SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 issue43Um pequeno guia ao pensamento, aos conceitos e à obra de Judith Butler author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos Pagu

On-line version ISSN 1809-4449

Cad. Pagu  no.43 Campinas July/Dec. 2014

http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400430517 

RESENHAS

O psicólogo com o bisturi na mão: um estudo antropológico da cirurgia plástica

Daniela Feriani1 

1Doutoranda em Antropologia Social na Universidade Estadual de Campinas. daniferiani@hotmail.com

TOCHIO, Andrea. O psicólogo com o bisturi na mão: um estudo antropológico da cirurgia plástica. 2012. Annablume, Fapesp, São Paulo:

O que as cirurgias plásticas podem nos dizer sobre corpos, padrões de beleza, relações de gênero? Normalmente pensadas de forma genérica e associadas à estética e às classes mais favorecidas economicamente, as cirurgias plásticas ganham novos significados e referenciais analíticos na etnografia de Andrea Tochio. Ao olhar para outros contextos, como o de um hospital público, a autora traz novos elementos para se pensar temas já muito discutidos nas ciências sociais, como corporalidade, gênero, beleza, além de permear um campo em ascensão, o da antropologia da saúde.

Resultado da dissertação de mestrado em Antropologia Social na Universidade Estadual de Campinas, o livro oferece uma descrição detalhada das estratégias adotadas pela antropóloga para a realização de uma pesquisa envolvendo entrevistas e conversas informais com pacientes e médicos e o acompanhamento de consultas antes e depois das cirurgias. Vemos com clareza o perfil social dos pacientes, os tipos de operação por eles reivindicados e as razões alegadas para a demanda de intervenção corporal. Compreendemos o modo pelo qual a falta de autoestima pode se transformar numa espécie de "doença" que a plástica pode "curar". A autoestima é uma categoria usada tanto pelos pacientes como pelos médicos, num jogo retórico que envolve constrangimento, dilemas e expectativas de ambas as partes. Funciona como uma espécie de arma retórica para aceitação ou recusa da demanda, além de acionar concepções referentes a corpo, gênero e velhice.

O ponto forte de O psicólogo com o bisturi na mão é ter olhado para um contexto de certa forma negligenciado no imaginário sobre as cirurgias plásticas - o de um hospital público voltado, principalmente, para classes populares -, o que permitiu trazer novos elementos para a compreensão do tema. A especificidade do Hospital de Clínicas da Unicamp, um hospital-escola de atendimento majoritário à população economicamente desfavorecida, traz dilemas para o serviço de cirurgia plástica, pois, devendo, ao menos na teoria, priorizar os procedimentos tidos como reparadores - vistos como mais urgentes e úteis por envolver cuidados referentes à saúde do paciente -, o atendimento é marcado por retóricas, constrangimentos e negociações entre os residentes, que precisam decidir pela aceitação ou recusa da cirurgia, e os pacientes, que desejam ter os pedidos atendidos, ainda que não se encaixem no perfil do hospital.1 Esse "jogo sutil", nas palavras da autora, revela não só as estratégias de ambas as partes, mas, principalmente, como essas estratégias se relacionam com concepções sobre corpo, gênero, beleza, saúde e velhice.

A pesquisa de campo no HC envolveu o acompanhamento de consultas médicas, cirurgias, retornos pós-operatórios, reuniões de discussão de casos entre residentes e médicos e a realização de entrevistas com residentes e pacientes. Foram 73 pacientes entrevistados, sendo 12 homens e 61 mulheres, majoritariamente da classe popular, de diferentes idades (dos 17 aos 77 anos, entre as mulheres, e dos 18 aos 40 anos, entre os homens). Ao recusar explicações genéricas e essencialistas, Tochio se propõe a problematizar o fato de a maioria das pessoas que procura a cirurgia plástica ser mulher, mostrando a diversidade presente nessa categoria ao conectá-la a outros marcadores sociais, como classe e idade, além de também estar interessada nos significados que tais cirurgias têm para os homens.

