SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número2TAUSSIG, Michael. 2012. Beauty and the beast índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Mana

versão impressa ISSN 0104-9313

Mana vol.19 no.2 Rio de Janeiro ago. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132013000200012 

RESENHAS

 

ZELIZER, Viviana A. 2011. A negociação da intimidade. Coleção Sociologia. Tradução de Daniela Barbosa Henriques. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. 310 pp.

 

 

Camila Fernandes

Doutoranda PPGAS/ Museu Nacional/ UFRJ

 

 

A partir de um forte diálogo entre sociologia e economia, Viviana Zelizer apresenta A negociação da intimidade, um livro que desnuda as interconexões de atividades econômicas e relações de intimidade. Empréstimos de pais para filhos, presentes entre namorados, cônjuges e parceiros sexuais, ajuda remunerada nos cuidados de uma criança, disputa de herança entre filhos, transferência de dinheiro entre médicos e pacientes, relações afetivo-sexuais que conjugam dinheiro e companhia: uma miríade de situações expressas nos eixos do cuidado, da união e das famílias matiza o olhar de Viviana Zelizer.

Traduzido em 2011 e originalmente publicado em inglês com o título The purchase of intimacy (2005), o livro, em primeiro lugar, questiona a crença de que a vida humana se realiza em esferas separadas, nomeadas pela autora de "mundos hostis", que segregam amor e dinheiro, sexo e romance, trabalho e favores, no receio de que uma força contamine e/ou corrompa a outra. Tal esforço disjuntivo, que aqui é o foco da crítica, repousa nos pressupostos da economia neoclássica, a qual, por sua vez, distingue produção de reprodução, em uma batalha classificatória que nomeia aquilo que gera e o que não gera "valor de mercado". A par com esta primeira crítica central, a autora ainda aponta outros binarismos que cegam o colorido das interações, tais como: formal versus informal, impessoal versus pessoal, público versus privado. É no desvio destas conhecidas oposições que Zelizer empreende sua análise e se concentra na transferência de bens, nos fluxos, nos usos do dinheiro e nas formas de pagamentos em conexão com diversas situações cotidianas e, sobretudo, íntimas.

É bom salientar antes de qualquer coisa que, ao falar de intimidade, não estamos tateando um sentido e um significado unívocos, mas antes nos situando diante de diferentes modos de se viver e de se gozar de intimidade, variantes em suas múltiplas qualidades morais, conflituosas e emocionais. O livro, portanto, refuta a acepção de intimidade quando somente relacionada à autenticidade e ao bem-estar. Uma antropologia desta intimidade polifônica ganha, assim, novo fôlego para prosseguir.

O seu chão empírico se estrutura desde a análise de processos judiciais no contexto norte-americano dos séculos XVII, XIX até situações mais recentes, como o evento do "11 de Setembro". Trata-se de situações de litígios, disputas, transmissão de heranças, indenizações, negociações entre patrões e empregadas, familiares, ex-cônjuges, cuidadores e beneficiários de cuidados. Ao analisar os desencadeamentos dos processos de justiça, Zelizer descortina a linguagem moral presente na narrativa dos atores e dos especialistas do Direito na atividade de analisar, julgar e criar categorias em face da vida cotidiana. Entretanto, o livro não se situa apenas na interface de leis e práticas, mas inclui também a análise de relatórios de indenizações de vítimas, consultorias sobre administração financeira e relacionamentos ético-profissionais. Nesta arena de disputas sociais "que transpiram vida", fica evidente a tensão entre relacionamentos considerados legítimos e ilegítimos. A suspeição acerca da transferência de bens, dinheiro e patrimônio é sempre suscetível a uma especulação sobre a verdade das relações, logo, sobre sua natureza, pureza e autenticidade.

Entretanto, Zelizer aposta que, além de divisões, existe igualmente a coexistência de fluxos econômicos e íntimos que, em diversas situações, se complementam, se apoiam e engendram relações viáveis e ajustáveis, como partilhamento de cuidados, assistência a membros da família, distribuição de recursos, posições e ganhos profissionais – toda sorte de relações que exprimem uma base de confiança em que a ruptura dos laços prejudicaria não apenas a díade inicial, mas também os demais observadores e terceiros (aqui vale lembrar a fórmula de Georg Simmel). É verdade, portanto, que nesse entrelaçamento existem desconfortos possíveis. Gerir atividades econômicas junto a relações íntimas não é ação que esteja livre de constrangimentos, requerendo negociações, defesas, controles e crenças reveladores de poderes estruturadores de comportamentos.

É nesse sentido que a ideia de "trabalho relacional" é chave para a compreensão desses processos, sendo ao mesmo tempo uma atividade feita pelos agentes na composição de mundos híbridos que não desmerecem a preocupação das pessoas em separar uma coisa da outra e, também, um dispositivo analítico fecundo para acompanhar como as pessoas realizam seus mundos misturados e/ou apartados. É no trilhar deste como que o livro tem o seu ponto alto, ao oferecer possibilidades para destrinchar em que condições as pessoas organizam os seus sentimentos em conjunto com práticas econômicas e, em especial, com fluxos de dinheiro e pagamentos.

Nesse sentido, o livro abre uma janela para pensar situações contemporâneas envolvidas ainda em interditos classificatórios, controvérsias e estigmas, a saber, o trânsito de afeto e economia nas uniões estáveis, nas famílias recompostas, nos filhos de outras uniões e nas relações e famílias homoafetivas. Falar destas transações traz à tona um tema clássico da antropologia, aquele relativo às obrigações mútuas derivadas das relacionalidades que as pessoas criam, recriam e refazem.

