SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número2The 1903 strike: origins of the workers' movement in Rio de JaneiroWeighing up SUS as it comes of age índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


História, Ciências, Saúde-Manguinhos

versión impresa ISSN 0104-5970versión On-line ISSN 1678-4758

Hist. cienc. saude-Manguinhos v.14 n.2 Rio de Janeiro abr./jun. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702007000200018 

LIVROS & REDES

 

Revisitando Rondônia: história, memória e ciência

 

Revisiting Rondônia: history, memory and science

 

 

Adriana T. A. Martins Keuller

Mestre em História Social – Puc-Rio Av. Alfredo Whately 365/201 – bloco A Campos Elisios Resende – RJ – Brasil adriana.keuller@gmail.com

 

 

Momento de celebração! Depois de vinte anos o livro Rondônia, de Edgard Roquette-Pinto, volta a ser publicado, em uma parceira da Academia Brasileira de Letras com a Fiocruz, encerrando a seqüência de homenagens, promovidas por ambas as instituições, aos cinqüenta anos da morte do autor.

A bela edição resgata o formato da primeira, publicada em Archivos do Museu Nacional, periódico editado pela instituição em que Edgard Roquette-Pinto fez carreira e consagrou-se profissionalmente. O prefácio e a introdução colocam o leitor a par da trajetória pessoal e profissional do autor, e associa a pesquisa científica então praticada ao contexto intelectual e político da época.

Fruto de observações e descrições dos índios da Serra do Norte, em território pertencente aos atuais estados de Mato Grosso e Rondônia, o livro relata a viagem de Roquette-Pinto por cinco meses, em 1912, como membro integrante da Comissão Rondon. Se não fosse por esse engajamento, diz o autor que sua empreitada teria levado mais de um ano (p.200). A Comissão teve por missão implantar linhas telegráficas do Mato Grosso ao Amazonas – a chamada Estrada Rondon, cujo mapa encontra-se no livro – com o fim último de integrar à nação aquela região então isolada e pouco conhecida, por meio do acesso ao 'progresso', à 'ciência' e à 'civilização'. Simultaneamente, expedições exploratórias foram realizadas naqueles territórios e resultaram em uma série de levantamentos e estudos geológicos, botânicos, geográficos, zoológicos, antropológicos e etnográficos.

Misto do pensar e do sentir, Rondônia reflete a prática social e científica do autor, documentada sob a forma de um diário de campo que congregou registros em diversos suportes, essenciais para a realização do projeto (p.109). Pensando-a como um documento/monumento de Jacques Le Goff, a obra, mais do que um registro, memoriza outros monumentos, entre eles a paisagem natural da região e os objetos da cultura material dos índios – que hoje integram o acervo do Museu Nacional e que são representados, na edição, por ilustrações feitas pelo conservador de arqueologia do Museu, A. Childe – e da cultura imaterial daqueles povos, como as canções reproduzidas em fonogramas pelo professor Astolpho Tavares, os mitos e o vocabulário, apresentados ao final do livro.

Parte integrante de uma 'memória científica', Rondônia espelha a tríade de elementos que a compõem: o cientista, a instituição e a disciplina. Na contracapa da edição original, mais informações sobre seu autor: professor do Museu Nacional do Rio de Janeiro e da Academia de Altos Estudos; segundo secretário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Sociedade Brasileira de Ciências; docente da Faculdade de Medicina e da Escola Normal e, posteriormente, membro da Academia Brasileira de Letras.

"Escrevo para documentar e divulgar, para arquivar e servir" (p.63). De fato, Roquette-Pinto, percebendo a importância da mais interessante população 'selvagem' do mundo – os Nambiquaras –, esperava que suas notas servissem, não para satisfazer pretensões literárias, "para quem toma um livro a fim de se recrear", mas sim para recordar o "cliché cru" que ele tirou: "um instantâneo da situação social, antropológica e etnográfica dos índios da Serra do Norte, antes que principiasse o trabalho de decomposição que nossa cultura vai neles processando" (p.xiv).

Indignação, excitação, preocupação são palavras que expressam bem os sentimentos do cientista ao longo do texto. Indignação com a situação social dos sertanejos, por ele caracterizados como "pequenos e magros, enfermos e inésticos", mas fortes, que "vivem trabalhando, trabalhados pela doença" (p.44). Nesse trecho do livro o autor dialoga com o relatório Penna-Neiva, de 1912, e até mesmo com Euclides da Cunha, que se refere aos "sertanejos pequenos e magros mas fortes que vivem trabalhando". Aos olhos do médico não passaram despercebidas doenças que grassavam entre sertanejos e índios e que foram, posteriormente, discutidas com a comunidade científica, a exemplo de um tipo de dermatose levado à Sociedade Brasileira de Dermatologia em 1915.

Roquette-Pinto mostra excitação ao perceber sinais de proximidade dos Nambiquaras, após um mês de viagem pelo sertão. Na descrição dos primeiros contatos, os índios, entre falatórios e gritarias, expressam-se em uma explosão de alegria. E o cientista? Envolto naquele quadro de magia, Roquette-Pinto mantém-se insone em sua rede: "Dormir, naquela noite inesquecível em que a sorte me tinha feito surpreender, vivo e ativo, o 'homem da idade da pedra' recluso no coração do Brasil ..." (p.108). A preocupação do autor, por sua vez, concentra-se na situação social dos índios diante do debate sobre a construção da nação brasileira, quando ele aponta o papel social dos antropólogos: "proteger, sem procurar dirigir, nem aproveitar essa gente" (p.200; grifos do autor).

A obra Rondônia consolida, também, a relação de Edgard Roquette-Pinto com o Museu Nacional do Rio de Janeiro, instituição à qual pertenceu como professor e chefe da 4ª Seção de Antropologia e Etnografia e, posteriormente, como diretor, nos 42 anos em que ali atuou. A coleta científica que realizou permitiu formar uma grande, única e inédita coleção para a instituição. Vale lembrar que as ilustrações desses objetos, no livro, apresentam a catalogação do Museu, e que na obra são expressos agradecimentos a funcionários como o diretor Bruno Lobo e os colegas Domingos Sérgio de Carvalho, Santos Lahera y Castillo e Alberto Childe.

Por último, é importante observar que a narrativa de Roquette-Pinto reflete a maneira como esse autor compreendia a ciência antropológica e como ela era praticada naquela época. Exercida por médicos-antropólogos, essa prática científica seguia os ensinamentos da escola francesa de Broca e de Topinard. Associada aos estudos da medicina e derivada da história natural, preocupava-se em coletar, descrever e classificar características físico-anatômicas dos tipos humanos, as quais eram anotadas nas chamadas fichas antropométricas. Uma série de tabelas, desenhos, impressões digitais e retratos falados, ao longo do livro, testemunham o princípio de raça como a variabilidade biológica dos tipos humanos.

A reedição de Rondônia é, portanto, um ato de comemoração científica, pois o livro nos faz recordar um tempo e uma prática social e científica. Além das denúncias sobre problemas e contrastes do Brasil no início do século XX, a obra nos mostra como era exercida uma antropologia cuja prática hoje denominamos antropologia física ou biológica.

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons