SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue3Existe câncer do colo uterino sem HPV?Crescimento em crianças com artrite juvenil idiopática: tratamento com esteróide e efeitos do hormônio de crescimento author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.49 no.3 São Paulo July/Sept. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000300019 

OBSTETRÍCIA

 

Indução do parto em gestações pós-termo com 41 semanas

 

 

Seizo Miyadahira; Rossana Pulcineli Vieira Francisco; Marcelo Zugaib

 

 

Duas premissas básicas elegem a gravidez prolongada (idade gestacional de 42 ou mais semanas) como um dos mais importantes temas obstétricos: a sua elevada incidência, ainda que as resoluções por via abdominal sejam prática corriqueira no Brasil, está entre 3% e 15% das gestações normais1; e as complicações, tanto maternas quanto dos recém-nascidos (RN), associadas a essa intercorrência obstétrica, fatos que preocupam ainda muitos pesquisadores. Figuram entre os resultados indesejáveis: aumento, em até três vezes, da mortalidade perinatal (por anoxia intra-uterina não diagnosticada adequadamente); aumento da morbidade (oligoidrâmnio, síndrome de aspiração meconial, tocotraumatismos pela macrossomia fetal, sofrimento fetal, comprometimento neurológico do recém-nascido e aumento da taxa de cesáreas)2. Um dos principais entraves para a solução dessa anormalidade reside nas dificuldades de se obter sucesso na indução do parto, nesses casos, porque ainda inexiste uma substância ocitócica ideal, não obstante a introdução do misoprostol, em baixas doses, tenha exercido, atualmente, fortes atrativos3. Entretanto, para se evitar que a gestação pós-termo (entre 40 e 42 semanas) avance além de 42 semanas, submetendo-se aos riscos acima listados, uma proposta muito sedutora é a conduta de se induzir o parto, antes da pós-maturidade. Nessa vertente, Sanches-Ramos et al., 20034, em estudo de revisão sistemática com metanálise, selecionam, de um total de 99 trabalhos sobre o assunto, 16 estudos que abordam o impacto da indução com 41 semanas e a conduta expectante. Apesar de que a indução aleatória pudesse estar sob a crítica de promover maior risco de cesárea, porque inclui também os casos de colos desfavoráveis, o índice observado foi menor (20,1% versus 22,0% - OR 0,88; IC 95% 0,78-0,99). Constatou-se, também, menor índice de mortalidade perinatal (0,09% versus 0,33% - OR 0,41; IC 95% 0,14-1,18), embora não houvesse diferença significativa. Similarmente, não foram observadas diferenças quanto a taxas de: admissão do RN à UTI, presença de mecônio abaixo das cordas vocálicas, aspiração de mecônio e índices de Apgar anormais. Portanto, esta revisão demonstra de forma inequívoca a validade de se induzir, utilizando-se de quaisquer métodos, gestações antes de 42 semanas, diminuindo as taxas de cesáreas, sem o comprometimento dos resultados perinatais.

 

Comentário

A filosofia adotada nos trabalhos selecionados para esta revisão sistemática, qual seja, a de não deixar a gestação ultrapassar 42 semanas, converge integralmente com os ideais empregados na elaboração do protocolo assistencial da Clínica Obstétrica da FMUSP, para essa entidade nosológica, desde a década de 19901. Da mesma forma, vai de encontro com a mesma tendência atual, verificada na literatura internacional2 cujos objetivos estão estritamente voltados para a preservação dos indicadores da saúde perinatal. Como adenda às diretrizes que podem emanar dos resultados observados, é interessante ressaltar que nos casos de colos favoráveis (índice de Bishop > 5), a indução é uma prática perfeitamente aceitável, mais precocemente ainda, com 40 semanas de idade gestacional1.

 

Referências

1. Miyadahira S. Pós-datismo. In: Zugaib M, Bittar, RE, editors. Protocolos assistenciais da Clínica Obstétrica da FMUSP. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 2002

2. Rand L, Robinson JN, Economy KE, Norwitz ER. Post-term induction of labor revisited. Obstet Gynecol 2000; 96:779-83.

3. Hall R, Duarte-Correa M, Harlass F. Oral versus vaginal misoprostol for labor induction. Obstet Gynecol 2002; 99:1044-8.

4. Sanches-Ramos L, Olivier F, Delke I, Kaunitz AM. Labor induction vesus expectant management for postterm pregnancies: a systematic review with meta-analysis. Obstet Gynecol 2003; 101:1312-8.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License