SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue1Utilizando bem os índices prognósticosA obesidade e a insuficiência cardíaca author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.49 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000100003 

PANORAMA INTERNACIONAL
CLÍNICA CIRÚRGICA

 

Doppler endoscópico e varizes gastro-esofagianas

 

 

Darcy Lisbão Moreira de Carvalho; Pedro Luiz Squilacci Leme

 

 

É consenso que para avaliar risco de sangramento por varizes gastro-esofagianas é essencial o conhecimento de sua fisiopatologia, e para tanto Hino e colaboradores realizaram este estudo da morfologia e da hemodinâmica da veia gástrica esquerda (VGE) através da Doppler endoscópico colorido.

Na população estudada havia doentes com varizes de fino, médio e grosso calibres. Sendo identificado que o fluxo sangüíneo hepatofugal no tronco da VGE aumentou com o progressivo desenvolvimento do calibre das varizes, mas não correspondeu ao aumento do diâmetro da VGE.

Assim como comprovaram que o aumento progressivo do calibre das varizes correspondeu a um predomínio do fluxo para o ramo anterior da VGE em detrimento ao ramo posterior. Não se identificou, apesar do aumento das varizes, relação com o desenvolvimento do calibre das veias colaterais para-esofagianas, mas correspondeu ao aumento do calibre das veias perfurantes e de sua detecção ao exame.

Os autores concluíram que a velocidade do fluxo sangüíneo no tronco da VGE, em seus ramos e nas veias perfurantes, pode regular o suprimento do fluxo sangüíneo para as varizes esofagianas e contribuir para o seu desenvolvimento.

 

Comentário

Aspecto de suma importância no acompanhamento do paciente hepatopata é a perfeita noção do estado da hemodinâmica portal. É importante o estudo sistemático para esclarecimento da instalação do regime de hipertensão portal, da fisiopatologia dos sangramentos e de evidências que demonstrem risco eminente de hemorragia.

Talvez, mais importante que a identificação de valores isolados, seriam as mensurações repetidas, ou seja, controles seqüêciais para traçar o perfil evolutivo da doença.

 

Referência

Hino S, Kahutani K, Kuramochi A, Ikeda K, Uchiyama Y, Sumiyama K, et al. Hemodynamic assessment of the left gastric vein in patients with esophageal varices with color Doppler EUS: Factors affecting development of esophageal varices gastroeintist Endosc 2002; 55(4): 512-7.