SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.58 número3Endometrial carcinoma: treatmentAssociation between non-alcoholic fatty liver disease and liver function/injury markers with metabolic syndrome components in class III obese individuals índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Revista da Associação Médica Brasileira

versión impresa ISSN 0104-4230

Rev. Assoc. Med. Bras. vol.58 no.3 São Paulo mayo/un. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302012000300006 

ACREDITAÇÃO

 

Atualização em abuso e dependência: crack

 

 

Wanderley M. Bernardo; Ana Cecília P. Roselli Marques

 

 

1. Com relação aos sintomas de dependência e abstinência de crack é verdadeiro:
  a. Geralmente são menos intensos nos primeiros sete dias.
  b. São mais intensos quando o paciente encontra-se em ambiente protegido.
  c. Os sintomas depressivos são comuns.
  d. Os sintomas de ansiedade são raros.
 
2. Com relação ao início do tratamento desses pacientes é verdadeiro:
  a. O Topiramato não produz benefício.
  b. O Dissulfiram não produz benefício.
  c. O Modafinil não produz benefício.
  d. A dose de Modafinil é de 200 mg a 400 mg por dia.
 
3. Não estão entre as repercussões do uso de crack na gravidez e no recém-nascido:
  a. Aumento do risco de parto prematuro.
  b. Baixo peso ao nascer.
  c. Alterações comportamentais além da idade escolar.
  d. As crianças nascidas de usuárias de crack têm instabilidade autonômica.
 
4. Com relação ao diagnóstico da dependência do crack é verdadeiro:
  a. A análise do cabelo pode auxiliar no monitoramento da abstinência.
  b. A neuroimagem é útil no diagnóstico da dependência.
  c. A dosagem de metabólitos da cocaína na urina identifica o uso nos últimos 10 dias.
  d. O diagnóstico de uso nos últimos seis meses pode ser feito em líquidos corporais.
 
5. Não está entre os fatores para início do consumo de crack:
  a. Álcool.
  b. Cigarro.
  c. Participação em grupos marginalizados.
  d. Religiosidade.

 

RESPOSTAS AO CENÁRIO CLÍNICO: ATUALIZAÇÃO EM DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO (DRGE): TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO

1. Elevar a cabeceira da cama à noite reduz a exposição ácida esofágica (Alternativa A).

2. Hérnias hiatais > 2 cm e fixas (Alternativa B).

3. Tratamento cirúrgico em pacientes refratários à supressão ácida (Alternativa D).

4. Nissen produz mais disfagia (Alternativa C).

5. A ingesta de frutas e fibras é fator protetor (Alternativa D).

 

 

[PUBLICADO NA RAMB 2012; 58(2)]