SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 issue6Fratura transtrocanterianaTransplante renal na doença de Fabry author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.55 no.6 São Paulo  2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000600005 

ACREDITAÇÃO

 

Atualização em entorse de tornozelo

 

 

Autoria:

Fábio Lucas Rodrigues, Gilberto Waisberg, Wanderley Marques Bernardo

1)  Como podemos classificar a entorse de tornozelo?

Em leve, moderada e grave Em aguda, subaguda e crônica Em graus 1, 2 e 3

Em estiramento ligamentar, lesão ligamentar parcial e total Duas de todas alternativas acima estão corretas

2)  Em relação a radiografar pacientes com entorse é falso:

A radiografia está sempre indicada 85% são normais

A indicação baseia-se na presença de dor em pontos ósseos específicos A indicação baseia-se na impossibilidade de apoio de marcha Nas regras de Ottawa

3) Está entre as medidas de tratamento inicial da entorse de tornozelo, exceto:

Repouso por três dias

Aplicação local de gelo

Aplicação de calor local

Elevação do membro afetado

Proteção articular com imobilizador ou tala gessada

4)  É verdade sobre as possíveis complicações da entorse de tornozelo:

A artroscopia é método pouco sensível e específico na investigação

A instabilidade crônica é a lesão associada mais frequente

Não há benefício com a investigação clínica

O impacto anterior com exostose é a lesão mais frequente

A associação com varo de retropé melhora o prognóstico

5)  Qual a conduta a ser adotada nas instabilidades crônicas?

No pós-operatório devem preferencialmente ser imobilizados com gesso

Os pacientes com frouxidão ligamentar devem ser submetidos à cirurgia

Os pacientes com instabilidade sintomática persistente devem ser submetidos à reabilitação

Os pacientes com frouxidão ligamentar devem ser submetidos à reabilitação

Os pacientes com instabilidade funcional não devem ser operados

 

RESPOSTAS AO CENÁRIO CLÍNICO: TROMBOEMBOLISMO VENOSO: PROFILAXIA EM PACIENTES CLÍNICOS - PARTE III

[PUBLICADO NA RAMB 2009; 55(4)]

1)  Qual a afirmação correta quanto à profilaxia de tromboembolismo venoso (TEV) nesta paciente? Deve ser realizada com heparina não fracionada ou heparina de baixo peso molecular em doses profiláticas altas (Alternativa C)

2)  Considerando-se o risco de tromboembolismo venoso desta senhora, marque a melhor opção: Apresentava pelo menos três fatores de risco quando foi internada (Alternativa a)

3)  Com relação à profilaxia de tromboembolismo venoso (TEV) neste paciente: Está indicada, pois o paciente apresenta vários fatores de risco, além de estar restrito ao leito (Alternativa C)

4)  Com relação à ocorrência de tromboembolismo venoso (TEV) para esta paciente, é correto afirmar que: Retocolite ulcerativa em atividade representa um fator de risco para TEV (Alternativa A)

5)  Sobre a profilaxia para tromboembolismo venoso (TEV) em pacientes portadores de cateteres venosos centrais é correto afirmar que: Cateteres venosos centrais são considerados fatores de risco para tromboembolismo venoso, particularmente em pacientes com câncer (Alternativa D)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License