De uma maneira geral, tanto homens quanto mulheres alegam ser o "aumento da autoestima" o principal motivo para a realização da cirurgia plástica. A preocupação com a aparência, a insatisfação com o corpo, os complexos, os incômodos, as dores físicas e emocionais, o peso do olhar do outro, a inadequação de partes do corpo aos modelos tidos como adequados são questões comuns nas narrativas e as cirurgias aparecem como tentativas de reparar tais desconfortos. Nesse sentido, mesmo uma cirurgia estética, como uma prótese de silicone, por exemplo, não é vista apenas voltada para a beleza e a aparência: é também reparadora, voltada para a saúde, o cuidar de si, o sentir-se bem, sendo a baixa autoestima vista "como uma espécie de "doença" que a cirurgia poderia "curar"" (p.123).

A dissolução das fronteiras entre "estética" e "reparadora" também se faz presente nas falas dos médicos e residentes. Ao afirmar, durante uma palestra, que "o cirurgião plástico é o psicólogo com o bisturi na mão" - daí o título do livro -, Ivo Pitanguy acredita que a cirurgia plástica restaura a correlação entre o psi e o físico do paciente, diluindo a oposição entre mente e corpo. A noção de beleza se expande e se conecta à de bem-estar, saúde e felicidade numa tentativa de livrar a cirurgia plástica de um significado meramente ligado à vaidade e à futilidade. Um dos momentos mais interessantes da análise de Tochio é quando mostra como os pacientes e os cirurgiões, conscientes desse discurso sobre a plástica, acionam e manipulam elementos na tentativa de fazer o que desejam. Em outras palavras, há um jogo retórico, marcado por relações de poder e valores morais, no qual ora se dissolve a separação entre estética e reparação, como justificativa, por exemplo, para se fazer a cirurgia; ora se faz uso dessa separação para recusar o procedimento. Alguns pacientes se apropriam da retórica médica, o que a autora chamou de "ideologia da reparação", enfatizando as dores físicas, as restrições e os complexos psicológicos - e omitindo outros motivos relacionados à estética - como estratégia de convencimento para a realização da cirurgia desejada.2 Por outro lado, os cirurgiões fazem uso da mesma retórica para convencer o paciente de que sua cirurgia não pode ser realizada. Cabe-se perguntar - e a autora o faz - quando se aciona a oposição entre estética e reparação e quando ela é dissolvida.

E é com essa pergunta que a análise sai de um nível mais geral - o da representação - e entra em um mais específico ou etnográfico - o da experiência -, o que permitiu à autora - e a nós, leitores - a percepção do quão heterogêneo é o universo pesquisado. A classificação da cirurgia como estética ou reparadora vem acoplada a uma série de significados e moralidades referentes a gênero, corpo, idade, o que leva a uma tipificação dos próprios pacientes. Os cirurgiões veem como "bons pacientes" aqueles que desejam fazer a cirurgia para si como uma busca autônoma e disciplinada da satisfação pessoal, o que a autora chamou, utilizando Edmonds (2002), de "ethos puritano". Nesses casos, uma cirurgia que poderia ser considerada estética tende a se transformar em uma cirurgia reparadora, sendo, portanto, realizada. Já os "maus pacientes" são aqueles que desejam realizar o procedimento cirúrgico para agradar outrem (arrumar namorado, reconquistar o marido, conseguir emprego), o que caracterizaria um "ethos hedonista", sendo as cirurgias vistas como estéticas e, assim, recusadas. Para os médicos, tais pacientes são vistos como "problema", pois nunca ficarão satisfeitos com o resultado da cirurgia, já que as expectativas e os motivos que os levam a desejá-la ultrapassam-na e não está ao alcance dos cirurgiões solucioná-los.

Além desses dois tipos de ethos, as decisões dos residentes de fazer ou não a cirurgia também se devem às concepções sociais sobre corpo, gênero e idade. Para pensar a relação entre corpo e gênero, Tochio se detêm em uma parte do corpo que ganha conteúdos diversos para homens e mulheres - as mamas. Em revistas especializadas sobre o tema e em convênios particulares, a redução de mamas é tida como estética, tanto em homens quanto em mulheres. Porém, no cotidiano do hospital estudado, enquanto a cirurgia nas mulheres é classificada como estética, a cirurgia nos homens é vista como reparadora. Aliás, a autora mostra que, para os 12 homens pesquisados, apenas 2 cirurgias foram consideradas estéticas, mesmo sendo a ginecomastia (redução de mamas) e a rinoplastia (cirurgia plástica no nariz) as mais procuradas entre eles.3 Como a autora analisa, a mama nos homens é considerada uma patologia, revelando o que Corrêa (2004) chamou de "ideologia do dimorfismo sexual". As cirurgias plásticas são, assim, tentativas de fixar, moldar e até mesmo produzir diferenças entre corpo feminino e corpo masculino, diferenças essas tidas como naturais, cortando e costurando as partes que fogem dessa dicotomia para que se encaixem nos padrões corporais e sexuais atribuídos a homens e mulheres.

