SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número42BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento: II: da Enciclopédia à WikipédiaFASSIN, Didier; BOUAGGA, Yasmine; COUTANT, Isabelle; EIDELIMAN, Jean-Sébastien; FERNANDEZ, Fabrice; FISCHER, Nicolas; KOBELINSKY, Carolina; MAKAREMI, Chowra; MAZOUZ, Sarah; ROUX, Sébastien. Juger, réprimer, accompagner: essai sur la morale de l'État índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Horizontes Antropológicos

versão impressa ISSN 0104-7183

Horiz. antropol. vol.20 no.42 Porto Alegre jul./dez. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832014000200017 

RESENHAS

 

DEBAENE, Vincent. L'adieu au voyage: l'ethnologie française entre science et littérature. Paris: Gallimard, 2010. 528 p.

 

 

Luís Felipe Sobral*

Universidade Estadual de Campinas - Brasil

 

 

Quase todos os etnólogos franceses que foram a campo antes de 1939, ou seja, aqueles que contribuíram decisivamente para a institucionalização da etnologia na França, escreveram dois tipos de livro a partir dessa experiência: um dito científico, outro dito literário, elaborado em desacordo com a forma canônica de monografia - o "inventário de civilizações" estabelecido por Marcel Mauss (1872-1950) - e publicado em uma editora generalista (Gallimard, Grasset, Plon) (p. 15-16). Assim, após sua primeira missão na Etiópia em 1929, Marcel Griaule (1898-1956) publicou, na primeira categoria, Silhouettes et graffiti abyssins (em 1933) e Jeux et divertissements abyssins (em 1935), e, na segunda, Les flambeurs d'hommes (em 1934); a partir da missão etnográfico-linguística Dacar-Djibuti (1931-1933), Michel Leiris (1901-1990) lançou em 1934 L'Afrique fantôme, diário que manteve como secretário-arquivista da expedição, e, em 1958, o estudo La possession et ses aspects théâtraux chez les Éthiopiens de Gondar; Claude Lévi-Strauss (1908-2009) publicou, em 1948, La vie familiale et sociale des Indiens nambikwara e, em 1955, Tristes tropiques. Esses exemplos são apenas os três casos privilegiados por Debaene, que indica ainda muitos outros, tanto contemporâneos à tríade citada (Maurice Leenhardt, Alfred Métraux, Jacques Soustelle) como posteriores (Georges Balandier, Georges Condominas, Pierre Clastres), reproduzindo uma espécie de "tradição francesa" que remonta a Montaigne, passando por Montesquieu e Rousseau, e combinando a reflexão filosófica, a curiosidade pelo exótico, a atenção a si e a meditação sobre a natureza humana.

Ao identificar esse fenômeno singular do duplo livro característico da etnologia francesa e propor sua análise, L'Adieu au voyage não pretende indicar a priori definições de antropologia e literatura, muito menos estabelecer critérios de cientificidade; antes de tudo, ambiciona sobretudo enfrentar os próprios textos etnográficos. Para tanto, realiza uma dupla recusa: de um lado, não procede de modo genético, partindo das notas de campo em direção à monografia etnográfica, tampouco explora as estratégias retóricas utilizadas pelos etnólogos, mas situa a distribuição e a recepção dos escritos etnográficos publicados no retorno da missão em um espaço discursivo historicamente localizado; de outro, não considera a oposição entre ciências sociais e literatura como um dado que orientaria a pesquisa através de dicotomias (objetivo e subjetivo, explicação e interpretação, razão fria e cultura do gosto, escrita constrangida do especialista e escrita soberana do literato, rigor e progresso da ciência e impressionismo e tradicionalismo das letras), porém ambiciona examinar cuidadosamente as inúmeras relações concretas entre antropologia e literatura.

Segundo Debaene, que oferece na introdução uma genealogia da relação entre ciência e literatura, não faz sentido opor tais termos porque a constituição das ciências modernas não é independente da história literária; desde o início do século XIX, a relação entre ambas é caracterizada pela emancipação: ao se tornarem ciência, os saberes se dizem libertos da literatura, porém não deixam de compartilhar com ela um passado comum, quando tais distinções ainda não existiam (p. 28-38). Da perspectiva antropológica, o problema se apresenta da seguinte forma:

[...] os "pais" da etnologia francesa pretendem retomar por sua conta o imperativo de observação e a necessidade de se manter aos "fatos", recusando todo efeito de estilo. Mas como conciliar tais exigências com a convicção que o fato social é também e em primeiro lugar um fato mental e um fato moral? Pois se há uma herança que a etnologia francesa retoma da sociologia durkheimiana, é esta: o social é mental. Mas o "clima moral" de uma sociedade, como diz Métraux, a "tonalidade da vida coletiva", como escreve Mauss, não se "recolhe" como se coleta ferramentas ou máscaras rituais. Como estar seguro de penetrá-los? E, sobretudo, como explicá-los sem recorrer a um trabalho de escrita ou a uma certa forma de "literatura"? (p. 39-40).1

