SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue4Population fluctuation of aphids (Hemiptera: Aphididae) associated with potato crop Solanum tuberosum L. at winter planting in Alfenas, South of the State of Minas Gerais, BrazilDescription of immature stadia of Acrogonia sp., Dilobopterus costalimai Young e Oncometopia facialis (Signoret) (Hemiptera: Cicadellidae: Cicadellinae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais da Sociedade Entomológica do Brasil

Print version ISSN 0301-8059On-line version ISSN 1981-5328

An. Soc. Entomol. Bras. vol.29 no.4 Londrina Dec. 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S0301-80592000000400005 

ECOLOGIA, COMPORTAMENTO E BIONOMIA

 

Relação interespecífica entre Dipetalogaster maximus Uhler (Hemiptera: Reduviidae) e a cepa y do Trypanosoma cruzi Chagas (Kinetoplastida: Trypanosomatidae)

 

Interspecific relationship between Dipetalogaster maximus (Hemiptera: Reduviidae) and Trypanosoma cruzi strain Y (Kinetoplastida: Trypanosomatidae)

 

Renato C. BadauyI; Ionizete G. SilvaII; Heloisa H.G. SilvaII; Cassio M.S. DiasII

IUFG, Mestrado em Medicina Tropical, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública, Caixa postal 131, 74001-970, Goiânia, GO
IIUFG, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública, Caixa postal 131, 74001-970, Goiânia, GO

 

 


RESUMO

Realizou-se um estudo comparativo entre a biologia de Dipetalogaster maximus Uhler infectada com a cepa Y de Trypanosoma cruzi Chagas e não infectada, para se conhecer a relação interespecífica existente entre o inseto e o protozoário, pelo estabelecimento e permanência da infecção durante o ciclo de vida do triatomíneo. Esses dados são fundamentais para a constituição de um banco de cepas de tripanosomas a serem preservados no inseto vetor. Os triatomíneos foram criados (28±1ºC, 70% de umidade relativa e fotofase de 12h) e separados em grupos de 60 insetos para cada experimento. Num grupo, ninfas de 1º estádio de D. maximus foram infectadas com a cepa Y de T. cruzi, com aproximadamente 2,2x105 tripanosomas, no 10º dia após eclosão, com a finalidade de esclarecer a relação interespecífica existente entre o inseto hospedeiro e o protozoário parasito. A duração média da incubação dos ovos de D. maximus que deram origem aos triatomíneos infectados foi de 29,5 dias, e de 30,0 dias para os não infectados. O ciclo evolutivo teve duração média de 201,1 e 204,8 dias, respectivamente, para machos não infectados e infectados pelo T. cruzi, e de 202,5 e 204,2 dias, para fêmeas não infectadas e infectadas, respectivamente. A fecundidade média foi de 217,4 e 231,0 ovos, respectivamente, para fêmeas infectadas e não infectadas. A fertilidade média foi de 60,4% para fêmeas infectadas e de 66,3% para as não infectadas. O número médio de ovos por postura foi de 2,9 para fêmeas infectadas e de 2,7 para as não infectadas. A quantidade média de sangue necessária a D. maximus para completar o ciclo evolutivo foi de 4.970,4 e de 4.901,3 mg, respectivamente, para triatomíneos infectados e não infectados. A longevidade média de D. maximus foi de 513,5 e de 504,5 dias, respectivamente, para machos e fêmeas não infectados, e de 489,8 e 462,9 dias, respectivamente, para machos e fêmeas infectados. A interação biológica entre o D. maximus e o T. cruzi foi harmônica durante todo o ciclo de vida do triatomíneo.

Palavras-chave: Insecta, Triatominae, vetor, doença de Chagas, tripanosomíase americana