Aliás, não se trata apenas da inserção do dinheiro nas relações íntimas, mas antes da forma como ele é usado, do meio de negociação e do sentido e da propriedade atribuídos a este agente. Importa acompanhar em que situações as pessoas combinam transações econômicas e relações íntimas e que consequências derivam dessas escolhas e/ou obrigações. Ademais, a proposta consiste em levar a sério as narrativas de justificação para o apartamento ou a fundição das "vidas conexas", e que tipo de linguagem é plausível em determinados contextos íntimos atravessados por pagamentos e usos de dinheiro. Este é, sem dúvida, mais um dos exercícios que o livro nos propõe.

A obra de Zelizer não deixa de reavivar duas outras publicações suas: The social meaning of money e Princing the childless, leituras presentes nas bordas das páginas e que conformamumsolo seguroparaa apresentação dasideias aqui evocadas.Também é evidente a contribuição deste livro (como outras obras da autora) para aqueles que se interessamporrelaçõesdecuidado,aquelas relativas ao "ficar com" alguém. Ora, em meio a afirmações sobre a forma como processos de globalização solapam atividades de cuidado ou denúncias sobre "a crise do care", estes estudos revelam justamente o contrário, que é na atualidade de fluxos migratórios e de instabilidade econômica que remessas de dinheiro entre países pobres e ricos são movimentadas e que o trânsito de pessoas se dá tendo como um dos pontos de tensão as relações íntimas, de cuidados e de "ajudas".

Podemos então nos perguntar para que serve, afinal, a ilusão de que o pagamento de cuidados corrompe a esfera idealizada e afetiva das obrigações familiares? Pensar um lugar no qual o Estado, através de suas administrações, vai ou não se responsabilizar pelo cuidado de crianças, doentes e idosos é o grande grito de sociedades atentas aos meios de distribuição entre usos do tempo, trabalho, gênero, classe e geração. O reconhecimento das atividades de cuidados na vida cotidiana é aquilo que permite encontrar o seu valor nas relações. E o pagamento do trabalho de cuidar, em muitas situações, não deteriora relações afetivas, sentimentais e de proximidade, ao contrário, possibilita o encontro de ajustes menos assimétricos.

Não é a toa que o terreno empírico para desconstruir certos tabus é o da prostituição. Para Zelizer, nem todos os encontros de pagamentos com atividades sexuais, trocas e exercício da afetividade são expressões de mercantilização. De dominação ao fim e ao cabo. O livro interroga, pois, esta afirmação enquanto absoluta. Amor e sexo como entidades opostas operam para fins de manutenção do ideário romântico. O sexo mediado por dinheiro, visto puramente como violência ou comércio, ofusca a existência de muitas formas de agenciar o corpo que não se resumem somente à sexualidade. Entretanto, o argumento não cede a um relativismo culturalista acerca das distintas noções e usos das corporalidades, e lembra que existem, sem dúvida alguma, determinados contextos e práticas sociais nas quais relações sexuais e de prostituição estão sujeitas à exploração, às desigualdades e a inúmeras violências. É nesse sentido que algumas divisões ainda são importantes, a exemplo das situações de "assédio sexual" tão silenciadas em contextos profissionais. Em suma, ao dar lugar a outros sentidos da experiência humana nos quais nem tudo passa por dominação e corrupção moral, o pensamento de Zelizer não pretende negar tais realidades, mas antes complexificá-las.

Finalmente,se no cenário político e jurídico internacional é cada vez mais crescente a aglutinação de coletivos que se agenciam em torno de direitos e reivindicam indenizações – como vítimas de guerras, da transmissão de doenças entre países (como é o caso do cólera no Haiti), de ataques como o "11 de Setembro",deimpactosambientaisdegrandesobrasouacidentesquímicosprovocados por indústrias multinacionais – a entrada do dinheiro como forma de compensação de uma dor e de um dano causado não pode apenas ser apreendida a partir da visão do ganho e do lucro mas, ao contrário, serve para imaginar que tipos de restituições e compensações podem ser feitas através e além do dinheiro.

É verdade que a leitura do livro é capaz de suscitar críticas, que o argumento de Zelizer pode parecer um manifesto contra as divisões tão fundamentais à permanência de certas estruturas, que as relações são resumidas a uma esfera do "pague e leve", e que amor, sentimentos, trocas e solidariedades sempre são passíveis de ser capturados como mercadoria dentro de uma Grande Economia que corrompe laços sociais eminentemente puros. Porém, os exemplos evocados no livro evidenciam que a entrada do dinheiro em muitas situações não anula nem corrompe as relações sociais, e que a força de combinações não pagas, de ajudas e reciprocidades é sempre viva e atuante.

É por estes motivos que temos agora traduzido para a língua portuguesa um livro corajoso que não deixa de exprimir um tom político: o de dizer que dádivas coexistem com atividades econômicas em muitos recantos do globo, não sendo de modo algum presas fáceis do utilitarismo, do espírito calculista e racional. Aliás, o argumento vai ao encontro dos ensinamentos de Alain Caillé e do MAUSS (Movimento Antiutilitarista nas Ciências Sociais) em seus múltiplos exemplos de recomposição do mundo através de matrizes relacionais de dádiva. Resta à antropologia acompanhar o como as pessoas fazem suas divisões, combinações e misturas, tarefa mais do que empolgante para todos aqueles que desejam se aventurar na potência dos "mundos conexos".

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons