SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue3Dopplervelocimetria umbilical para a avaliação fetal em gestações de alto riscoEstigma e discriminação: viva e deixe viver author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.48 no.3 São Paulo July/Sept. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302002000300025 

Diretrizes em foco

Pediatria

 

HIPOTIREOIDISMO SUB-CLÍNICO - CONTROVÉRSIAS (PARTE I)

 

 

Depois de revisar uma considerável quantidade de dados, os autores concluem que indivíduos com HS raramente precisam ser tratados com L-tiroxina (hormônio tireoideano). Os métodos atuais para avaliar a função tireoideana são inadequados para distingüir pacientes eutireoideanos daqueles com insuficiência tireoideana leve ou incipiente. Dados epidemiológicos mostram que indivíduos com TSH menor que 10um/L correspondem à grande maioria dos HS. Um grande número desses indivíduos, especialmente homens, são, na verdade, eutireoideanos. Estudos de corte transversal mostram que eles apresentam anomalias fisiológicas mínimas e provavelmente não seriam beneficiados pela terapia. A relação risco/benefício de tratar HS permanece indeterminada, dada a falta de dados de evolução e o risco considerável de supressão de TSH em pacientes com L-tiroxina.

Diante desses problemas, nós limitaríamos o uso do tratamento com L-tiroxina aos indivíduos com HS que possuam uma combinação dos seguintes fatores: TSH> 10mUI/L em dosagens repetidas, sintomas ou sinais claros (ex: bócio) de insuficiência tireoideana, história familial convincente de doença tireoideana, gravidez, tabagismo ou hiperlipidêmicos graves não diagnosticados anteriormente. Nossa posição de raramente tratar HS é suportada por um painel de consenso do Reino Unido que advoga tratamento de rotina do HS quando o TSH excede 10mUI/L.

Comentário

A grande questão no momento, com evidentes implicações de ordem prática, é se tratamos ou não o HS. O artigo de James Chu e Lawerence Crapo defende a opção de tratar tais pacientes, enquanto, em nosso comentário no próximo número da RAMB abordaremos a opinião oposta, defendida no artigo de Michael McDermott e Chester Ridgway. Com base nessas informações, nossos leitores tomarão partido no tratamento ou não desta condição. Enfatizamos, para finalizar, que a grande controvérsia está nos TSH menores que 10mUI/L, já que há considerável acordo em que TSH>10 merecem tratamento.

 

DURVAL DAMIANI

 

Referência

Chu JW, Crapo LM. The treatment of subclinical hypothyroidism is seldom necessary. J Clin Endocrinol Metab 2001; 86:4591-9.