatomopatológico (AP) de hiperplasia glandular simples, obtido através de curetagem uterina realizada por metrorragia. Antecedentes familiares: diabetes, hipertensão arterial sistêmica. Antecedentes pessoais: casada; negra; menarca: 15 anos; ciclos regulares 3-5/30dias; primeiro coito aos 25 anos; vida sexual ativa; método anticoncepcional: preservativo; quatro gestações, dois partos normais e dois abortos; vitiligo; alterações funcionais benignas da mama; salpingectomia à esquerda. Data da última menstruação: há um mês. Índice menopausal de Kuppermann: 29; Exame físico geral e ginecológico: peso: 68,6 Kg, altura: 1,70m; mamas: simétricas, volumosas, sem alterações; genitália externa: sem alterações; especular: colo uterino hipertrófico, orifício em fenda transversa.

Foram solicitados exames para controle do climatério: colpocitologia oncótica, mamografia, ultra-sonografia transvaginal (USG TVG), densitometria óssea (DO) de coluna lombar e quadril, glicemia de jejum, colesterol total, colesterol de alta densidade (HDL), colesterol de baixa densidade (LDL), colesterol de densidade muito baixa (VLDL), triglicérides.

Resultados de exames: USG TVG: útero de 8,8 cm x 8,4 cm x 4,7cm, vol 162 cc, miomatoso, ovário direito: vol 10,5 cc, ovário esquerdo: não visibilizado, eco endometrial de 12 mm. Mamografia: mamas densas; glicemia: 82 mg/dL; colesterol total: 189 mg/dL; triglicérides: 88 mg/dL; HDL: 47 mg/dL; LDL: 124 mg/dL; VLDL: 18 mg/dL; DO: coluna L2L4: 1,082 g/cm², +0,31 DP, Colo de Fêmur: 1,128 g/cm², +2,34 DP. Colpocitologia Oncótica: classe II.

A paciente foi medicada com progestógeno (acetato de noretindrona 10 mg/dia, 15 dias/mês), a qual utilizou irregularmente apresentando nova hemorragia. Indicada histeroscopia diagnóstica, constatou-se presença de septo em região fúndica, sinéquia fúndica e lateral esquerda. Endométrio sugestivo de hiperplasia glandular. Realizada biópsia aspirativa. AP: endomério irregularmente proliferativo. Paciente foi orientada a manter esquema terapêutico anteriormente prescrito, mas de maneira correta, apresentando ciclos regulares no momento.

A presença de espessamento endometrial é freqüente nesta faixa etária; portanto, em pacientes com metrorragias no climatério pré-menopausal o estudo do endométrio é obrigatoriamente necessário, iniciando-se com ultra-sonografia transvaginal, complementa-se com histeroscopia, quando possível, ou curetagem uterina se exame anterior não estiver disponível. A presença de endométrio proliferativo, hiperplasia endometrial glandular cística ou simples, pólipos endometriais, são eventualidades que indicam o emprego de derivados progestogênicos até a chegada da menopausa.

Na persistência de sangramento uterino anormal estão indicadas outras opções terapêuticas, como ablação endometrial por histeroscopia (vaporização a laser, ressecção eletrocirúrgica ou balões térmicos), ou histerectomia que pode ser empregada por via vaginal, ou por via abdominal clássica, ou ainda a via laparoscópica.

A escolha entre estes métodos depende da avaliação criteriosa da idade da paciente, paridade, mobilidade uterina, antecedentes cirúrgicos, presença de endometriose ou outras patologias associadas, assim como a habilidade do cirurgião no manejo destas técnicas.

 

PAULO AUGUSTO DE ALMEIDA JUNQUEIRA
ANGELA MAGGIO DA FONSECA
VICENTE RENATO BAGNOLI
JOSÉ MENDES ALDRIGHI