ABSTRACT

A comparative study was done between Dipetalogaster maximus Uhler infected with strain Y of Trypanosoma cruzi Chagas and uninfected, in order to know the interspecific relationship between the host insect and the protozoan parasite, by the establishment and remaining of the infection during the triatomine life cycle. This information is essential in constitution of trypanosomes strains banks, to be preserved in vector insect. The triatomines were bred (28±1ºC, 70% of relative humidity with photophase of 12h) and separated in groups of 60 insects for each experiment. In one group, 1st instar nymphs of D. maximus were infected with Y strain of T. cruzi, with approximately 2,2x105 trypanosomes, on the 10th day after hatch. Medium period for nymphal development including 30 days for incubation of eggs was 201.1 and 204.8 days for uninfected and infected males and 202.5 and 204.2 days for uninfected and infected females. Medium fecundity was 217.4 and 231.0 eggs for uninfected and infected females. Medium fertility was 60.4% for infected females and 66.3% for uninfected females. Medium number of eggs per oviposition was 2.9 eggs for infected females and 2.7 eggs for uninfected. Medium amount of blood ingested to accomplish nymphal development of D. maximus was 4970.4 and 4901.3 mg for infected and uninfected insects. Medium longevity was 513.5 and 504.5 days for uninfected males and females and 489.8 and 463.0 days for infected males and females. The interspecific relationship between D. maximus and T. cruzi was harmonic during the insect life cycle.

Key words: Insecta, Triatominae, vector, Chagas' disease, american tripanosomiasis


 

 

Dipetalogaster maximus (Uh.) é um triatomíneo de grande porte, vive em ambiente silvestre no México (Baixa Califórnia), em pedreiras, associado a vários lacertílios, como lagartixas, lagartos e camaleões, sendo que a sua ocorrência em ambiente antrópico é acidental (Lent & Wygodzinsky 1979, Marsden et al. 1981). A infecção natural com tripanosomas similares ao Trypanosoma cruzi foi assinalada por Marsden et al. (1981) e infecção experimental por Ryckman & Ryckman (1967) e Barretto et al. (1978). Essa espécie não apresenta importância epidemiológica no México, no entanto tem sido de grande valor na investigação científica, como excelente meio de cultura in vivo para replicação de T. cruzi (Silva & Silva 1993, Silva et al. 1993, 1994a, b). Vários pesquisadores têm utilizado essa espécie no xenodiagnóstico, por apresentar boa suscetibilidade a T. cruzi, conforme demonstrado por Cuba et al. (1979), Marsden et al. (1979), Castro (1995) e Silva et al. (1993).

A criação em laboratório e o desenvolvimento de D. maximus já foram estudados (Barretto et al. 1981, Zeledón et al. 1988, Silva 1990a, Costa et al. 1992), porém, não foram encontrados na literatura dados sobre a interação entre D. maximus e T. cruzi, no seu ciclo de vida, que pudessem subsidiar a montagem de um banco de cepas de tripanosomas. Utilizou-se a cepa y de T. cruzi por ter sido esta um modelo experimental na pesquisa básica em doença de Chagas. Dessa forma, propôs-se um estudo comparativo da biologia de D. maximus entre triatomíneos infectados e não infectados com essa cepa, para se conhecer a relação interespecífica existente entre o inseto e o protozoário, e ainda, se após a infecção no primeiro estádio, o triatomíneo continuaria infectado nos estádios subseqüentes e durante toda a vida do adulto. Esses dados são básicos para atender o objetivo principal na montagem de um estoque de cepas de tripanosomas a serem preservados no triatomíneo.

Atualmente, os estoques de cepas são criopreservados em nitrogênio líquido, meio de cultura e em animais de laboratório (Brener 1979). O primeiro procedimento apresenta a desvantagem de custo e manutenção elevados. Os outros, além dos repiques constantes e contaminação, apresentam o problema da modificação da infectividade do tripanosoma (Brener 1979). Havendo uma relação harmônica interespecífica cria-se a possibilidade do estabelecimento de um "banco de cepas", de custo baixo e sem modificação das características biológicas do protozoário, e isso seria fundamental para a pesquisa básica em doença de Chagas, principalmente aquelas com isoenzimas para caracterização de cepas do T.cruzi.

 

Material e Métodos

Os triatomíneos foram criados de acordo com a técnica de Silva (1990a) numa câmara biológica, mantida à temperatura de 28±1ºC, umidade relativa de 70±5%, com aproximadamente 12 horas de fotofase. A infecção dos triatomíneos foi a partir de camundongos A/Sn, inoculados por via intraperitoneal com cerca de 1x 105 tripomastigotas da cepa y do T. cruzi. Esta cepa era mantida em laboratório através de repiques semanais em camundongos da mesma linhagem. No 8º dia após a inoculação realizou-se a contagem do número de tripanosomas pela metodologia usada por Silva & Ferreira (1990). Após a determinação da parasitemia os camundongos foram imobilizados em uma tela de náilon, para alimentar os triatomíneos. Infectaram-se 60 ninfas de D. maximus, apenas no primeiro estádio, em cada tipo de experimentação realizada, ingerindo um número médio de 2,2x105 tripomastigotas. A contagem dos tripanosomas por coproscopia foi realizada pela técnica das dejeções espontâneas (Silva 1990b).

