SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 issue9LAGRANGE, Hugues; LHOMOND, Brigitte (Dir.). L’Entrée dans la sexualité: le comportement des jeunes dans le context du sida. Paris: La Découverte, 1997. 464 p. (Collection Recherches). author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Horizontes Antropológicos

Print version ISSN 0104-7183On-line version ISSN 1806-9983

Horiz. antropol. vol.4 no.9 Porto Alegre Oct. 1998

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71831998000200022 

Resenhas

MACACO VELHO NÃO PÕE A MÃO EM CUMBUCA. Autoria: Gerson Gel Luiz e Fernando. Voz: Gerson Gel Luiz com acompanhamento de grupo instrumental. Porto Alegre: Nupacs/Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1997. 1 CD com registro em encarte de letra, fotos e notas técnicas (3 min 49 s).*

Maria Elizabeth Lucas1 

1Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Brasil


Que o gênero canção constitui-se em instrumento privilegiado de comunicação entre grupos sociais que não priorizam, ou que não têm acesso ao registro escrito, é constatação sustentada por uma extensa contribuição de estudos clássicos em Etnomusicologia. A força afetivo-cognitiva contida em dois códigos poderosos atuando em simultaneidade no sentido da audição – o lingüístico e o musical – contribui para esta eficácia comunicacional, mormente quando o veículo sonoro (representado pelo gênero, melodia, ritmo, harmonia, timbres e performance vocal/instrumental) remete a significados sócio-musicais historicamente compartilhados e praticados entre um determinado grupo. A escolha do género canção e sua composição pelos próprios elementos da comunidade envolvidos no projeto de intervenção Sexualidade e Reprodução , como medium da mensagem de prevenção à AIDS, gravada no CD Macaco Velho Não Põe a Mão em Cumbuca , acerta em cheio nesta estratégia de alcançar o ouvinte.

Com um suporte musical mesclando o chorinho, o samba-de-breque, o pagode, toques de jazz e jogando com as associações lúdicas e festivas destes géneros, a letra desfia com muita argúcia flashes de situações cotidianas, em que são passados a limpo preconceitos e preceitos de prevenção:

Pois é, quem vê cara não vê o resto, não.

E o resto, às vezes, não presta.

Já que quem tá com a danada

não leva escrito na testa.

Tem gente que pensa que isto é careta,

que é como chupar bala com papel,

e não usa camisa-de-vênus, não…

Difícil o ouvinte não reconhecer no texto pontos de contato e identidade entre as situações narradas e as suas próprias referências sobre a doença, agora cantadas com boa dose de humor, a amplificar os significados do cuidado e da prevenção. Nada mais certeiro do que usar um texto musicado, sem descuido da qualidade da performance musical, para tratar de matéria em que qualquer descuido pode ser fatal.

Produto de uma parceria entre jovens da Vila Mirim e participantes do projeto de intervenção social na Vila Divina Providência, coordenado pelo Nupacs (Núcleo de Pesquisa em Antropologia do Corpo e da Saúde – PPGAS da Universidade Federal do Rio Grande do Sul), com o patrocínio da Fundação Ford, o registro deste CD ilustra ainda, para quem desconhece, a intensa atividade musical que permeia a vida comunitária de milhares de jovens moradores de locais periféricos na grande Porto Alegre. Ao lado do pagode, do sertanejo, o rap, o reggae, o heavy, a percussão da axé-music baiana, a bateria de escola de samba, compõem uma estética de resistência e mediação com a sociedade englobante em que são expressas as carências e expectativas que povoam o cotidiano destes agentes. A familiaridade e competência dos grupos populares em comentar o seu entorno social através da expressão cancional reflete-se no resultado estético-comunicacional obtido nesta pequena trilha didática.

Experiência de audição com alguns ouvintes nos leva a sugerir um pequeno ajuste na mixagem do material sonoro, para atender mais ao vocal do que ao instrumental, sobretudo no refrão, que precisa cumprir a sua função de marcar o conteúdo da mensagem:

Macaco velho não põe a mão em cumbuca

Se tiver usando luva,

vai ser melhor.

Macaco velho não sai à toa na garoa, não

Só mesmo de guarda-chuva,

não arrisca o pé no chão.

Pelo padrão técnico, estético e ético demonstrado na edição deste CD, está de parabéns o Nupacs e a equipe idealizadora-realizadora deste material valioso na divulgação dos propósitos do projeto Sexualidade e Reprodução .

*Trata-se da resenha de um CD – um disco laser – promovido pelo Nupacs (Núcleo de Pesquisa em Antropologia do Corpo e da Saúde) PPGAS-UFRGS como parte de um projeto na área de antropologia da saúde, projeto este que teve suporte da Fundação Ford.

Creative Commons License Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.