SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue4Quando indicar o tratamento conservador do trauma abdominal fechado?Quando é necessário a colaboração do cirurgião plástico nos traumas vulvares? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.50 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302004000400013 

À BEIRA DO LEITO
CLÍNICA MÉDICA

 

Como fazer o diagnóstico da hipertensão arterial pulmonar?

 

 

Sonia M.Franchi; Antônio Augusto Lopes

 

 

A hipertensão pulmonar é definida como uma síndrome de etiologia diversa, sendo o denominador comum a presença de pressão média de artéria pulmonar (PMAP) superior a 25mmHg em repouso ou 30mmHg durante exercício. A nova classificação diagnóstica proposta em Veneza, em 2003, representa um avanço no entendimento fisiopatológico, auxiliando no delineamento da conduta terapêutica. A doença passa a ser classificada em cinco categorias, sendo a primeira a mais estudada sob o ponto de vista etiopatogênico, fisiopatológico, diagnóstico e terapêutico. Alterações genéticas no receptor BMPR II (família TGF-b) são encontradas em 26% dos casos esporádicos e em 50% a 60% dos indivíduos em famílias acometidas.

1. Hipertensão arterial pulmonar

1.1. Idiopática (esporádica)

1.2. Familial

1.3. Relacionada a:

  • Doença vascular por colagenose

  • Cardiopatias congênitas

  • Hipertensão portal

  • Infecção por HIV

  • Drogas / toxinas

  • Outras

1.4. Hipertensão arterial pulmonar com envolvimento venoso e/ou capilar importante

1.5. Hipertensão pulmonar persistente do recém-nascido

2. Hipertensão pulmonar com doença do coração esquerdo

3. Hipertensão pulmonar associada a desordens do sistema respiratório e/ou hipoxemia

4. Hipertensão secundária à doença trombótica e/ou embólica crônica

5. Miscelânea

Sob o ponto de vista diagnóstico, a seqüência de avaliação apresentada a seguir é imperativa para a adequada caracterização do problema, sua fase evolutiva e condições clínicas associadas. São os seguintes passos:

a) História clínica e exame físico;

b) ECG; RX de tórax ; teste de função pulmonar;

c) Ecocardiografia;

d) Mapeamento ventilação / perfusão; tomografia de alta resolução; pesquisa de trombofilia;

e) Hemograma e eletroforese de hemoglobina; HIV; função hepática e tireoideana; testes reumatológicos; parasitológico de fezes e biópsia retal; ultra-sonografia de abdomem;

f) Testes funcionais (ergoespirometria e teste de seis minutos de caminhada;

g) Cateterismo cardíaco;

Ainda sob o ponto de vista diagnóstico, interrelações entre achados ecocardiográficos (velocidade de regurgitação tricuspidea - VRT) e dados hemodinâmicos podem ser úteis na diferenciação entre hipertensão arterial pulmonar ausente ou discreta, e doença moderada a avançada. Condutas específicas decorrem da avaliação ecocardiográfica bem conduzida:

1. VRT (m/s) <2,8 e pressão sistólica da artéria pulmonar (PSAP) provável < 35mmHg: HAP ausente

2. VRT (m/s) entre 2,8 e 3,4 e PSAP provável entre 35 e 50 mmHg:

2.1. sem sintomas — procurar todas as causas predisponentes e agravantes, reavaliar em seis meses a um ano

2.2. com sintomas — cateterismo cardíaco

2.2.1. PSAP <35 e PMAP <25 — cateterismo com exercício: HAP presente ou ausente

2.2.2. PSAP entre 35 e 50 e PMAP entre 25 e 35 — tratar todas as causas predisponentes e agravantes; acompanhamento clínico; reavaliar em seis meses a um ano

3. VRT (m/s) >3,4 e PSAP provável > 50 mmHg — HAP sintomática: algoritmo diagnóstico completo e tratamento com vasodilatador

O cateterismo cardíaco direito deve ser realizado nas condições basal e após estímulo vasodilatador (preferencialmente óxido nítrico, 10ppm, 10 minutos), sendo considerada resposta positiva, a queda na resistência vascular pulmonar superior a 20% em relação ao valor basal. Alternativamente, tem sido admitido como critério de resposta vasodilatadora positiva, a queda da pressão média arterial pulmonar de no mínimo 10 mmHg em relação ao basal, com valor final inferior a 40 mmHg.

Assim, o diagnóstico adequado da hipertensão arterial pulmonar, quanto aos mecanismos fisiopatológicos implicados (vasoconstrição ou vaso-oclusão com envolvimento arterial e/ou venoso) é essencial para a escolha do tratamento adequado. Os dados corretamente obtidos na etapa diagnóstica, serão fundamentais para a verificação da resposta ao tratamento instituído.

 

Referências

1. Diretriz: diagnóstico, avaliação e terapêutica da hipertensão pulmonar. Arq Bras Cardiol 2003; 81(supl 8).

2. Simonneau G, Galiè N, Rubin LJ, Langleben D, Seeger W, Domenighetti G, et al. Clinical classification of pulmonary hypertension. J Am Coll Cardiol 2004; 43(12 Suppl 1):S5-S12.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License