SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue4Tratamento do câncer de pulmão de células não pequenas irressecáveis: qual a melhor forma de combinarmos quimioterapia e radioterapia?Endometriose de vagina: como abordar cirurgicamente? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.49 no.4 São Paulo  2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000400011 

CLÍNICA CIRÚRGICA

 

Hernioplastia inguinal hoje. Lichtenstein sempre?

 

 

Darcy Lisbão Moreira de Carvalho; Pedro Luiz Squilacci Leme

 

 

Todos sabemos que a ocorrência de diversas técnicas cirúrgicas para um mesmo fim demonstra não estar havendo satisfação completa com os métodos em uso.

Na hernioplastia inguinal não é diferente. E por isso, com o avanço dos conhecimentos e das pesquisas, novas idéias surgem constantemente. Na década de 80 foi descrita por Lichtenstein a técnica de hernioplastia inguinal sem tensão.

Os excelentes resultados apresentados pelo autor e a reprodução destes resultados em todo o meio científico determinaram sua rápida difusão no meio cirúrgico, sendo então considerada por muitos como método ideal de reparo para esta enfermidade.

É importante lembrar que devemos adaptar a técnica ao doente e não o doente à técnica. Portanto, hoje não há espaço para se pensar em uma hernioplastia inguinal sem levar em consideração a possibilidade de reforço a Lichtenstein, mas esquecer técnicas comprovadas, como o reforço a Mc Vay, Shoudice, Stoppa, Bassini, etc seria mesmo um absurdo.

Somos partidários da técnica descrita por Irving L. Lichtenstein há muitos anos e propagadores de seus benefícios, mas nem por isso deixamos de lembrar os riscos de infecção, edema, hematoma, seroma, rejeição ou recidiva (a técnica não é milagrosa), assim como em outras técnicas, e, portanto, a orientação ao doente de que "colocarei uma tela e seus problemas estarão resolvidos" pode ser falsa ou mesmo pretensiosa por parte do cirurgião.

 

Referências

1. Forte A, D'Urso A, Palumbo P, Lo Storto G, Gallinaro LS, Bezzi M, et al. Inguinal hernioplasty: the gold standard of hernia repair. Hernia 2003; 7(1):35-8.

2. Amid PK. The Lichtenstein repair in 2002: an overview of causes of recurrence after Lichtenstein tension-free hernioplasty. Hernia 2003, 7(1):13-6.

3. Lichtenstein IL. Hernia repair without disability. 2nd ed. Tokyo: Ishiyaku Euroamerica Inc.; 1986.