SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue1Effect of hydrothermal treatment of mango fruits on larval mortality of Ceratitis capitata (Wied.) (Diptera: Tephritidae)Diabrotica speciosa (Coleoptera: Chrysomelidae) oviposition preference in different soil types and soil humidities author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Anais da Sociedade Entomológica do Brasil

Print version ISSN 0301-8059On-line version ISSN 1981-5328

An. Soc. Entomol. Bras. vol.29 no.1 Londrina Mar. 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S0301-80592000000100018 

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

 

Identificação através de PCR dos genes CryI de cepas de Bacillus thuringiensis Berliner eficientes contra a lagarta do cartucho, Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae)

 

PCR identification of Cry I genes in Bacillus thuringiensis strains that are efficient against fall armyworm Spodoptera frugiperda (J.E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae)

 

 

Fernando H. Valicente; Marliton R. Barreto; Maria J. V. de Vasconcelos; José E.F. de Figueiredo; Edilson Paiva

Núcleo de Biologia Aplicada, Embrapa Milho Sorgo, Caixa postal 151, 35701-970, Sete Lagoas, MG

 

 


ABSTRACT

Fall armyworm, Spodoptera frugiperda (J. E. Smith), is the most important maize insect pest in Brazil and its damage can reduce yield up to 34%. The objective of this work was to utilize the PCR technique to Identify Bacillus thuringiensis (B.t) strains that control S. frugiperda in maize crops. Bioassays showed that 16 strains were very effective against S. frugiperda, 15 of them collected from soil samples and one (T09) obtained at the Institute Pasteur. The DNA of these strains were probed with cryI general primers and their proteins were analised by SDS-PAGE eletrophoresis. All strains present positive results for cryI genes. To further characterize these strains, specific cryI primers were employed. PCR technique showed that some strains harbour the same cryI genes. The only difference was the amplification of an unexpected fragment of approximately 160bp when a mixture of cryIB and cryID specific primers was used. Analysis by phase contrast microscope showed that crystal proteins produced by these strains were all bipyramidal crystals. Also, eltrophoretic analysis of proteins by SDS-PAGE showed the same protein banding pattern for most of the strains.

Key words: Insecta, cryI genes, biocontrol, fall armyworm.


 

 

Bacillus thuringiensis é uma bactéria gram positiva que ocorre naturalmente no solo, água, insetos mortos e ambientes onde se armazenam grãos (Lambert & Peferoen, 1992). Durante a fase de esporulação o B. thuringiensis produz um esporângio que contém um endosporo e inclusões protéicas cristalinas (d-endotoxinas) que são tóxicas para um grande número de insetos. Estas proteínas podem perfazer até 1/3 do total de proteínas da célula (Herrnstadt et al. 1986). As delta endotoxinas são sintetizadas na forma de pró-toxinas que quando ingeridas pelo inseto são solubilizadas e convertidas proteoliticamente em fragmentos tóxicos de aproximadamente 650 aminoácidos. Esses fragmentos ligam-se especificamente, e com alta afinidade, a receptores protéicos na membrana das células epiteliais do intestino, criando poros na membrana celular. Essas lesões levam ao dilatamento e lise do epitélio intestinal, causando a morte do inseto (Gill et al. 1992, Lambert & Peferoen 1992, Visser et al. 1990, Li et al. 1991).

As toxinas do B. thuringiensis são codificadas pelos genes cryI, cryII, cryIII, cryIV, cryV e cytA. A classificação destes genes está relacionada com a atividade biológica dos seus produtos. Deste modo, as toxinas codificadas pelos genes cryI são tóxicas para lepidópteros, cryII para dípteros e lepidópteros, cryIII para coleópteros, cryIV para dípteros e cryV para nematóides (Gill et al. 1992, Koziel et al.1993, Cerón et al. 1995).

O método da PCR (Polymerase Chain Reaction Reação da Polimerase em Cadeia) tem-se mostrado uma ferramenta poderosa na detecção de genes com ação inseticida específicos em diferentes cepas de B. thuringiensis (Carozzi et al. 1991, Bourque et. al. 1993, , Cerón et al. 1994, Cerón et al. 1995). A PCR também tem mostrado grande potencial na identificação de novos genes cry, como relatado por Kalman et al. 1993, que a usou para identificar genes cryIC.