Já na relação corpo e velhice,

a cirurgia é uma tentativa de fugir das marcas do tempo, desnaturalizando processos tidos como naturais. O envelhecimento é visto como um processo de perda de saúde e da beleza que é associada com a juventude e o bem-estar (p.159).

Se as mais jovens concentram seus esforços nas mamas, as mais velhas buscam principalmente intervir na face, o que nos mostra o processo de fragmentação do corpo e da própria velhice, fragmentação essa muito bem utilizada pelos médicos na tipificação das cirurgias, cada uma tendo o nome relacionado à parte do corpo que sofrerá o procedimento. Recorrendo a Debert (2004), Tochio analisa como a juventude se torna um valor a se desejar e buscar, independentemente da idade, enquanto a velhice, também independentemente da idade, é tida como uma atitude de negligência com o corpo, "uma espécie de "doença autoinfligida", como são vistos hoje o fumo, as bebidas alcoólicas e as drogas" (p.161).

Apesar de compartilhar de uma bibliografia (principalmente Csordas, 1996) que vê o corpo como algo plástico, moldável, flexível, como agente e experienciador, sendo as cirurgias plásticas projetos corporais constantes e quase intermináveis4, Tochio nos traz outra perspectiva: é muito mais a normalização dos corpos do que a plasticidade deles que está em jogo nesses procedimentos. Nas palavras de Debert, no prefácio desse livro,

Aprendemos que não se pode pensar na cirurgia plástica como algo que amplia a plasticidade do corpo, idéia que é a pedra de toque dos estudos sobre o tema. É antes preciso pensar nos limites que essa indústria impõe às possibilidades do corpo e nesse sentido esse livro traz um novo prisma à reflexão sobre as formas de encarceramento da diversidade corporal. As operações realizadas apontam as severas limitações que são impostas sobre o corpo e é a aversão ao diferente que organiza as reformatações corporais empreendidas (p.16).

Na busca por corpos adequados às concepções vigentes sobre gênero, beleza e velhice, a estética vai sendo ressignificada e acoplada a outras dimensões, tais como moralidade, saúde, felicidade e bem-estar. Tochio argumenta que há um imperativo moral que nos obriga ao cuidado de si e ao aumento da autoestima. A aparência deixa de ser uma mera questão de vaidade e futilidade para se tornar uma questão de saúde e moralidade, sendo o corpo gordo e o corpo velho vistos como desleixados, indisciplinados, falhos, em um processo de responsabilização cada vez maior do indivíduo pelas próprias saúde e felicidade. Nas palavras da autora, "a estética aqui vem acoplada à ética envolvida na luta para sentir-se bonita, com boa aparência, como parte da obrigação moral de sentir-se bem e portar-se de uma determinada maneira no mundo" (p.119). A cirurgia plástica acaba sendo um modo de revelar o eu verdadeiro, antes escondido sob um corpo inadequado, ou, então, fabricá-lo através da transformação da própria identidade (com diz uma paciente, "tornei-me outra pessoa").

Ainda que se deva levar em conta que se trata de um livro fruto de uma pesquisa de mestrado e, portanto, com todas as limitações de tempo, espaço e objeto que isso implica, a etnografia ganharia ainda mais fôlego analítico se a bibliografia tivesse sido mais ampla e mais generosa aos estudos sobre gênero e sexualidade, principalmente. Se, por um lado, uma discussão bibliográfica mais enxuta trouxe dinamismo e fluidez ao texto, com capítulos breves e linguagem leve, deixou de lado autores e estudos importantes para a compreensão do tema. Destacaria as contribuições de Foucault sobre a relação entre saber e poder na sexualidade e no corpo através do discurso médico, de Laqueur sobre a desnaturalização dos sexos e a categoria "dimorfismo sexual", de Anne Fausto-Sterling sobre a "mitologia do normal" que formata corpos, sexualidades e relações de gênero, entre outras que poderiam ter tornado a análise mais densa.

