SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue1Anthropometric orofacial measurements of children from Sao Paulo and from North America: comparative studyRelationship between age, percentage of consoants correct and speech rate author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Pró-Fono Revista de Atualização Científica

Print version ISSN 0104-5687

Pró-Fono R. Atual. Cient. vol.21 no.1 Barueri Jan./Mar. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-56872009000100006 

ARTIGOS ORIGINAIS DE PESQUISA

 

Protocolo de cooperação fonoaudiológica para avaliação nasofibrolaringoscópica da mobilidade laríngea em doenças da tireóide (PAN)*

 

 

Priscila Esteves CiocchiI; Claudia Regina Furquim de AndradeII

IFonoaudióloga. Mestre em Ciências da Reabilitação pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
IIFonoaudióloga. Professora Titular do Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

TEMA: protocolo de avaliação da voz.
OBJETIVO: proposição de um protocolo de cooperação fonoaudiológica para avaliação nasofibrolaringoscópica da mobilidade laríngea em doenças da tireóide (PAN), visando a composição de um instrumento objetivo, preciso e consensual para avaliação.
MÉTODOS: a primeira versão do protocolo foi elaborada a partir de fundamentação bibliográfica; o PAN foi julgado em duas instâncias pelo método de triangulação por seis juízes em três etapas; foi constituída uma versão piloto do protocolo e aplicada em 11 pacientes; houve novo julgamento de médicos e fonoaudiólogos; a partir da concordância dos juízes, após a aplicação do piloto, foi construída a versão final do PAN.
RESULTADOS: o PAN final foi composto por duas partes. A primeira parte considerada o procedimento padrão composta por 4 itens imprescindíveis e que devem necessariamente ser avaliados são: inspiração normal; inspiração forçada; vogal /é/ isolada e sustentada e vogal /i/ aguda isolada e sustentada. A segunda parte considerada de complementação fonoaudiológica é composta pelos itens que são entendidos pelos fonoaudiólogos como fatores informativos ou preditivos para a eficácia da terapia. Esses itens são: vogal /é/ sustentada e fraca; vogal /é/ sustentada e aguda; vogal /é/ sustentada e grave; vogal /é/ curta com ataque vocal brusco.
CONCLUSÕES: o PAN, em sua versão final, contribui para a sistematização dos procedimentos de avaliação fundamentados em evidências e concordâncias profissionais. O PAN resulta na descrição de itens a serem solicitados durante a avaliação médica e fonoaudiológica no exame de nasofibrolaringoscopia da alteração da mobilidade laríngea em doenças da tireóide.

Palavras-Chave: Protocolo; Laringoscopia; Tireoidectomia; Paralisia Laríngea; Alterações Vocais.


 

 

Introdução

A glândula da tireóide produz os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) responsáveis pela regulação do metabolismo1. É um órgão de secreção endócrina, impar, localizada na região mediana do pescoço e envolve a laringe e a traquéia como um anel2-3. A tireoidectomia, retirada parcial ou total da glândula da tireóide, é uma cirurgia indicada e utilizada, segundo critérios médicos, para a remoção tanto de nódulos benignos quanto malignos da tireóide1-2,4-5. Os transtornos tireoidianos apresentam alta prevalência na população em geral, ocorrendo a maior parte deles em mulheres3-4. Nos Estados Unidos ocorrem cerca de 80.000 operações de tireóide por ano4.

A lesão do nervo laríngeo recorrente durante a tireoidectomia é a ocorrência responsável por quase 40% das alterações de mobilidade da laringe1-3,9-11. Os sinais e sintomas da imobilidade laríngea podem variar de acordo com as posições das pregas vocais e funcionamento das estruturas do trato vocal, exigindo um processo específico de avaliação e reabilitação fonoaudiológica5-8.

A laringoscopia flexível é o método bastante indicado para a avaliação no pós-operatório das tireoidectomias, apresentando-se efetiva em quase 100% dos casos, mesmo sob condições anatômicas adversas como trismo ou reflexo de náusea exacerbado. Esse exame permite apurada avaliação da via aérea superior, estruturas hipofaríngeas e todos os andares da laringe. Além de possibilitar a avaliação estática dessas estruturas, essa técnica torna possível a análise das atividades funcionais durante os movimentos de fala, choro e deglutição 12-28.

