SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue2Velocidade de hemossedimentação de segunda hora: qual a sua utilidade?Diagnóstico de encefalopatia hepática author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.50 no.2 São Paulo Apr./Jan. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302004000200011 

À BEIRA DO LEITO
GINECOLOGIA

 

Qual a importância da videohisteroscopia diagnóstica no climatério?

 

 

Thomas Moscovitz

 

 

D.M.S, 56 anos, casada, do lar, branca, natural de São Paulo, veio à consulta para acompanhamento anual ginecológico. Menopausada há quatro anos e sem sintomas climatéricos. Nunca fez terapia de reposição hormonal. Operada há três anos de câncer de mama (Quadrantectomia com linfadenectomia esquerda) e atualmente está em uso de tamoxifeno. Os exames físico e ginecológico mostraram-se normais. Foram solicitados exames de rotina para climatério: hemograma, colesterol total e frações, triglicérides, glicemia jejum, TSH, citologia oncótica, mamografia, densitometria óssea e ultra-sonografia endovaginal.

A paciente retornou após duas semanas com os exames solicitados, sendo que apenas o ultra-som endovaginal apresentava-se alterado, ou seja, a espessura do eco endometrial era de 10mm (Figura 1). Ministrou-se progestógeno durante cinco dias e a paciente não exibiu sangramento por privação. Foi solicitada, então, uma videohisteroscopia diagnóstica que mostrou apenas um pólipo endometrial fibro-glandular e endométrio atrófico (Figura 2). A paciente foi submetida, então, a uma polipectomia videohisteroscópica com ressectoscópio.

 

 

 

 

Endométrio superior a 5 mm deve ser sempre investigado, principalmente se não sangrar após o uso de progestógeno1. No caso presente, a investigação tornou-se ainda mais imperiosa, pois o tamoxifeno responsabiliza-se por hiperplasias atípicas do endométrio, que podem evoluir para câncer endometrial. As neoplasias malignas devem ser prevenidas, principalmente por meio de programas que visem à detecção precoce de lesões precursoras. Neste caso, outra constatação interessante foi o achado histeroscópio de atrofia endometrial em paciente cujo ultra-som revelava hiperplasia. O espessamento endometrial detectado na ultra-sonografia transvaginal é achado freqüente em exames de rotina na investigação da cavidade uterina e como menos de 10% desses espessamentos se relacionam ao câncer de endométrio, fica clara a necessidade de um método de triagem que seja pouco invasivo, de fácil acesso, baixo custo e boa sensibilidade2,3.

Daí a inclusão da histeroscopia em associação à ultra-sonografia transvaginal na avaliação da cavidade uterina em mulheres após a menopausa.

 

Referências

1.Cronje HS. Diagnostic hysteroscopy after posmenopausal uterine bleeding. S Afr Med J 1984; 20:773.

2.Dexeus S, Labastida R, Galera L. Oncological indications os hysteroscopy. Eur J Gynaecol Oncol 1982; 2:61.

3.Mencaglia L, Perino A: Hysteroscopy in perimenopausal and posmenopausal woman with abnormal uterine bleeding. J Reprod Med 1987; 322:577.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License