A lagarta do cartucho do milho, Spodoptera frugiperda (J.E. Smith) é uma das principais pragas da cultura do milho e pode causar danos de até 34% na produção de grãos (Carvalho 1970, Cruz 1996). O controle desta praga é feito basicamente com inseticidas químicos, sendo que o controle através do uso de patógenos pode se tornar uma alternativa viável. Krieg & Langenbruch (1981) relatam que a lagarta do cartucho pode ser controlada por B. thuringiensis (sorovariedades thuringiensis e kurstaki), mas não informam a percentagem de mortalidade das larvas. Do mesmo modo, Hernandez (1988) relata que B. thuringiensis var. kenyae e var. tolworthi causaram mortalidade de 100% em lagartas de S. frugiperda, em duas doses testadas. Entretanto, Beegle & Yamamoto (1992) afirmam que Spodoptera spp. não é afetada por B. thuringiensis do mesmo modo que outras pragas, tais como: Trichoplusia ni e Heliothis virescens. O objetivo deste trabalho foi detectar dentre as cepas de B. thuringiensis que causam mortalidade acima de 75% (eficientes) em lagartas de S. frugiperda, aquelas que contenham os genes cryI, através da técnica da PCR.

Biensaios: A partir do isolamento de bactérias que possuíam esporos e cristais de B.thuringiensis, prepararam-se suspensões com bactérias em 5 ml de água destilada, que foram aplicadas em pedaços de dieta artificial. As lagartas, juntamente com a dieta inoculada, foram colocadas individualmente em copos descartáveis de 50 ml, tampados com tampas de acrílico. Foram utilizadas 24 lagartas, de dois a três dias de idade, criadas em laboratório, por cepa de B. thuringiensis. Avaliações, diárias, foram realizadas para constatação da mortalidade de lagartas infectadas por B. thuringiensis. Durante os bioensaios, as lagartas permaneceram sob temperatura ambiente.

As lagartas infectadas foram armazenadas sob temperatura ambiente e, diariamente, avaliações foram realizadas para constatação da mortalidade das mesmas. Foram utilizadas 24 lagartas, de dois a três dias de idade e criadas em laboratório, por cepa de B. thuringiensis.

Cepas bacterianas: As cepas de B.t. 344, 348, 426, 460, 461 A, 462 A, 474, 520 A, 520 B, 566 BPR, 566 BLR, 7 A, 7 A*, 7 B1, 7 B8, 701, 702, 734 e 739 foram isoladas, de amostras de solo coletadas em diversas regiões do Brasil, no laboratório de controle biológico do Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo da Embrapa, localizado em Sete Lagoas, MG. A cepa T09, cedida pelo Instituto Pasteur (França) e as cepas HD 73 e HD 125, cedidas pela UNAM (México), foram usadas como controle.

Primers para uso em PCR: Os primers utilizados neste trabalho foram os mesmos descritos por Cerón et al. 1994 e Cerón et al. 1995. Foram utilizados primers gerais (Carozzi et al. 1991) para detectar genes cryI e depois, para uma caracterização mais aprofundada, foram utilizados primers específicos para os mesmos genes, que são os específicos para lepidópteros.

Preparação da amostra e PCR: As cepas de B. thuringiensis foram crescidas por 12 horas em placas de Petri contendo ágar nutriente. Uma alçada de bactérias de uma simples colônia foi transferida para 100ml de água milliQ e a mistura foi deixada no freezer a - 80ºC por 15 minutos e imediatamente após, colocada em água fervente por 10 minutos. Após este período, 5ml foram usados como a amostra de DNA na mistura. Na mistura final de 50ml para o uso no termociclador, foram usados 2,5U da enzima Taq DNA polimerase, 0,1 a 0,5mml de cada um dos primers usados na reação e 2,5mM de cada um dos quatro desoxynucleosídeos trifosfatos (dNTP´s). A amplificação foi realizada em termociclador usando uma etapa de desnaturação única (2 minutos a 95ºC), seguida de 30 ciclos (cada ciclo composto por uma fase de desnaturação a 95ºC por 1 min., uma de hibridação a 48ºC por 1 min. e uma extensão a 72ºC por 1 min.). A temperatura de hibridação para o primer cryIAb foi de 48ºC, para cryIB e cryID foi de 56ºC e para os primers cryIE e cryIF foi de 57ºC. Foi também realizado uma extensão final a 72ºC por 5 min. Um total de 15 ml de cada mistura da PCR foi usado em gel de agarose a 3% em buffer 0,5 x Tris-borato, a 100V por 180 a 210 min. e, coradas com brometo de etídeo.