O objetivo dessa pesquisa foi a proposição de um Protocolo de Cooperação Fonoaudiológica para a Avaliação Nasofibrolaringoscópica da Mobilidade Laríngea em Doenças da Tireóide (PAN). O PAN se propõe a ser um instrumento objetivo para a avaliação da funcionalidade laríngea e do trato vocal para uso no pré-tratamento e para o controle pós-tratamento fonoaudiológico, possibilitando a análise e definição de condutas com uma base objetiva de medidas. É considerado um protocolo de cooperação, pois sua aplicação na nasofibrolaringoscopia é realizada pelos profissionais da área médica.

 

Método

O estudo foi aprovado pelos órgãos reguladores de pesquisas em seres humanos sob o protocolo de nº 938/06.

Numa primeira fase o PAN foi elaborado a partir de experiência clínica com base em uma fundamentação bibliográfica composta por 88 referências sendo: 58% periódicos (45,5% deles dos últimos cinco anos) e 42% de textos específicos e fundamentais da área.

Na segunda fase o PAN foi julgado em três etapas por seis juizes, sendo três fonoaudiólogos doutores e especialistas na área de voz e três médicos cirurgiões de cabeça e pescoço com experiência em laringoscopias.

Os itens de avaliação cujo índice de concordância entre os juízes atingiram o mínimo de 67% foram mantidos na versão piloto do PAN. Nesta versão piloto também foram contempladas as modificações ou acréscimos sugeridos pelos juízes cujos índices de concordância atingissem 67% (Apêndice).

O PAN, na versão piloto, foi aplicado em onze pacientes submetidos à tireoidectomia (parcial ou total), sendo seis sujeitos com alteração na mobilidade das pregas vocais e cinco sujeitos sem alteração na mobilidade. Todos os participantes foram do gênero feminino; adultos (acima de 18 anos), atendidos no Serviço Hospitalar de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do HCFMUSP. Os exames foram realizados no mesmo serviço pelos médicos responsáveis.

O nasofibrolaringoscópio utilizado foi da marca Welch Allyn, com fibroscópio flexível calibre de 4mm, modelo RL-100 e número de série A01638 Japan, com sistema de gravação direto no computador. Os resultados obtidos na nasofibroscopia não foram comparados com a laringoestroboscopia - que poderia fornecer dados mais precisos com relação à vibração da mucosa das pregas vocais - porque esse exame não é realizado como rotina do serviço onde a pesquisa foi aplicada.

Os critérios para inclusão dos participantes do estudo piloto foram de natureza médica: pacientes com doença de tireóide, previamente diagnosticada por um cirurgião de cabeça e pescoço que tivessem realizado tireoidectomia para remoção de tumor evoluindo ou não para alteração na mobilidade laríngea. Os critérios médicos de exclusão foram: tratamento prévio de tumor de cabeça e pescoço, radioterapia, quimioterapia, sonda nasogástrica, esvaziamento cervical, alterações neurológicas e déficit cognitivo.

 

Resultados

Para análise da eficiência do PAN, na aplicação da versão piloto, foram inicialmente elaboradas duas tabelas. A Tabela 1 apresenta os itens considerados pelos médicos como válidos e imprescindíveis para a avaliação da mobilidade laríngea (o protocolo foi preenchido em tempo real de execução do exame). A Tabela 2 apresenta os itens considerados pelos fonoaudiólogos como válidos e imprescindíveis para a avaliação da mobilidade laríngea. O protocolo foi preenchido com os juízes assistindo a fita de gravação do exame. Essa medida foi necessária para que não houvesse um acúmulo de pessoas na hora da testagem o que poderia prejudicar a visibilidade do material analisado. Os juízes dessa fase não foram os mesmos das etapas iniciais do estudo para garantia da isenção no julgamento.

Os resultados preliminares foram submetidos à análise estatística. Para análise dos dados foi atribuído um ponto para a resposta sim e zero para não. Com o objetivo de verificar se os grupos (médicos e fonoaudiólogos) se diferenciavam quanto ao escore total foi utilizado o teste de Mann-Whitney, com nível de significância de 5%.