Formaram-se vinte casais de cada grupo de D. maximus, no mesmo dia da emergência dos adultos, sendo observados diariamente, para contagem dos ovos.

Determinou-se a quantidade de sangue necessária ao triatomíneo para completar o ciclo evolutivo. Após a infecção, os triatomíneos foram alimentados em galinhas, em intervalos de 10, 14, 21 e 28 dias após a ecdise, respectivamente, para os 2º, 3º, 4º e 5º estádios. A pesagem dos triatomíneos foi realizada antes e após cada repasto sangüíneo, e depois, a cada vinte e quatro horas, até ocorrer a próxima ecdise.

O estudo da interação biológica entre os grupos de D. maximus infectados e de não infectados foi realizado através da incubação dos ovos, período ninfal, pré-postura, número de posturas, número de ovos por postura, fecundidade, fertilidade, capacidade de ingerir sangue e longevidade que foram avaliados pelos testes de Student (t) e análise de regressão.

 

Resultados e Discussão

O primeiro parâmetro biológico analisado foi o comportamento de oviposição e a incubação dos ovos de D. maximus. Em ambos os grupos estudados, os ovos foram postos livres e isolados, sendo de cor amarelada na ocasião da postura, tornando-se avermelhados durante a embriogênese, e assumindo coloração vermelha bastante intensa no final da incubação. O período médio de incubação dos ovos foi de 29,5± 0,2 e 29,5± 0,9, respectivamente, para machos e fêmeas com a infecção, e de 30,0±0,0 dias para não infectados nos dois sexos. Não houve diferença significativa desse período entre os grupos estudados.

O período de incubação dos ovos à temperatura de 28ºC, foi similar àqueles apresentados por Barretto et al.(1981), obtidos a temperatura ambiente, com períodos variando entre 27 e 33 dias, e por Silva (1990a), com duração média de 32 e 28 dias, respectivamente, para as temperaturas de 25 e 30ºC.

O segundo parâmetro estudado foi a duração média dos estádios ninfais e do período ninfal, apresentados na Tabela 1. Não houve diferença significativa no desenvolvimento de D. maximus não infectada e infectada por T. cruzi, e entre machos e fêmeas.

 

 

A 28ºC, o ciclo evolutivo de D. maximus teve duração média de 201,1 e 204,7 dias, respectivamente para machos não infectados e infectados; e de 202,5 e 204,2 dias, para fêmeas não infectadas e infectadas por T. cruzi. Esses dados foram similares aos de Silva (1990a) que encontrou durações de 205,9 e 205,1 dias, respectivamente, para machos e fêmeas não infectados.

T. cruzi não interferiu no desenvolvimento de D. maximus, pois não foi constatada diferença significativa no desenvolvimento de triatomíneos infectados e não infectados, evidenciando uma relação interespecífica harmônica.

As durações dos estádios ninfais de D. maximus observadas foram inferiores às encontradas por Barretto et al. (1981), sendo esta diferença mais acentuada nos últimos estádios. Talvez isso tenha acontecido em função de se ter utilizado neste trabalho uma câmara biológica com controle de temperatura, umidade e fotofase e o referido autor trabalhou em temperatura ambiente com variações entre 22,4 e 27,2ºC.

O período de pré-postura teve duração média de 26,7±0,9 e de 25,0±1,1 dias, respectivamente, para fêmeas não infectadas e infectadas pelo T. cruzi, sem diferenças significativas entre si. Resultados (Tabela 2) foram similares aos observados por Barretto et al. (1981), que encontraram períodos de pré-postura que variavam entre cinco e 10 semanas, em temperatura variando entre 22 e 27ºC, e Silva (1990a), encontrou um período médio de oito semanas com triatomíneos não infectados, a 25ºC. Esses autores trabalharam com triatomíneos não infectados.

