SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.56 issue6Sistema intrauterino liberador de levonorgestrel e risco de câncer de mamaNevo intradérmico cerebriforme como causa de Cutis verticis gyrata author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.56 no.6 São Paulo  2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000600008 

IMAGEM EM MEDICINA

 

Miíase de cólon

 

 

Jarbas Faraco Maldonado LoureiroI; Paulo Alberto Falco Pires CorrêaI; Marcelo AverbachI; Giulio F. RossiniI; José Luiz PaccosI; Rafael Torres Melo CavalcanteII; Elias Jirjoss IliasIII; Liliana Bahia SecafIV

IMédicos colonoscopistas do Serviço de Endoscopia Digestiva do Hospital Sírio- Libanês, São Paulo, SP
IIResidente do Serviço de Endoscopia Digestiva do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP
IIIProfessor Convidado do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, SP
IVMédica Nefrologista do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP

 

 

Relato de Caso

R.O.L, 68 anos, masculino, casado e proveniente de São Paulo-SP encaminhado para o Hospital Sírio-Libanês - São Paulo-SP para investigação de episódios de melena. Solicitado colonoscopia. Realizada a colonoscopia com introdução do colonoscópio até o íleo terminal, que apresentava aspecto endocópico normal. Na colonoscopia observou-se na transição retossigmóide, lesão úlcero-vegetante, de aspecto infiltrativo, onde foram realizadas biópsias. O diagnóstico histopatológico foi adenocarcinoma infiltrativo. No reto foi identificado pólipo séssil, medindo 0,3cm, contornos regulares e superfície lisa. Realizada polipectomia. O diagnóstico histopatológico foi adenoma tubular com displasia de baixo grau. No cólon transverso, observou-se diminuto parasita, com aspecto anelar, não aderido à mucosa do cólon e imóvel. Tentou-se remover tal parasita com a pinça de biópsia, porém houve fragmentação do espécime. Apresentadas as fotos do exame ao médico patologista, o qual relatou tratar-se de uma miíase.

 

Discussão

A miíase é doença parasitária provocada pelas larvas de moscas Cochliomyia hominivorax, Dermatobia hominis, e Cordylobia anthropophaga, vulgarmente conhecidas como "mosca varejeira", "mosca berneira" e "mosca tumbu", respectivamente. Embora estas espécies tenham distribuição geográfica e ciclos evolutivos diferentes, apresentam características clínicas similares. Quanto à localização, as miíases podem ser cutâneas (pele e tecido subcutâneo) ou cavitárias. Biologicamente, podem ser classificadas como acidentais (quando o indivíduo acidentalmente ingere ovos ou larvas de moscas presentes em alimentos - intestinal ou urinária) ou obrigatórias (quando a mosca necessita de um hospedeiro vivo ou morto para depositar seus ovos ou larvas). As larvas desenvolvem-se em feridas recentes, fossas nasais, gengivas, vulva e ânus, entre outros locais. Inicialmente, há prurido intenso e posteriormente dor local nas miíases que acometem as áreas cutâneo-mucosas, podendo ocorrer infecção secundária. Nas situações de miíases acidentais (intestinais ou urinárias), o diagnóstico pode ser realizado através de endoscopia digestiva e cistoscopia. Não foram encontrados relatos de miíase colônica na literatura médica em consulta na Medline-Pubmed.

O intuito da apresentação deste caso é demonstrar um achado endoscópico infrequente, sendo sua documentação fotográfica fundamental para auxílio no diagnóstico final.

 

Colonoscopia

 

 

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License