Como observado, pelo tratamento do Teste de Mann-Whitney (médicos, mediana 7,00; fonoaudiólogos mediana 11,00; W 230,0; p-valor 0,169), os grupos não se diferenciam quanto ao escore total, ou seja, ambos os grupos tiveram um comportamento consistente no julgamento.

Para verificar se os grupos apresentaram mesmo padrão de respostas quanto à necessidade ou não de inclusão de cada item no protocolo, foi utilizado o teste do qui-quadrado para cada item. O cálculo foi feito a partir de Tabelas 2 x 2, sendo o número de graus de liberdade igual a um. A Tabela 3 mostra o valor do qui-quadrado e do p-valor para cada uma das comparações. Para algumas tarefas não foi possível calcular, pois os grupos apresentaram respostas idênticas.

 

 

De acordo com o exposto na Tabela 3, os itens 1, 2, 3, 4 e 6 são idênticos para ambos os grupos, uma vez que foram aceitos por 100% dos profissionais médicos e fonoaudiólogos. Os itens 5, 7 e 8 tendem a se diferenciar, uma vez que todos os fonoaudiólogos aceitaram esses itens, enquanto que nem todos os médicos concordaram com a permanência dos mesmos. Os grupos se diferenciam quanto às questões de nove a dezesseis. Sendo que as questões de nove a doze foram aceitas por 100% dos fonoaudiólogos enquanto que nem todos os médicos concordaram com a permanência das mesmas. Já as questões de 13 a 16 foram aceitas por uma parcela dos médicos enquanto que todos os fonoaudiólogos não viram a necessidade de permanência desses itens.

 

Discussão

De acordo com a literatura4,9-10,14-15,21,23,25, o trato vocal deve ser avaliado antes e após as cirurgias da tireóide, objetivando detectar possíveis alterações prévias e avaliar as características tanto da anatomia quanto da fisiologia dessa região pré e pós-tratamento cirúrgico.

Como já apontado na introdução desse trabalho não existe um consenso sobre quais itens de avaliação devem ser contemplados, necessariamente, na nasofibroscopia, para a avaliação da mobilidade laríngea dos pacientes submetidos a tireoidectomia. Também não há consenso sobre quais itens de avaliação poderiam ser considerados complementares no exame.

A pesquisa realizada indica que os itens imprescindíveis e que devem necessariamente ser avaliados são: inspiração normal (visando o afastamento das pregas vocais na respiração em repouso); inspiração forçada (visando o afastamento máximo das pregas vocais na respiração forçada); vogal /é/ isolada e sustentada (visando a mobilidade laríngea e a posição das pregas vocais); vogal /é/ isolada e sustentada (visando à constrição das pregas vocais, vestibular mediana e ântero-posterior, assim como o fechamento glótico) e a vogal /i/ aguda isolada e sustentada (visando o alongamento das pregas vocais e portanto o estiramento do músculo cricotireóideo).

A pesquisa também indica que existem itens que não são usualmente avaliados, mas que são entendidos como importantes para os fonoaudiólogos como fatores informativos ou preditivos para a eficácia da terapia. Esses itens são: vogal /é/ sustentada e fraca (visando a coaptação laríngea com o mínimo de pressão subglótica por meio das constrições de prega vocal, vestibular mediana e ântero-posterior); vogal /é/ sustentada e aguda (visando as constrições de prega vocal, vestibular e ântero-posterior juntamente com a ação do músculo cricotireóideo); vogal /é/ sustentada e grave (visando as constrições de prega vocal, vestibular mediana e ântero-posterior juntamente com a ação do músculo tireoaritenoideo); vogal /é/ curta com ataque vocal brusco (visando a hiperfunção de pregas vocais e/ou prega vestibular mediana quando se executa uma tarefa fonatória com esforço).

A pesquisa indica a existência de itens controversos (5, 7, 8, 13, 14, 15, 16) que são apontados por alguns profissionais como válidos, por outros como irrelevantes. Esses itens devem ser considerados com cuidado por não serem consensuais, devendo haver novas pesquisas sobre a necessidade ou não de incluí-los num protocolo com as características do PAN.

