SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue2Atualização na assistência pré-natal baseada em evidência e centrada no pacienteImpact of obesity on the functional capacity of women author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.54 no.2 São Paulo Mar./Apr. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302008000200009 

IMAGEM EM MEDICINA

 

Linfoma de células t cutâneo

 

 

Guilherme Moreira Borges Araujo; Daurio da Silva Raia; Jandira de Oliveira Menezes; Thiago Haikal de Araújo Porto; Andréa Gonçalves de Oliveira

 

 

Paciente masculino, 81 anos, com queixas de prostração e astenia de evolução de duas semanas. Apresentava erupções cutâneas em tronco, abdome, dorso e membros, com flictemas pruriginosas, eritematosas, com formação e ruptura das bolhas e posterior descamação. Fez uso prolongado de corticóide e melhora parcial da sintomatologia cutânea. Exame físico normal. Exames: Hb: 13,6 g/dl, GL: 27.600/mm3 (b 2% s 60% l 30% m 8%), plaquetas: 136.000/mm3, provas de função hepática normais, creatinina: 1,5 mg/dl, uréia: 65 mg/dl, b2 microglobulina: 3,61 mcg/ml, LDH: 204 u/l. Mielograma: infiltração medular por linfócitos maduros (28%). Biópsia de crista ilíaca: sugestivo de doença linfoproliferativa. Imunofenotipagem: doença linfoproliferativa crônica de células t madura. Com o diagnóstico de linfoma de células t foi iniciado esquema de quimioterapia (ciclofosfamida, vincristina e prednisona), com resposta hematológica completa e melhora das lesões cutâneas. O linfoma cutâneo de células t é raro, correspondendo a cerca de 10% a 15% de todos os linfomas. É comum nos países orientais, tendo íntima relação com o vírus HTLV-1, maior incidência em adultos com idade entre 55 e 60 anos e freqüente no sexo masculino. A malignização das células t epidermotrópicas resulta na denominação global LCCT. No tratamento do LCCT são propostos diversos métodos terapêuticos, sem real consenso sobre o melhor a ser utilizado. O sucesso do tratamento depende diretamente da fase evolutiva em que se encontra a doença, bem como da resposta individual de cada paciente. Entre os métodos mais consagrados citam-se a quimioterapia tópica (com mostarda nitrogenada ou carmustina), a quimioterapia sistêmica, a radioterapia, os imunomoduladores biológicos (interferon-alfa, interferon-gama e interleucina 2) e o transplante alógeno de medula óssea.

 

 

 

 

Referências

1. Heald PW, Yan SL, Edelson RL, Tigelaar R, Picker LJ. Skin selective lymphocyte homing mechanisms in the pathogenesis of leukemic cutaneous T-cell lymphoma. J Invest Dermatol. 1993;101:222-7.         [ Links ]

2. Vonderheid EC. Treatment planning in cutaneous T cell lymphoma. Dermatol Ther. 2003;16:276-82.         [ Links ]Rev Assoc Med Bras 2008; 54(2): 105        [ Links ]

 

 

Trabalho realizado no Hospital Felício Rocho, Belo Horizonte, MG

Creative Commons License