SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue1Produção científica: critérios de avaliação de impactoPneumatoceles na criança author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.48 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302002000100025 

Correspondências

 

RAMB

 

 

A nova revista da Associação Médica Brasileira foi feita a primor. O esmero está na capa, nas seções apresentadas, agradando tanto o especialista como o generalista pela escolha dos temas e pela diagramação. De parabéns o conselho editorial e o Dr. Eleuses Vieira de Paiva por mais esta iniciativa.

 

JOAQUIM PAIVA MARTINS
JOÃO PESSOA  – PB

 

 

Nota Prévia

 

TRATAMENTO SUPRAPERIOSTAL DO CORPO ADIPOSO INFRAORBITAL (SOOF) EM BLEFAROPLASTIA INFERIOR

 

 

O tratamento da região zigomática e sua suspensão visando a atenuação do sulco nasolabial tem sido realizado apenas através da ritidoplastia, mesmo assim com resultado insatisfatório. Na década de 90, iniciou-se o tratamento desta região através da blefaroplastia inferior com o descolamento do SOOF ( sub orbicularis oculi fat ou corpo adiposo infraorbital ) e fixação do mesmo.

A utilização desta técnica subperiostal tem atenuado o sulco nasolabial e melhorado o aspecto da região zigomática. Entretanto, nesta técnica o edema pós-operatório persiste por tempo prolongado¹,².

Por este motivo idealizamos o descolamento "supraperiostal" do SOOF, não descrito na literatura, na tentativa de diminuir o edema.

No estudo piloto realizamos 16 casos de blefaroplastia inferior com descolamento supraperiostal do SOOF, suspensão e fixação do mesmo na margem inferior da órbita.

O edema pós-operatório tem sido menor quando do descolamento subperiostal, descrito na literatura¹,².

Baseados nesta observação, estamos realizando um estudo prospectivo, randomizado e padronizado da técnica da blefaroplastia inferior (retalho cutâneo ou musculocutâneo) associada ou não ao descolamento supraperiostal do SOOF, com suspensão e fixação destes tecidos.

O objetivo deste estudo é analisar e mensurar a evolução pós-operatória quanto à equimose, ao edema, à elevação do sulco nasolabial, resultado estético e impacto na qualidade de vida.

Foram selecionadas 32 pacientes do sexo feminino, caucasianas, com idade entre 45 e 60 anos, excluindo aquelas com doenças associadas e tratamento prévio sobre a região.

As pacientes serão submetidas à cirurgia de blefaroplastia sob anestesia local. A blefaroplastia superior seguirá a técnica clássica, com ressecção de fuso de pele e tratamento das bolsas de gordura.

GRUPO I: A blefaroplastia inferior será realizada por incisão infraciliar, com descolamento do retalho cutâneo ou musculocutâneo e tratamento das bolsas de gordura.

GRUPO II: Nas pacientes randomizadas será realizado o descolamento supraperiostal, suspensão do SOOF e fixação deste ao periósteo da margem da órbita com três pontos de mononylon 4-0 incolor, tracionando assim os tecidos da região zigomática superiormente.

Todas as pacientes irão responder ao protocolo pré-estabelecido e a questionários que avaliarão a auto-estima (questionário de Rosemberg) e a qualidade de vida (questionário SF-36). Serão fotografadas (padronização detalhada) em tempos determinados e avaliadas por três cirurgiões plásticos não envolvidos no protocolo, especialistas, membros titulares da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com pelo menos o título de mestrado e 10 anos de formação em cirurgia plástica. O seguimento das pacientes será feito por um período de 6 meses.

 

Referências

1. Farrior RT, Kassir RR. Management of malar folds in blepharoplasty. Laryngoscope 1999; 108:1659-64.

2. Moelleken B. The superficial subciliary cheek lift, a thechnique for rejuvenating the infraorbital region and nasojugal groove: a clinical series of 71 patients. Plast Reconst Surg 2000; 104:1863-76

 

 

LYDIA MASAKO FERREIRA, ANELISA 
CAMPANER, ANA PAULA POLLATO, TESSIE
 MARIA KRENISKI, DANIELA S. DE FREITAS

Departamento de Cirurgia, Disciplina
 de Cirurgia Plástica da Universidade
 Federal de São Paulo - Escola
 Paulista de Medicina – S. Paulo, SP.

 

 

CORRESPONDÊNCIA:
R. Napoleão de Barros, 715 – 4º andar
Vila Clementino – CEP 04024-900 São Paulo – SP
lydia.dcir@epm.br ou danisanchez@ig.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License