SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue4Perspectivas da versão externa cefálica no cenário obstétrico atualComo decidir pela não-reanimação de recém-nascidos muito imaturos em sala de parto? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.49 no.4 São Paulo  2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000400008 

PEDIATRIA

 

Tratamento com hormônio de crescimento (GM) e neoplasia — coincidência ou conseqüência?

 

 

Nuvarte Setian

 

 

A Sociedade Lawson Wilkins de Endocrinologia Pediátrica (LWPES) tem monitorado de perto e cuidadosamente os relatos de eventos adversos do GH (GH derivado do DNA recombinante), através do seu Comitê Drogas e Terapêuticas. Os relatos anteriores do aumento de leucemia em crianças, após terapia com GH, mostraram-se sem fundamento, quando os dados internacionais sobre crescimento foram cuidadosamente avaliados. Existem evidências indicando que o tratamento com GH não aumenta a recorrência de tumor nos casos em que a lesão primária foi tratada com sucesso. A LWPES tem adotado ,como uma política prudente, aguardar um ano após o término do tratamento do tumor, para só depois deste tempo iniciar o GH. Pessoas tratadas por neoplasia são consideradas de risco para uma segunda neoplasia, daí recomendarem-se exames periódicos especialmente em certas síndromes genéticas (Down, Bloom, Fanconi, neurofibromatose ). Swerdlow em 2002 publicou no Lancet dados sobre a incidência de câncer colo-retal e Hodgkin, em adultos do Reino Unido que na infância haviam sido tratados com GH obtido de hipófise humana, mostrando um risco três vezes maior do que a população geral, para o câncer colo-retal e 11 vezes para o Hodgkin. Levantamento feito para 86.000 pacientes tratados com GH relata apenas um caso de carcinoma intestinal em uma garota de 15 anos tratada com quimio e radioterapia por astrocitoma cerebral, e um caso de câncer de colo em síndrome de Turner. Com estas considerações a LWPES acredita que:

1. As recomendações feitas para o tratamento com GH recombinante, em crianças com deficiência de GH, são seguras e sem riscos comprovados de aparecimento de neoplasias.
2. A possível associação entre incidência de câncer, mortalidade e tratamento com GH precisa ser considerada apenas se grande número de casos forem estudados.
3. A vigilância e monitorização (IGF-1, IGFBP-3) a longo prazo deve ser encorajada e incentivada.

 

Comentário

Neste editorial, a LWPES posiciona-se de maneira evidente quanto à associação: uso de GH e neoplasia. Estas três considerações finais deixam clara a opinião desta Sociedade baseada em levantamento que envolveu um número muito grande de crianças e adolescentes. Contudo, fica sempre o estado de alerta para situações especiais de crianças que apresentaram algum tipo de neoplasia. A sugestão de aguardar pelo menos um ano antes do uso de GH deve ser considerada, pois poderia ser o tempo de reaparecimento do mesmo tumor ou até do surgimento de uma segunda neplasia.

Referências

1. Lawson Wilkins Pediatric Endocrine Society Writting Committee. Special Editorial: growth hormone treatment and neoplasia—coincidence or consequence? J Clin Endocrinol Metab 2002; 87:5351-2.

2. Swerdlow AJ, Higgins CD, Adlard P, Preece MA. Risk of cancer in patients treated with human pituitary growth hormone in the UK ,1959-85: a cohort study. Lancet 2002; 360:273-7.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License