Biensaios: Das 23 cepas utilizadas no experimento, 15 apresentaram percentual de mortalidade superior a 75% e foram consideradas eficientes. Duas delas (734 e 739), somente utilizadas nas análises de proteínas dos cristais, apresentaram 0% de mortalidade quando administradas a lagartas de S. frugiperda. As cepas 7A e 7A* apresentaram percentual de mortalidade médio de 4,4%. No grupo controle, as cepas T09, T09 P foram consideradas eficientes e as cepas HD 73 e HD 125, apresentaram índice de mortalidade de 31 e 65,2%, respectivamente (Tabela 1).

 

 

Uso de primers gerais para genes cryI: A técnica da PCR foi utilizada para detectar as cepas que continham os genes cryI. Para tal, foi usado um par de primers que continham seqüências dos genes cryI. O tamanho esperado dos produtos gerados pela PCR variavam de 272 a 290 pb. Os resultados visualizados em gel de agarose (Fig. 1), mostraram resultado positivo para genes cryI para as cepas 344, 348, 426, 460, 461A, 462A, 474, 520A, 520B, 566 BPR, 7A, 7B8, T09, e testemunhas HD 73 e HD 125 (Tabela 2).

 

 

Uso de primers específicos para detecção de genes cryI: Foram usadas misturas de primers para amplificar regiões específicas dos genes cryIA a cryIF. A análise permitiu identificar genes específicos cryI, em cada cepa de B. thuringiensis, com base no tamanho do produto final da PCR para cryIAb foi de 216 pb, para cryIB foi de 367 pb, para cryID foi de 290 pb, para cryIE foi de 147 pb, para cryIF foi de 177 pb. Conforme observado na Tabela 2, as cepas 344, 426, 461A, 520B, T09, T09P, 7A e HD125 apresentaram amplificações positivas para os mesmos primers (cryIAb, cryIB, cryID e cryIE). Na Fig. 1, observa-se, também, que a maioria da cepas apresentou resultado positivo para cryIAb, cryIE, poucas para cryIB e cryID e nenhuma para cryIF.

Houve a amplificação de um fragmento, não esperado, de aproximadamente 160 pb, quando foi usada a mistura dos primers cryIB e cryID (Fig. 1). Todas as cepas trabalhadas apresentam os genes cryIAb, cryIB, cryID e cryIE, mas não foram encontrados os genes cryIC e cryIF. De acordo com a literatura, os genes cryID e cryIC são os mais tóxicos para lagartas de S. frugiperda (Cerón et al. 1995). Entretanto, de acordo com Bohorova et al. (1997) os genes cryID, cryIE e cryIF são mais eficientes no controle de S. frugiperda, resultado este obtido em bioensaios realizados no CIMMYT/México (Centro Internacional de Melhoramento de Milho e Trigo). A amplificação de um fragmento não específico com cerca de 160 pares de bases, é de tamanho superior ao gene cryIC.

 

Agradecimentos

Os autores agradecem ao convênio PRONEX/FINEP - Projeto: Biologia Molecular e Celular no Melhoramento de Milho Tropical, pelo apoio financeiro.

 

Literatura Citada

Bai, C. S-X.Yi & D. Degheele. 1992. The comparative potency of commercial Bacillus thuringiensis formulations to larvae of Spodoptera exempta (walker) (Lepidoptera: Noctuidae). Parasitica. 48: 35-42.         [ Links ]

Beegle, C.C. & T. Yamamoto. 1992. Invitation paper (C. P. Alexander Fund): History of Bacillus thuringiensis Berliner Research and development. Can. Ent. 124: 587-616.         [ Links ]

