SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue1Professor Fauzer Simão AbrãoObstrução intestinal por teníase de delgado e tuberculose author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.55 no.1 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000100006 

ACREDITAÇÃO

 

Atualização em diabetes mellitus gestacional (DMG)

 

 

Paulo Augusto C. Miranda; Rosalvo Reis; Wanderley M. Bernardo

 

 

Tema Abordado:

Especialidade de abrangência: Endocrinologia e Obstetrícia

Diretriz a ser consultada: Diabetes mellitus gestacional

 

Cenários e questões clínicas

Cenários e Questões Clínicas

1. A gestante portadora de DMG não tratada tem maior risco exceto de:

a) Rotura prematura de membranas

b) Parto pré-termo

c) Pré-eclâmpsia

d) Apresentação pélvica

e) Infecção puerperal

2. Na gestante portadora de DMG não tratada, o feto tem maior risco exceto de:

a) Macrossomia

b) Síndrome de angústia respiratória

c) Hipoglicemia

d) Hipercalcemia

e) Policitemia com hiperviscosidade sanguínea

3. O teste inicial recomendado para a triagem de DMG é

a) Dosagem da glicemia plasmática 1h após teste oral com 100g de dextrosol

b) Dosagem da glicemia plasmática em jejum

c) Curva glicêmica

d) Teste Oral de Tolerância à Glicose (TOTG) 50g

e) Perfil glicêmico

4. Dentre as opções abaixo, qual indica uma das metas para o tratamento?

a) Glicose plasmática em jejum < 105 mg/dl

b) Glicose plasmática 1h pós-prandial < 105mg/dl

c) Glicose 1h pós-prandial em sangue total < 100mg/dl

d) Glicose de jejum em sangue total < 105 mg/dl

e) Glicose plasmática em jejum < 140 mg/dl

5. Pacientes que desenvolvem DMG têm risco de desenvolverem DM tipo 2:

a) Inferior a 20%

b) Superior a 50%

c) Entre 20% a 40%

d) Idêntico às gestantes sem antecedente de DMG

e) Inferior a 5%

 

Respostas ao Cenário Clínico: Atualização em Alcoolemia e Direção Veicular Segura [Publicado na RAMB 2008; 54(6)]

1. O prejuízo às funções auditivas não está entre as consequências clínicas (habilidades necessárias para a condução de veículos) da alcoolemia igual ou superior a 0,2g/l (Alternativa C).

2. O risco de envolvimento em um acidente fatal para condutores com alcoolemia entre 0,2 e 0,5 g/l é 2,6 a 4,6 vezes maior do que o risco de um condutor sóbrio (Alternativa A)

3. O risco de envolvimento em um acidente fatal para condutores com alcoolemia entre 0,5 e 0,7 g/l é 4 a 10 vezes maior do que o risco de um condutor sóbrio (Alternativa B)

4. A diminuição da capacidade de desempenhar funções cruciais para a condução de veículos, como processamento de informações, se inicia com alcoolemias baixas (Alternativa B)

5. As leis acerca de níveis máximos permitidos para a condução desencorajam os bebedores sociais e têm efeito nos bebedores pesados (Alternativa D)

6. O nível de alcoolemia seguro para a direção veicular é 0,0g/l ( Alternativa E)