Observou-se diferença nas tarefas julgadas fundamentais pelos médicos e pelos fonoaudiólogos. Acredita-se que essas diferenças se devem ao fato dos olhares distintos que cada profissional tem em sua prática clínica. Os médicos estão focados, principalmente, na lesão (na alteração da mobilidade laríngea no caso), enquanto que os fonoaudiólogos focam tanto na lesão e, mais especificamente, na fisiologia laríngea.

 

Conclusão

O objetivo do PAN, em sua versão final, é contribuir para a sistematização dos procedimentos de avaliação fundamentados em evidências e concordâncias profissionais. É necessário o profissional agir de forma comprovada. Basear-se em protocolos específicos permeia esses aspectos e permite atuar de forma planejada, documentando seus procedimentos, sedimentando e avaliando sua prática e padrões de trabalho.

O PAN é baseado em uma proposição teórica, prática além da avaliação dos juízes, resultando na descrição de itens a serem solicitados durante a avaliação médica e fonoaudiológica no exame de nasofibrolaringoscopia da alteração da mobilidade laríngea em doenças da tireóide. Deste modo, o PAN tem a intenção de ser um instrumento objetivo e padronizado, visando auxiliar médicos e fonoaudiólogos para uma prática profissional consistente, dando suporte para avaliação e conseqüente reabilitação, recuperação plena e melhora na qualidade de vida do paciente.

 

Referências Bibliográficas

1. Harold E. Anatomy of he thyroid and parathyroidglands, Surgery (Oxford). 2007;25(11):467-8.         [ Links ]

2. Myssiorek D. Recurrent laryngeal nerve paralysis: Anatomy and Etiology. Otolaryngol Clin North Am. 2004;37:25-44.         [ Links ]

3. Ferraz AR, Cernea CR, Araújo Filho VJF, Turcano R. Complicações de Tireoidectomias. Rev Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. 2003;32(3):31-3.         [ Links ]

4. Bhattacharyya N, Fried MP. Assessment of the morbidity and complications of total thyroidectomy. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2002;128:389-92.         [ Links ]

5. Gonçalves FJ, Kowalski LP. Surgical complications after thyroid surgery performed in a cancer hospital. Otolaryngol Head Neck Surg. 2005;132:490-4.         [ Links ]

6. Arakawa-Segueno L. Voz e deglutição de pacientes com e sem mobilidade laríngea após tireoidectomia (Tese). São Paulo: Departamento de Clínica Cirúrgica. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2008.         [ Links ]

7. Behlau M, Pontes P. Exame Laringológico. In: Behlau M, Pontes P. Avaliação e Tratamento das Disfonias. São Paulo: Lovise; 1995. p. 143-66.         [ Links ]

8. Bhuta T, Patrick L, Garnett JD. Perceptual evaluation of voice quality and its correlation with acoustic measurements. J Voice. 2004;18:299-304.         [ Links ]

9. Colton R, Casper J. Understanding voice problems. A physiological perspective for diagnosis and treatment. 2th ed. Baltimore: Williams & Wilkins; 1998.         [ Links ]

10. Netto IP. Laringe, voz e deglutição pré e pós-tireoidectomia (Dissertação). São Paulo: Departamento de Oncologia. Fundação Antônio Prudente; 2005.         [ Links ]

11. Ruiz DMC, Richieri-Costa A. Paralisias laríngeas unilaterais em diferentes faixas etárias e suas correlações com a etiologia e configuração laríngea (tese). Bauru: Unid HRAC; 2003.         [ Links ]

12. Richardson BE, Bastian RW. Clinical Evaluation of Vocal Fold Paralysis. Otolaryngol Clin N Am. 2004;37:45-58.         [ Links ]

13. Meek P, Carding PN, Howard DH, Lennard TW. Voice Change Following Thyroid and Parathyroid Surgery. J. Voice. 2007;14:23-32.         [ Links ]