L'Adieu au voyage divide-se assim em três partes organizadas por um princípio de simetria: na primeira, "A etnologia no espelho da literatura", exploram-se as dificuldades suscitadas por uma antropologia que, a um só tempo, reivindica o estatuto científico, vale-se de um modelo de pesquisa pautado no documento e no museu e deve reconstruir a vivência da pesquisa de campo; na segunda, "O adeus à viagem", enfrenta-se três etnografias (Les flambeurs d'hommes, de Griaule, L'Afrique fantôme, de Leiris, e Tristes tropiques, de Lévi-Strauss) consideradas a princípio como "suplementos literários" em relação aos seus respectivos pares científicos; na terceira, "A literatura no espelho da etnologia", retoma-se inversamente a discussão da primeira, agora nos termos de uma literatura que, reivindicando o conhecimento do homem, reage - do começo do século XX à coleção "Terre humaine", organizada por Jean Malaurie na editora Plon a partir de 1954 e focada em autobiografias indígenas - ao estabelecimento das ciências sociais.

O centro do estudo de Debaene é ocupado pelo trio de livros citados que se destacam pela originalidade formal diante dos outros "suplementos à viagem etnográfica" que procuram simplesmente compensar a aridez de seus duplos científicos e, desse modo, não se afastam muito da narrativa de viagem convencional. Todavia, mesmo entre essa tríade singular, o autor estabelece duas distinções: a primeira sublinha o fato de o diário de Leiris ser o único suplemento de viagem publicado não apenas antes, mas com um intervalo de quase 25 anos em relação ao seu par científico, o estudo sobre os ritos de possessão etíopes; a segunda separa Les flambeurs d'hommes - a insólita crônica etíope de Griaule narrada em terceira pessoa - de Tristes tropiques e L'Afrique fantôme, que se esquivam, por motivos distintos, da explicação segundo a qual a obra dita "literária" teria por objetivo compensar a incapacidade da tese científica de evocar eficazmente a atmosfera viva da experiência de campo, conforme exigia o paradigma documental (p. 271-272).

Ao defender um retorno das ciências sociais à dimensão concreta, Mauss redefiniu o objeto da etnologia e impôs a pesquisa de campo como método: o fato social total não poderia ser acessado exceto na experiência vivida do nativo (p. 114-119). Entretanto, o procedimento maussiano de caracterizar o espírito de uma sociedade como uma "atmosfera" a ser descrita (Mauss, 1947, p. 201) deixava a etnologia vulnerável às "aporias do inefável" e, ao mesmo tempo, entrava em conflito com o modelo documental imposto por Paul Rivet (1876-1958) ao Musée d'Ethnographie du Trocadéro, que, junto com o Institut d'Ethnologie fundado em 1925 por Mauss, Rivet e Lucien Lévy-Bruhl (1857-1939), foi responsável pela institucionalização da etnologia na França (p. 45, 119-121). O Trocadéro, que daria espaço ao Musée de l'Homme em 1938, era uma espécie de gabinete de curiosidades sem qualquer organização científica (catálogo, inventário, condições físicas adequadas); a partir de sua reorganização no início da década de 1930, passa a recusar tanto o gabinete de curiosidades como o modelo oferecido pelo museu de belas artes. Orientado pela ideia de que todo objeto cultural poderia se tornar "documento", o Trocadéro tinha por objetivo dar visibilidade à ciência e educar as massas: "o documento não fala de si mesmo e é necessário controlar sua recepção" (p. 55), o que conduzia à explicação de cada peça, remetendo-a ao "sistema coerente" do qual fazia parte (p. 51-55). O problema residia justamente na incapacidade dos objetos coletados em campo de reconstituir a atmosfera vivida; em outras palavras, verifica-se a inadequação desse modelo positivista a uma ciência social e moral como a etnologia - daí o objetivo dos suplementos à viagem etnográfica: "atenuar as insuficiências do documento e fazer sentir as formas de sentir" (p. 134).

De uma forma geral, pode-se dizer então que o projeto etnológico francês do entreguerras foi elaborado em termos empiristas:

[...] ele postulava que os objetos do etnólogo são sociedades e que estas devem ser descritas. Que esse objeto seja material ou mental e que se hesite entre diferentes métodos (a coleção ou a imersão) e diferentes modos de exposição de resultados (estudo erudito ou obra "literária") não muda em nada a questão: é a mesma epistemologia que comandava a coleta de dados e a narrativa evocatória. (p. 421-422).

