SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 issue2Edmund Leach: an anthropological life author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Mana

Print version ISSN 0104-9313

Mana vol.8 no.2 Rio de Janeiro Oct. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132002000200015 

RESENHAS

 

Jorge Mattar Villela

Doutorando, PPGAS-MN-UFRJ

 

 

WACQUANT, Loïc. 2002. Corpo e Alma ­ Notas Etnográficas de um Aprendiz de Boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 294 pp.

Não se paga necessariamente o preço da platitude quando se adota o estilo ligeiro e sedutor da escrita. Esta fórmula prosaica poderia estar gravada no pórtico do livro de Loïc Wacquant. Corpo e Alma ­ Notas Etnográficas de um Aprendiz de Boxe é a etnografia de um ginásio de boxe realizada após um período de três anos de trabalho intensivo de campo em Woodlawn, comunidade afro-americana de baixa renda na cidade de Chicago. Constituído por três textos independentes ­ mas indissociáveis uns dos outros, tal como enfatiza o autor na apresentação ­, o livro é daqueles que podem ser lidos em diversos níveis de profundidade, segundo o interesse específico de cada leitor, apresentando um caráter, por assim dizer, pluridimensional. Portanto, embora esteja claramente incluído no gênero da etnografia, o livro não é restrito a um público de cientistas sociais e muito menos ao dos antropólogos. O estilo do autor possibilita aos não especialistas um mergulho em uma realidade social que não a sua própria, abrindo portas para o contato com o gênero etnográfico. Sua leveza, contudo, não força a análise a abdicar de sua profundidade e tampouco a descrição a abrir mão de sua densidade.

Por outro lado, para os iniciados, Corpo e Alma estimula a reflexão e a renovação de temas clássicos do domínio antropológico, tais como a "produção do corpo", a "observação participante" e as "relações interétnicas", as relações entre o microcosmo com o macrocosmo, por exemplo. Ao mesmo tempo que retoma tópicos canônicos, as abordagens são vastamente inovadoras.

Veja-se o caso do trabalho de campo. Desnecessário ressaltar o aspecto quase coextensivo existente entre permanência em campo e a constituição da antropologia. Sua afinidade é tal que, desde as últimas décadas do século XIX, mesmo quando não era considerado fator caracterizante do ofício do antropólogo, o trabalho de campo começava a minar os antigos métodos do evolucionismo sociocultural, invadindo os interesses dos próprios antropólogos evolucionistas, produzindo etnógrafos cada vez mais aptos a se assenhorar de seus dados, publicando seus próprios resultados. É bem verdade que alguns antropólogos do final do século XX puseram em crise a observação de campo, colocaram-na entre parênteses como objeto mesmo de reflexão e de dúvida. É verdade, também, que atualmente ela sofre ameaças mais poderosas, porque mais silenciosas e invisíveis, que a diluem e confundem com outros métodos de pesquisa.

O texto de Loïc Wacquant apresenta uma novidade, patente já no subtítulo. Nele, o observador que descreve se insere ele próprio como objeto e sujeito da observação. As notas etnográficas são, ao mesmo tempo, as de um antropólogo em trabalho de campo e as de um aprendiz de boxeador. Além disso, o etnógrafo elimina a tradicional clivagem entre o "estar lá" da observação e o "estar aqui" da redação descritiva/tradutora. Ao lançar mão de longas passagens de seu caderno de campo, o autor simultaneamente impede-se de falar em nome dos outros e transforma a observação em ato descritivo. Inverte a fórmula tradicional "observação participante", tornando método a já levantada hipótese de uma "participação observante". Portanto, o observador torna-se um experimentador; a experimentação, um meio a serviço da observação.

Na antropologia, os métodos rendem-se com freqüência, e com resultados positivos, ao objeto que se procura conhecer. Ao definir o aprendizado do boxe, Loïc Wacquant mostra que seu processo se fixa na "fronteira do que é dizível" (:60), não é constituído pela transmissão de noções, que suporia a existência de modelos normativos independentes de sua execução (:61). Por isso, fazer ciência do boxe, esta "arte social", exige que "mergulhemos nele como pessoa, que nele se faça a aprendizagem e que se viva as principais etapas desde o interior" (:60). Para Wacquant, o boxe é uma prática por excelência, segundo a definição proposta por Pierre Bourdieu (:60). Seria possível dizer, com certa licença, que se trata de um desses processos formadores do que Henri Bergson chamava de "memória contração", funcionando para além ou aquém da reflexão racional e do domínio da consciência. Ou seja, algo em que aos atos e às práticas não corresponde nenhuma experiência a eles transcendente; é uma prática cuja lógica "só pode ser apreendida na ação" (:120).