 

 

A fecundidade e a fertilidade de D. maximus foram estudadas durante sete meses de oviposição (Tabela 2), após o acasalamento de imagos virgens. Verificou-se que a fecundidade média foi de 217,5±11,4 ovos para as fêmeas de D. maximus infectadas e de 231,0±12,3 ovos para as não infectadas. A fertilidade média foi de 60,4±2,4% ovos para as fêmeas infectadas e de 66,3±3,4% ovos para as não infectadas. O número médio de posturas foi de 75,9±2,8 para as infectadas e de 83,9±2,6 para as não infectadas. O número médio de ovos por postura foi de 2,9±0,1 para as fêmeas infectadas e de 2,7±0,2 para as não infectadas. A oviposição média diária de D. maximus durante o período de observação foi de 1,1 ovos. Em todos os experimentos não houve diferença significativa entre triatomíneos infectados e não infectados.

A fecundidade e fertilidade médias encontradas (Tabela 2) foram inferiores em 40% às encontradas por Silva (1990a) no primeiro mês após a pré-postura. O mesmo aconteceu com o número médio de ovos por postura. Provavelmente, essas diferenças tenham ocorrido em função do menor período de observação deste trabalho. O envelhecimento dos triatomíneos pode provocar a diminuição da fecundidade, da fertilidade e do número de posturas. Esses resultados são importantes e orientativos em relação à reposição de adultos no insetário para manutenção da colônia de triatomíneos, tanto para serem utilizados no banco de cepas, quanto para outras finalidades.

A quantidade de sangue necessária para D. maximus completar o ciclo evolutivo não apresentou diferença significativa entre os grupos (Tabelas 3 e 4), sendo de 4.901,3 mg, para os triatomíneos não infectados e de 4.970,3 mg para os triatomíneos infectados com T. cruzi. Esses resultados corroboram com os anteriores, evidenciando a relação harmônica entre triatomíneo-tripanosoma.

 

 

 

 

Tanto o peso inicial de D. maximus quanto a quantidade de sangue ingerida pelo triatomíneo (Tabelas 3 e 4), podem ser considerados como similares aos de Silva (1990a), que foram 10, 33, 94, 210 e 408 mg, respectivamente, aos 1º, 2º, 3º, 4º e 5º estádios, para o peso inicial e de 92, 262, 704, 1.438 e 3.108 mg para o sangue ingerido. Os resultados encontrados por Barretto et al. (1981) foram em média inferiores aos deste trabalho (Tabelas 3 e 4).

Em relação à longevidade (Tabela 5), não houve diferença significativa entre os grupos de D. maximus infectados e não infectados. A longevidade de D. maximus encontrada neste trabalho, cerca de um ano e meio, foi o dobro da encontrada por Barretto et al. (1981).

 

 

A quantidade média de T. cruzi excretada por D. maximus no 2º estádio foi de aproximadamente 1% da quantidade ingerida no 1º, e ainda, além de a parasitemia ser persistente durante todo o ciclo evolutivo, houve crescimento progressivo do número de tripanosomas excretados, basicamente duplicando a cada fase do desenvolvimento, até alcançar a fase adulta (Tabela 6). Após a contagem dos tripanosomas nas excreções, em cada fase do desenvolvimento do triatomíneo, dois camundongos com cerca de seis semanas de vida foram inoculados e mostraram-se infectados após uma semana, demonstrando a metaciclogênese no triatomíneo, pela reprodução de epimastigotas e a passagem dessa forma para tripamastigotas metacíclicos, que são as formas infectantes para os mamíferos.

 

 

T. cruzi não interferiu em nenhuma fase do ciclo de vida de D. maximus. A infecção foi estabelecida e manteve-se durante toda a vida do triatomíneo, com replicação, metaciclogênese e eliminação do protozoário, que elevou-se gradualmente até o final do ciclo. Esses fatores são favoráveis e fundamentais à viabilização e montagem do "banco de cepas" de T. cruzi, ficando sugestivo o uso de D. maximus como meio de cultura in vivo.

