SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue5A Dúvida do ginecologista: prescrever ou não hormônios na mulher no climatério?Entorse de tornozelo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.55 no.5 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000500007 

À BEIRA DO LEITO
MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

 

Tratamento do cisto pilonidal: cicatrização por segunda intenção ou sutura primária em linha média?

 

 

Felipe Toyama AiresI; Wanderley Marques BernardoII

IAcadêmico Faculdade de Medicina de Santos - UNILUS, Santos, SP
IICoordenador Projeto Diretrizes AMB-CFM. Professor de Medicina Baseada em Evidência na Faculdade de Medicina de Santos - UNILUS, São Paulo, SP

 

 

A doença pilonidal sacrococcígea é uma inflamação crônica dos seios pós-sacrais que afeta a área da pele posterior ao ânus, recobrindo o sacro na região da fenda interglútea. A melhor opção de tratamento cirúrgico tem por finalidade alcançar a cura por meio de operações de pequena envergadura e pouca complexidade, que permitam rápida integração dos doentes às suas atividades habituais, além de baixas taxas de recorrência. Embora a doença pilonidal seja conhecida há muito tempo e diversas variedades terapêuticas tenham sido propostas, visto que não há consenso sobre a melhor estratégia para abordar a doença pilonidal sacrococcígea, realizou-se uma revisão com o objetivo de comparar a técnica de cicatrização por segunda intenção à técnica de fechamento primário em linha média.

Foi realizada uma busca na literatura eletrônica na base de dados MEDLINE, utilizando os termos "Pilonidal sinus" e "Randomized Controlled Trial". As buscas foram encerradas em maio de 2009. Apenas ensaios clínicos controlados e randomizados publicados em inglês, espanhol ou português foram selecionados para análise. Procedeu-se ainda uma avaliação mais apurada da qualidade dos ensaios, com o objetivo de avaliar a força da evidência produzida por cada estudo e a validade de sua inclusão na revisão. Para isso, utilizamos os critérios elaborados a partir do trabalho de Jadad et al.1. Apenas estudos com pontuação igual ou superior a três foram incluídos. Os desfechos analisados foram: tempo para obter cura, tempo para retomar atividades e recorrência.

 

RESULTADOS

Esta revisão baseou-se em dados de sete estudos2-9.

Tempo para obter a cura. Seis estudos analisaram o tempo para obter a cura como desfecho2-7. Três desses não apresentaram os valores de desvio padrão para o cálculo dos intervalos de confiança e, portanto, não foram incluídos na síntese dos resultados2,3,5. Os pacientes submetidos ao tratamento com sutura primária obtiveram cura mais rapidamente. A diferença entre as médias variou entre 28 e 63 dias (IC95% 22-71 dias).

Tempo para retomar as atividades. Quatro estudos analisaram o tempo para retomar as atividades como desfecho3,5,6,7. Pode-se calcular o intervalo de confiança de apenas dois trabalhos que apresentaram dados suficientes6,7. O tratamento com sutura primária mostrou retorno mais rápido às atividades cotidianas. A diferença entre as médias variou entre 25 e 26 dias (IC95% 22-28 dias).

Recorrência. Sete estudos analisaram recorrência como desfecho2-8. O período de seguimento dos pacientes variou entre 12 e 35 meses. Todos os trabalhos mostraram resultados não significantes quanto à diferença entre a sutura primária e a cicatrização por segunda intenção.

 

CONCLUSÃO

No tratamento do cisto pilonidal, a síntese da evidência permitiu concluir que a sutura primária em linha média é superior a cicatrização por segunda intenção pelo fato do menor tempo para obtenção de cura e para o retorno às atividades diárias. Não há diferença entre as técnicas quanto ao desfecho recorrência.

 

Referências

1. Jadad AR, Moore RA, Carroll D, Jenkinson C, Reynolds DJ, Gavaghan DJ, McQuay HJ. Assessing the quality of reports of randomized clinical trials: is blinding necessary? Control Clin Trials. 1996;17(1):1-12.         [ Links ]

2. al-Hassan HK, Francis IM, Neglén P. Primary closure or secondary granulation after excision of pilonidal sinus? Acta Chir Scand. 1990;156(10):695-9.         [ Links ]

3. Khawaja HT, Bryan S, Weaver PC. Treatment of natal cleft sinus: a prospective clinical and economic evaluation. BMJ. 1992 May 16;304(6837):1282-3.         [ Links ]

4. Søndenaa K, Andersen E, Søreide JA. Morbidity and short term results in a randomised trial of open compared with closed treatment of chronic pilonidal sinus. Eur J Surg. 1992;158(6-7):351-5.         [ Links ]

5. Mohamed HA, Kadry I, Adly S. Comparison between three therapeutic modalities for non-complicated pilonidal sinus disease. Surgeon. 2005;3(2):73-7.         [ Links ]

6. Kareem TS. Surgical treatment of chronic sacrococcygeal pilonidal sinus. Open method versus primary closure. Saudi Med J. 2006;27(10):1534-7.         [ Links ]

7. Al-Salamah SM, Hussain MI, Mirza SM. Excision with or without primary closure for pilonidal sinus disease. J Pak Med Assoc. 2007;57(8):388-91.         [ Links ]

8. Søndenaa K, Nesvik I, Andersen E, Søreide JA. Recurrent pilonidal sinus after excision with closed or open treatment: final result of a randomised trial. Eur J Surg. 1996;162(3):237-40.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License