Misturando observação e experimentação, campo e transformação, Corpo e Alma trata do processo de produção não apenas do corpo do boxeador, mas também de seu espírito, de um aparelho sensório-motor modificado por práticas cotidianas minuciosas, invisíveis, contínuas, ao mesmo tempo individuais e coletivas, cujos efeitos são imperceptíveis a olho nu. Ou para usar as palavras de Wacquant, "esta natureza particular que resulta do longo processo de inculcação do habitus pugilístico" (:119). Esse é o entroncamento onde emergem as mais interessantes reflexões que o livro traz. Tratado muitas vezes como objeto natural, desde que Marcel Mauss o tornou interessante para as Ciências Sociais, o corpo, na obra de Loïc Wacquant, não é exatamente o alvo de uma progressiva culturalização, mas de uma "remodelação" através das práticas disciplinares do gym (:31). É preciso reconhecer que Wacquant não esclarece esse ponto e oscila entre o corpo desnaturalizado e o corpo como objeto natural, conforme a definição de Mauss, entre a remodelação e a culturalização do corpo. Modeladoras ou remodeladoras, as práticas do ginásio possibilitam uma "conversão perceptual, emocional e mental que se efetua sobre um modo prático e coletivo, sobre a base de uma pedagogia implícita e mimética [...] que pacientemente redefine um a um todos os parâmetros da existência do boxeador" (:23). De todo modo, o gym, espaço liminar, "antídoto da rua" (:275), é essa "usina", esse local "onde se fabricam estas mecânicas de alta precisão que são os boxeadores" (:273).

As descrições analíticas da produção do corpo culminam quando o "aprendiz de boxeador" sobe no ringue para disputar "o maior torneio amador do Meio-Oeste" (:25), o Golden Gloves, o tema do último dos três textos que compõem Corpo e Alma. Local das misturas, o relato da entrada de "Busy" Louie no ringue conjuga observador, experimentador e observado, observação, descrição e narração, sem solução de continuidade (:271-293).

A fronteira entre natureza e cultura não é a única posta em questão e reflexão pelas análises de Loïc Wacquant. Para ele, a produção do boxeador para o "mais individual dos esportes" só é possível através de práticas coletivas, e "oferece uma superação em ato da antinomia entre o individual e o coletivo" (:35), embora em certos casos hesite entre a superação da dicotomia e sua admissão: "o paradoxo de um esporte ultra-individual cuja aprendizagem é completamente coletiva" (:120, ênfases no original). De modo que, ao menos no vocabulário utilizado e nos referenciais teóricos, em diversas passagens, coletivo e individual permanecem em estado de mistura, mas como entidades distintas. O gym continua essencializado, assim como o corpo sobre o qual ele trabalha, funcionando como "comunidade moral", como "sistema de crenças e de práticas" ao modo de Durkheim, conforme citação do próprio autor (:120).

Quanto ao meu elenco de virtudes desta obra, embora mais ou menos evidente, não será ocioso lembrar que ela é um exemplo rico de como a antropologia e, sobretudo, o gênero etnográfico é, ou pode ser em certos casos, um poderoso agente desmistificador de um determinado universo social cujos resultados finais são intensamente difundidos. Os boxeadores profissionais são midiatizáveis o que provoca um sem-número de discursos sobre o boxe de cunho e objetivos jornalísticos e sensacionalistas. Disso o autor fornece diversas referências ao longo do texto. No caso específico de Corpo e Alma, o alvo da desmistificação é ligeiramente diferente do que aparece em um artigo anteriormente publicado em Mana (2000). Lá, Loïc Wacquant mostra o mundo dos boxeadores (apresentado por eles mesmos) como sendo extremamente negativo. O boxeador como o explorado, como um jogador da loteria, constantemente comparado a um animal de corte, a uma prostituta, a uma vítima do vampirismo dos empresários. Nos artigos que compõem Corps et Âme, o autor apresenta-nos o boxe como um meio de fugir da realidade da rua, como uma possibilidade, como uma arma contra a delinqüência. Da formação do boxeador ­ inculcação da disciplina, remodelação espiritual, física e mental ­ ao boxeador profissional, altera-se a relação entre o microcosmo e o macrocosmo.

Descrição etnográfica, análise sociológica e experiência literária, Corpo e Alma possibilita ainda ao leitor livrar-se dos clichês e do imaginário prêt-à-porter criado em torno do universo do boxe.