 

Literatura Citada

Barretto, A.C., A.R. Prata, P.D. Marsden, C.C. Cuba & C.P. Trigueira. 1981. Aspectos biológicos e criação em massa de Dipetalogaster maximus (Uhler, 1894) (Triatominae). Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo 23:18-27.         [ Links ]

Barretto, A.C., P.D. Marsden, C.C. Cuba, & N.J. Alvarenga. 1978. Estudo preliminar sobre o emprego de Dipetalogaster maximus (Ulher, 1894) (Triatominae) na técnica do xenodiagnóstico em forma crônica da doença de Chagas. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo 20:183-189.         [ Links ]

Brener, Z. 1979. O parasito: relações hospedeiro-parasito, p. 1-41. In Z. Brener & Z. Andrade (eds.), Trypanosoma cruzi e doença de Chagas. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 463p.         [ Links ]

Castro, C.N.1995. Estudo longitudinal da parasitemia na doença de Chagas e sua correlação com a evolução clínica. Rev. Patol. Trop. 24:323-432.         [ Links ]

Costa, J.M., V. Cunha & J. Jurberg. 1992. Estudo bionômico de Dipetalogaster maximus (Uhler, 1894) (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae): III. Dinâmica populacional. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 87:73-80.         [ Links ]

Cuba, C.A.C., N.J. Alvarenga, A.C. Barretto, P.D. Marsden & M.P. Gama. 1979. Dipetalogaster maximus (Hemiptera, Triatominae) for xenodiagnosis of patients with serologically detectable Trypanosoma cruzi infections. Trans. Roy. Soc. Trop. Med. Hyg. 73: 524-527.         [ Links ]

Lent, H. & P. Wygodzinsky. 1979. Revision of the Triatominae (Hemiptera, Reduviidae), and their significance as vectors of 'Chagas' disease. Bull. Amer. Mus. Nat. Hist. 163:127-520.         [ Links ]

Marsden, P.D., A.C. Barretto, C.A.C. Cuba, M.B. Gama & J. Akers. 1979. Improvements in routine xenodiagnosis with first instar Dipetalogaster maximus (Uhler, 1894) (Triatominae). Amer. J. Trop. Med. Hyg. 28:649-652.         [ Links ]

Marsden, P.D., C.C. Cuba, N.J. Alvarenga & A.C. Barretto. 1981. Report on a field collection of Dipetalogaster maximus. Rev. Inst. Med. Trop. S. Paulo 21:202-206.         [ Links ]

Ryckman, R.E. & A.E. Ryckman.1967. Epizootiology of Trypanosoma cruzi in Mexico (Hemiptera, Reduviidae) (Kinetoplastida: Trypanosomatidae). J. Med. Entomol. 4:180-188.         [ Links ]

Silva, I.G. da. 1990a. Influência da temperatura na biologia de triatomíneos. XIII. Dipetalogaster maximus Uhler, 1894 (Hemiptera, Reduviidae). An. Soc. Entomol. Brasil 19:111-119.         [ Links ]

Silva, I.G. da. 1990b. Nova técnica para leitura do xenodiagnóstico. Rev. Goiana Med. 36:35-40.         [ Links ]

Silva, I.G. da, A.O. Luquetti & H.H.G. da Silva. 1993. Importância do método de obtenção das dejeções espontâneas dos triatomíneos na avaliação da suscetibilidade triatomínica para o Trypanosoma cruzi. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 26: 19-24.         [ Links ]

Silva, I.G. da & H.H.G. da Silva. 1993. Suscetibilidade de 11 espécies de triatomíneos (Hemiptera, Reduviidae) à cepa Y de Trypanosoma cruzi (Kinetoplastida, Trypanosomatidae). Rev. Bras. Entomol. 37:459-463.         [ Links ]

Silva, I.G. da, H. Nakano, H.H.G. da Silva & R. Nakano. 1994a. Estudo da suscetibilidade de diferentes espécies de triatomíneos (Hemiptera, Reduviidae) ao Trypanosoma cruzi (Kinetoplastida, Trypanosomatidae). An. Soc. Entomol. Brasil 23: 495-511.         [ Links ]

Silva, I.G. da & I.R. Ferreira. 1990. Influência da fonte sangüínea na multiplicação do Trypanosoma cruzi em Triatoma infestans (Klug, 1834) e Rhodnius neglectus Lent, 1954. Rev. Goiana Med. 36: 41-48.         [ Links ]

Silva, I.G. da, L.P.G. dos Santos, R. Nakano & R.C. Badauy. 1994b. Capacidade de replicação da cepa Y de Trypanosoma cruzi em diferentes espécies de triatomíneos. Rev. Patol. Trop. 23:197-204.         [ Links ]

Zeledón, R., R. Bolanos, M.R.E. Navarro & M. Rojas. 1988. Morfological evidence by scanning electron microscopy of excretion of metacyclic forms of Trypanosoma cruzi in vector's urine. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 83: 361-365.         [ Links ]

 

 

Aceito em 15/10/2000.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License