Ora, na década de 1950, quando o propósito da etnologia não era mais descrever um objeto real (uma sociedade), porém construir objetos teóricos, no instante em que o Musée de l'Homme deixava de ser o centro institucional da disciplina e o paradigma documental não lhe fornecia mais os critérios orientadores, o vínculo que unia etnologia e literatura no âmbito epistemológico desapareceu (p. 422).

Para a etnologia francesa dos anos 1930, tomar a etnografia como uma viagem implicava a espacialização de seu objeto, perspectiva defendida por Rivet e levada ao paroxismo por Griaule, "que apresenta sempre a etnografia como a forma consumada da viagem, como o acesso à intimidade da sociedade estudada" (p. 207, grifo do autor), pretensão cuja inanidade L'Afrique fantôme e Tristes tropiques iriam desnudar ao testemunhar a impossibilidade da diferença, um dado cultural da percepção, em circunscrever um objeto de conhecimento: a etnologia não estuda a alteridade (p. 207-208, 233). Se o diário transafricano de Leiris, ao defender uma noção de poesia operando como "uma categoria englobante que torna despropositados os critérios de ciência e de literatura" (p. 303), esquiva-se da regra geral de oferecer uma compensação às insuficiências da ciência etnológica documental, a melancólica reflexão de Lévi-Strauss o faz por se valer de uma modalidade literária que não é senão "o resultado de uma experiência de escrita, a um só tempo mental e formal, que prolonga e conclui uma pesquisa de campo inicialmente marcada pelo selo da incompletude" (p. 339).

"Este diário não é nem um histórico da Missão Dacar-Djibuti, nem o que se convencionou chamar um 'relato de viagem'", afirmou Leiris (1996, p. 394) em um esboço de prefácio redigido em 4 de abril de 1932, às vésperas da entrada da expedição na Etiópia; "adeus, selvagens!, adeus viagens!", exclamou Lévi-Strauss (1996, p. 392) no último parágrafo de Tristes tropiques. Ao recusarem à etnologia a tradição das narrativas de viagem, Leiris e Lévi-Strauss renunciaram à totalização do sujeito implícita nesse gênero, isto é, repeliram o distanciamento ou a mudança de país como critérios suficientes para definir a etnografia: "não é a outras 'culturas' ou a outras lógicas sociais que se abre esta última, mas a outras formas de subjetividade e a outros modos de subjetivação - que, em retorno, podem vir a assombrar a cultura de origem do etnógrafo" (p. 474). Assim, furtando-se à narrativa de viagem (Leiris, Lévi-Strauss) ou conferindo-lhe um significado próprio (Griaule e os outros autores dos suplementos à viagem etnográfica), todos esses livros afirmam convictos: "isso não é um relato de viagem, pois é o relato de uma verdadeira viagem" (p. 238). Ao dar adeus às viagens, conclui Debaene, a primeira geração de etnólogos franceses realizou menos uma renúncia do que estabeleceu um ponto de partida (p. 471).

L'Adieu au voyage é um estudo vigoroso que identifica e enfrenta o fenômeno do duplo livro dos etnólogos franceses da perspectiva da análise discursiva. Dito isso, é preciso considerar que, se os impasses da etnologia francesa do entreguerras se alojam entre ciência e literatura, Debaene está muito mais interessado na relação que a disciplina mantém com a literatura, postura evidente na seleção das fontes: a despeito de serem dois os livros escritos no retorno da pesquisa de campo, a interpretação do autor dispõe o volume científico em função de seu par literário. Assim, as 530 páginas de La langue secrète des Dogon de Sanga, a tese etnolinguística de Leiris defendida em 1938 na seção de ciências religiosas da École Pratique des Hautes Études, "serão [...] uma concessão à ciência que testemunha o xeque dessa utopia de uma obra total que seja a um só tempo ciência e literatura e a um só tempo livro e vida" (p. 305). Como compreender o fenômeno do duplo livro se a um deles é concedido um privilégio analítico? Seria preciso dedicar o mesmo investimento de leitura consagrado a Tristes tropiques para La vie familiale et sociale des Indiens nambikwara, o mesmo percurso analítico aplicado a Les flambeurs d'hommes para Silhouettes et graffiti abyssins, e assim por diante. Se L'Adieu au voyage tem o mérito de circunscrever um fenômeno característico da etnologia francesa nos termos de um campo discursivo, não oferece senão uma interpretação parcial desse fenômeno. Entre ciência e literatura, Debaene escolheu a segunda.

 

Referências

LEIRIS, M. L'Afrique fantôme. In: LEIRIS, M. Miroir de l'Afrique. Ed. de Jean Jamin. Paris: Gallimard, 1996. p. 61-868.         [ Links ]

LÉVI-STRAUSS, C. Tristes trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.         [ Links ]

MAUSS, M. Manuel d'ethnographie. Paris: Payot, 1947.         [ Links ]

 

 

* Doutorando em Antropologia Social. Bolsista Fapesp.
1 Todas as traduções são minhas.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons