SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue2Visual outcome of idiopathic central retinal artery occlusion in a healthy young patientIs there evidence to treat heart failure based on race or ethnicity? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.55 no.2 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000200009 

IMAGEM EM MEDICINA

 

Tumor de células gigantes de mandíbula

 

 

Cristiano SenagaI; Deíse Santiago GirãoI; Marcelle Alves BorbaI; Gislaine Cristina Lopes MachadoI; Rubens ChojniakII

IResidentes de radiologia da Fundação Antonio Prudente - Hospital AC Camargo, São Paulo, SP
IIDoutorado - Diretor do departamento de imagem da Fundação Antonio Prudente - Hospital AC Camargo, São Paulo, SP

 

 

Paciente, sexo feminino, sete anos de idade, proveniente de Campo Grande - MS. Queixa-se de aumento progressivo da região mandibular esquerda há quatro meses. Nega outros sinais, sintomas ou antecedentes traumáticos. Ao exame, observa-se abaulamento mandibular esquerdo, endurecido e indolor à palpação, sem sinais flogísticos locais. Não há evidência de lesões na mucosa oral ou infonodomegalias. Movimento mastigatório preservado. Trata-se de uma criança previamente hígida, com adequado desenvolvimento neuro-psico-motor.

Exame solicitado: TC de face.

Biópsia: Tumor de células gigantes.

O TCG ou osteoclastoma é uma neoplasia óssea benigna em 95% dos casos, porém localmente agressiva, sendo histologicamente caracterizada por células gigantes multinucleadas dispersas no tecido tumoral, cujo núcleo apresenta a mesma característica das células ovóides e fusiformes que formam o seu estroma. Representa de 5% a 8% de todos os tumores ósseos primários, cerca de 60% destas lesões ocorrem na extremidade articular de ossos longos, como tíbia proximal, fêmur distal, rádio distal e úmero proximal. A maioria dos pacientes possui entre 20 a 40 anos de idade, com predomínio do sexo feminino ( 2:1). A incidência relatada em crianças abaixo de 10 anos é de 3% e em locais menos comuns, como a mandíbula, cerca de 7%; sua forma multifocal é rara, sendo observada em 0,5% dos casos.

Clinicamente, a dor local, de intensidade variável, é o sintoma mais frequente, comumente associada a aumento volumétrico da região afetada, às vezes com evolução de poucas semanas.

Os aspectos radiológicos clássicos o definem como uma lesão puramente lítica, insuflativa, excêntrica, que promove afilamento ou erosão cortical. Reação periosteal é descrita em menos de um terço dos casos.

A cintilografia óssea pode ter um importante papel na caracterização da lesão, demonstrando ampla concentração do radioindicador na lesão com fotopenia central, "sinal da rosquinha".

A ressonância magnética pode ser útil para avaliar sua extensão para partes moles.

Entre seus diagnósticos diferenciais, devem ser incluídos o cisto ósseo aneurismático, histiocitoma fibroso benigno, granuloma reparador de células gigantes (pós-traumático), tumor marrom do hiperparatireoidismo, condrossarcoma com extensão articular, mieloma e metástases líticas.

 

 

 

 

 

 

Esporadicamente o TCG pode evoluir com metástase à distância, sendo o pulmão o local mais acometido, porém com evolução indolente.

O tratamento baseado na curetagem da lesão, combinado com cauterização das margens e/ou uso de nitrogênio líquido, tem-se mostrado como o método mais eficaz; entretanto, lesões grandes requerem ressecção ampla e reconstrução com prótese ou tecido ósseo autólogo. Recidiva local foi descrita em até 25% dos casos, frequentemente, nos três primeiros anos após o tratamento. O prognóstico é variável, pois está diretamente relacionado com a qualidade do tratamento.

 

Referências

1. Goldring SR, Roelke MS, Petrison KK, Bhan AK, Human giant cell tumors of bone identification and characterization of cell types. J. Clin Invest. 1987;79:483-91.         [ Links ]

2. Murphey MD, Nomikos GC, Fleming DJ, Gannon FH, Temple HT, Kransdorf MJ. Imaging of giant cell tumor and giant cell raparative granuloma of bone: radiologic-patholoic correlation. Radiographics 2001;21:1283-309.         [ Links ]

3. Unni KK Giant cell tumor. In: Unni KK, editor. Dahlin's bone tumors: general aspects and data on 11.087 cases. 5th ed. Philadephia, Pa: Lippincott Williams &Williams; 1996. p.263-83.         [ Links ]

4. Bloodgood JC 1912 apud Mc Carhy E. Giant cell tumor of bone: a historical perspective. Clin. Orthop. 1908;153:14-25.         [ Links ]

 

 

Trabalho realizado no Hospital A.C. Camargo, S. Paulo, SP

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License