Um dos méritos do livro, além do já mencionado olhar para um contexto normalmente negligenciado nos estudos sobre cirurgia plástica e trazer, com isso, uma nova perspectiva para o tema, é ter levado em conta o ponto de vista dos pacientes através da análise de suas narrativas, o que ainda é pouco usual nos estudos sobre saúde, doença e medicina. Fazer essa análise permitiu perceber as possibilidades de manobras, conflitos e negociações de valores pelos sujeitos envolvidos, além de relativizar os discursos oficiais e hegemônicos.

Em um país que ocupa a segunda posição no ranking mundial de cirurgias plásticas, O psicólogo com o bisturi na mão é um convite para a reflexão e a sensibilidade que o tema nos exige, mostrando como corpos se posicionam diferentemente para homens e mulheres, pobres e ricos, jovens e velhos.

Resenha de TOCHIO, Andrea. O psicólogo com o bisturi na mão: um estudo antropológico da cirurgia plástica. São Paulo, Annablume, Fapesp, 2012. Recebida para publicação em 13 de março de 2013, aceita em 30 de abril de 2013.

1A prioridade do HC/Unicamp é por cirurgias reparadoras - que envolvem aspectos relacionados à saúde, com sintomas próprios de doenças como dores, tendo como exemplos deformidades causadas por acidentes, queimaduras e casos de ex-obesos que fizeram a cirurgia de redução do estômago. Porém, segundo dados da pesquisa de campo realizada pela autora, de cada 60/80 pacientes por dia, 30 são de estética. Ainda que os residentes defendam a prioridade das cirurgias reparadoras, reconhecem ser importante a realização de cirurgias estéticas como aprendizado, uma vez que, em consultórios particulares, a estética corresponde a 90/95% dos casos.

2Tochio conta o caso de uma mulher que queria reduzir as mamas, alegando ser em razão das fortes dores na coluna. Quando o residente sai da sala de consulta para discutir o caso com o médico, ficando apenas a paciente e a pesquisadora, aquela admite que o motivo é estético, ou seja, queria fazer a cirurgia para ficar mais bonita e reconquistar o marido. A paciente pede para a pesquisadora não comentar sobre o verdadeiro motivo com o residente, temendo que a cirurgia fosse negada.

3Entre as mulheres, as cirurgias mais procuradas foram a mamoplastia (redução das mamas) e a abdominoplastia (remoção do excesso de pele e de gordura da parte inferior do abdômen), sendo a maioria considerada estética.

44 A autora mostra que, por se tratar de um serviço público e gratuito, a cirurgia é vista quase como um prêmio, sendo sua realização mais importante do que a parte do corpo que sofrerá a intervenção. Além disso, há muitos casos de pacientes que, depois de uma cirurgia, retornam para fazer outra em nova parte do corpo, e de pacientes que, numa mesma consulta, pedem a realização de mais de uma cirurgia.

Referências bibliográficas

CORREA, Mariza. Fantasias corporais. In: PISCITELLI, GREGORI & CARRARA (orgs). Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro, Garamond, 2004, pp.173-182. [ Links ]

CSORDAS, T.J. Introduction: the body as representation and being in the world. In: Embodiment and Experience: The existencial ground of culture and self. New York, Cambrigde Univesity Press, 1996, pp.1-24. [ Links ]

DEBERT, Guita Grin. A cultura adulta e juventude como valor. Paper apresentado no ST13 Imagens da Modernidade: Mídia, consumo e relações de poder, na XXVIII Reunião da Associação Brasileira de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, realizada em Caxambu (MG), de 26 a 30 de outubro de 2004. [ Links ]

EDMONDS, A. No universo da beleza: notas de campo sobre cirurgia plástica no Rio de Janeiro. In: Goldemberg, Miriam (org.). Nu e vestido, R.J, Record, 2002, pp.189-261. [ Links ]

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.