14. Rosato L, Carvelato MT, Toma G De, Avenia N. Recurrent laryngeal nerve damage and phonetic modifications after total thyroidectomy: surgical malpractice only or predictable sequence? World J Surg. 2005;29:780-4.         [ Links ]

15. Nemr K, Lehn C. Voz em Câncer de Cabeça e Pescoço. In: Ferreira, LP, Befi-Lopes D, Limongi SCO. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p. 102-17.         [ Links ]

16. Musholt TJ, Musholt PB, Garn J, Napiontek U, Keilmann A. Changes of the speaking and singing voice after thyroid or parathyroid surgery. Surg, 2006;140(6):978-88.         [ Links ]

17. Lacoste L, Karayan J, Lehuedé MS, Thomas D, Goudou-Sinha M, Ingrand P, et al. A Comparison of Direct, Indirect, and Fiberoptic Laryngoscopy to Evaluate Vocal Cord Paralysis after Thyroid Surgery. Thyroid. 1996;6(1):17-21.         [ Links ]

18. Costa Hoo. Laringoscopia Direta. In: Campos CAH, Costa Hoo. Tratado de Otorrinolaringología. São Paulo: Roca; 2003. p. 351-6.         [ Links ]

19. Roehm PC, Rosen C. Dynamic voice assessment using flexible laryngoscopy - how I do it: a target problem and it´s solution. American Journal of Otolaryngology. 2004;25(2):138-41.         [ Links ]

20. Ferrag TY. The utility of Evaluation True Vocal Fold Motion Before Thyroid Surgery. The Laryngoscope. 2006;2:116-20.         [ Links ]

21. Schindler A, Bottero A, Capaccio P, Ginocchio D, Adorni F, Ottaviani F. Vocal Improvement After Voice Therapy in Unilateral Vocal Fold Paralysis. J Voice. 2008;22(1):113-8.         [ Links ]

22. Meredydd LH, Murray M. The role of stroboscopy in the management of a patient with a unilateral vocal fold paralysis. The Journal of Laryngology and Otology. 1996;110:141-3.         [ Links ]

23. Koschkee DL, Rammage L. Voice care in the medical setting. San Diego: Singular, 1997;         [ Links ] In: Voz: Livro do Especialista. Behlau M. São Paulo: Lovise; 2001. p. 214-21.         [ Links ]

24. Ciocchi PE, Arakawa-Sugueno L, Andrade CRF, Sampaio C, Kulcsar MA, Ferraz A et al. Comportamento laríngeo durante emissão do "a" curto com ataque vocal brusco e "i" sustentado na paralisia laríngea. In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e V Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia em Cabeça e Pescoço; Salvador; 2005.         [ Links ]

25. Fleischer S, Schade G, Hess MM. Office-Based Laryngoscopic Observations of Recurrent Laryngeal Nerve Paresis and Paralysis. Otology, Rhinology & Laryngology. 2005;114(6):488-93.         [ Links ]

26. Hirano M, Bless D. Videostroboscopic examination of the larynx. San Diego: Singular, 1993.         [ Links ] In: Voz: Livro do Especialista. Behlau M. São Paulo: Lovise; 2001. p. 226-7.         [ Links ]

27. Rezende A, Guedes AP, Almeida C, Borrego MC, Behlau M, Pontes P, et al. Constrição ântero-posterior em indivíduos normais durante a fonação sustentada. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 1998;2(4):22-8.         [ Links ]

28. Steffen LM, Moschetti MB, Steffen N, Hanayama EM. Paralisia unilateral de prega vocal: associação e correlação entre tempos máximos de fonação, posição e ângulo de afastamento. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70(4):450-5.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Rua Dr. Paschoal Imperatriz, 114 - Apto. 222 B
São Paulo - SP
CEP 04705-070
(priciocchi@hotmail.com).

Recebido em 15.05.2008.
Revisado em 05.01.2009.
Aceito para Publicação em 03.02.2009.

 

 

Artigo Original de Pesquisa
Artigo Submetido a Avaliação por Pares
Conflito de Interesse: não
* Trabalho Realizado no Laboratório de Investigação Fonoaudiológica da Fluência, Motricidade e Funções Orofaciais do Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

 

 


Apêndice - clique para ampliar

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License