SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue2Endocardite infecciosaA investigação na fase aguda do acidente vascular cerebral (AVC) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.50 no.2 São Paulo Apr./Jan. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302004000200017 

DIRETRIZES EM FOCO
PEDIATRIA

 

Diabetes mellitus tipo 1 e os anticorpos contra albumina sérica bovina

 

 

Durval Damiani

 

 

O processo de auto-imunidade envolvido no diabetes mellitus tipo 1 (DM1) é bem reconhecido, mas surgem questões ainda discutíveis sobre o papel de determinados antígenos na gênese desta auto-imunidade. O trabalho de Santos et al. estudou 143 crianças recém-diagnosticadas de DM1 comparadas a 107 crianças controle não aparentadas, pesquisando a presença de anticorpos contra albumina sérica bovina (BSA). Todas as crianças diabéticas eram positivas para BSA comparadas a 1,9% dos controles (p<0,001). As crianças diabéticas também apresentavam níveis de IgG mais elevados (55,1 vs 17,8ng/mL, p<0,001). A duração do aleitamento materno era menor nas crianças diabéticas (5,4 meses vs 7,6 meses), mas não havia diferença quanto à idade de exposição ao leite de vaca. A conclusão dos autores é que os níveis de anticorpos a BSA eram mais elevados nas crianças diabéticas, mas não pareciam depender nem da duração do aleitamento materno ou da idade de exposição ao leite de vaca nesta população.

 

Comentário

Já há algum tempo tem sido tentada uma ligação entre aleitamento materno e diabetes mellitus tipo 1, no sentido da proteção que o aleitamento materno poderia acarretar em relação ao desenvolvimento de DM1. Como comentado em Editorial que acompanha o artigo de Santos et al., vários trabalhos têm detectado a presença de anticorpos a BSA, mas os resultados ainda são controversos. Os anticorpos para BSA não são específicos e podem ser encontrados em outras doenças auto-imunes como tireoidite ou artrite reumatóide. O trabalho de Santos et al. também não encontrou associação entre o HLA de classe II que conferiria risco genético para DM e os níveis de anticorpos para BSA. A questão de por que os níveis de anticorpos contra BSA estariam elevados é intrigante: um estudo australiano mostra uma maior ingestão de leite de vaca em crianças com DM, comparadas aos controles, no período de 12 meses antecedendo a doença. Outra possibilidade seria um defeito na indução de tolerância às proteínas do leite de vaca. Como o leite de vaca é a primeira proteína alimentar estranha que as crianças ingerem, esta perda de tolerância seria expressa pelos anticorpos contra BSA. Outra idéia é relacionada à permeabilidade intestinal aumentada com relação às proteínas do leite de vaca, mas há poucos dados em suporte desta hipótese. Tomados em conjunto, os dados podem apontar para um fenômeno não diretamente ligado à patogênese do DM1, mas o assunto ainda não está encerrado e mais estudos são necessários e poderão contribuir para uma melhor compreensão da doença.

 

Referências

1. Pérez-Bravo F, Oyarzún A, Carrasco E, Albala C, Dorman JS, Santos JL. Duration of breast feeding and bovine serum albumin antibody levels in type 1 diabetes: a case-control study. Pediatr Diabetes 2003; 4:157-61.

2. Knip M. Cow's milk antibodies in patients with cewly diagnosed type 1 diabetes: primary or secondary? Pediatr Diabetes 2003; 4:155-6.