Bohorova, N. , M. Cabrera, C. Abarca, R. Quintero, A.M. Maciel, R.M. Brito, D. Hoisington & A. Bravo. 1997. Susceptibility of four tropicalmaize pests to Bacillus thuringiensis CryI-type insecticidal toxins. Biol. Microbiol. Cont. 90: 412-415.         [ Links ]

Bourque, S. N. , J. R. Valero, J. Mercier, M.Lavoie & R. C. Levesque. 1993. Multiplex polymerase chain reaction for detection and differentiation of the microbial insecticide Bacillus thuringiensis. Appl. Environ. Microbiol. 59:523-527.         [ Links ]

Carozzi, N.B. , V.C. Kramer, G.W. Warren, S. Evola & M.G. Koziel. 1991. Prediction of insecticidal of Bacillus thuringiensis strains by polymerase chain reaction product profiles. Appl. Environ. Microbiol. 57:3057-3061.         [ Links ]

Carvalho, R.P.L. 1970. Danos, flutuação da população, controle e comportamento de Spodoptera frugiperda (J.E. Smith) e susceptibilidade de diferentes genotipos de milho em condições de campo. Piracicaba, Brasil, ESALQ, 170p. (Tese de Doutoramento).         [ Links ]

Cruz, I., L.J. Oliveira, A.C. Oliveira & C.A. Vasconcelos. 1996. Efeito do nível de saturação de alumínio em solo ácido sobre os danos de Spodoptera frugipereda (J. E. Smith) em milho. An. Soc. Entomol. Brasil 25:293-297.        [ Links ]

Cerón, J. A. Ortiz, R. Quintero, L. Güereca & A. Bravo. 1995. Specific PCR primers directed to identify cryI and cryIII genes within Bacillus thuringiensis strain collection. Appl. Environ. Microbiol. 61:3826-3831.         [ Links ]

Cerón,J. L. Covarrubias, R. Quintero, A. Ortiz, M. Ortiz, E. Aranda, L. Lina & A. Bravo. 1994. PCR analysis of the cryI insecticidal crystal family genes from Bacillus thuringiensis. Appl. Environ. Microbiol. 60:353-356.         [ Links ]

Gill, S.S.; E. A. Cowles & P.V. Pietrantonio. 1992. The mode of action of Bacillus thuringiensis. Ann. Rev. Entomol. 37: 615-636.         [ Links ]

Hernandez, J.L.L. 1988. Évaluation de la toxité de Bacillus thuringiensis sur Spodoptera frugiperda. Entomophaga 33:163-171.         [ Links ]

Herrnstadt, C., G.G. Soares, E.R.Wilcox & D.L. A. Edwards. 1986. New Strain of Bacillus thuringiensis with activity against Coleopteran Insects Biotech. 4: 305-308.         [ Links ]

Kalman, S., K.L. Kiehme, J.L. Liebs & T. Yamamoto. 1993. Cloning of a novel cryIC-type gene from a strain of Bacillus thuringiensis subsp. galleriae. Appl. Environ. Microbiol. 59:1131-1137.         [ Links ]

Koziel, M. G., N. B. Carozzi, T. C. Currier, G. W. Warren & S. V. Evola. 1993. The insecticidal crystal proteins of Bacillus thuringiensis: Past, present and future uses. Biot. Gen. Engin. Rev. 11: 171-228.         [ Links ]

Krieg, A. & G.A. Langenbruch, 1981. Susceptibility of Arthropod Species to Bacillus thuringiensis p. 837-896. In: Burges, H.D. (ed.) Microbial control of insects and mites. Academic Press, London, 861p.         [ Links ]

Lambert, B. & M. Peferoen, 1992. Insecticidal Promise of Bacillus thuringiensis Bioscience 42: 112-122.         [ Links ]

Li, J.J. Carrell, D.J. Ellar. 1991. Crystal Structure of Insecticide delta endotoxin from Bacillus thuringiensis at 2,5 A Resolution. Nature 353: 815-821.         [ Links ]

Visser. B, E. Munsterman, A. Stoker & W.G. Dirkse. 1990. A Novel Bacillus thuriengiensis Gene Encoding a Spodoptera exigua - Specific Crystal Proetin. J. Bacteriol. 172: 6783-6788.         [ Links ]

 

 

Recebido em 05/10/98. Aceito em 27/10/99.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License