SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.79 issue3Halo nevus spilusVitiligo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.79 no.3 Rio de Janeiro May/June 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962004000300009 

CASO CLÍNICO

 

Uso de Cetoconazol® no tratamento da entomoftoromicose cutâneo-mucosa: relato de caso*

 

 

Jackson M. L. CostaI; Luciola N. BarbosaII; Lucio Cristiano Paiva e PaivaIII; Josélia L. NunesII; Sirlei G. MarquesIV; José Manuel M. RebeloV; Ana Cristina R. SaldanhaVI

IDoutor em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina. Prof. Adjunto do Curso de Medicina da Universidade Federal do Maranhão e pesquisador associado do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz-FIOCRUZ/Bahia
IIMédica do Núcleo de Patologia Tropical da Universidade Federal do Maranhão - UFMA/MA
IIIMédico do Núcleo de Patologia Tropical da Universidade Federal do Maranhão - UFMA/MA
IVMestre em Saúde e Ambiente, Universidade Federal do Maranhão - UFMA/MA
VDoutor em ciências pela Universidade de São Paulo - USP/SP. Prof. Titular de Biologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA/MA
VIMestre em clínica de doenças infecciosas e parasitárias, Universidade de Brasília - UnB. Pesquisador do Núcleo de Patologia Tropical da Universidade Federal do Maranhão - UFMA/MA

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

As entomoftoromicoses constituem entidade clínica pertencente ao grupo das zigomicoses, cujos agentes etiológicos são o Conidiobolus coronatus, Conidiobolos incongruus e o Basidiobolos ranarum. Um caso de entomoftoromicose cutâneo-mucosa é descrito em homem de 51 anos de idade, lavrador, procedente da região amazônica do Estado do Maranhão, Brasil. Teve diagnóstico esclarecido por exame anatomopatológico, um ano após as manifestações clínicas iniciais. Como tratamento utilizou-se um dos derivados imidazólicos (cetoconazol®) 400mg/dia divididos em duas tomadas, por 12 meses), mostrando boa tolerância, com resposta favorável. Na última avaliação, 24 meses após início do tratamento, encontrava-se clinicamente curado.

Palavras-chave: diagnóstico; evolução clínica; zigomicose.


 

 

INTRODUÇÃO

As entomoftoromicoses pertencem a um grupo de doenças causadas pelos fungos Conidiobolus coronatus, Conidiobolus incongruus e Basidiobolus ranarum.1,2,3 O C. coronatus tem sido isolado de amostras do solo e de detritos vegetais, sendo também capaz de parasitar várias espécies de artrópodes.1 No homem, a lesão primária ocorre na mucosa nasal, provável porta de entrada do fungo sob a forma de infiltração difusa ou pólipos, que impedem a passagem do ar. Propaga-se para os tecidos adjacentes do nariz e da face (zigomicose centrofacial) e algumas vezes para a nasofaringe e os seios nasais.4,5 A pele é pouco comprometida, sendo difícil ocorrer ulceração, embora o edema de características inflamatórias possa estender-se para a fronte, zigomas e lábios, desfigurando o rosto do paciente de forma leve a grave.2,4,5

Já a infecção causada por B. ranarum manifesta-se por comprometimento do tecido subcutâneo, com tumefação localizada na região torácica, estendendo-se ao pescoço e região próxima aos lábios. Pode ocorrer invasão do abdômen e cavidade torácica por extensão da tumoração subcutânea, havendo relatos recentes de casos com manifestações viscerais, comprometendo o trato gastrointestinal com tumorações que apresentam sinais e sintomas de abdômen agudo.2,6

Renoirte et al.,7 no Congo (África), e Bras et al.,4 na Jamaica (América Central), simultaneamente, foram os primeiros a descrever a doença em humanos. Atualmente, a maioria dos casos relatados é proveniente do continente africano, principalmente da Nigéria.1,6 No Brasil, o primeiro caso da doença foi descrito no Estado da Bahia (Região Nordeste);8 posteriormente foram registrados casos em outros estados da mesma região (Maranhão, Piauí, Pernambuco e Sergipe) e mais recentemente no Pará (Norte do Brasil).1,2,5,8-11

Neste estudo apresenta-se um caso de entomoftoromicose cutâneo-mucosa autóctone do Estado do Maranhão, Brasil, tratado com um dos derivados imidazólicos (Cetaconazol®), apresentando boa resposta clínica. Chama-se atenção para as dificuldades encontradas no diagnóstico em função da raridade do problema.

 

RELATO DE CASO

A. P. S.,51 anos, do sexo masculino, pardo, lavrador, procedente do município de Bela Vista, região amazônia do Estado do Maranhão,-Brasil, onde reside há 17 anos. Em janeiro de 1999, apresentou queixa de obstrução nasal (narina direita) associada a rinorréia, de início incolor, que posteriormente evoluiu para secreção branco-amarelada. Apresentou ainda episódios de cefaléia na região frontal e epistaxes. Um mês após as manifestações iniciais procurou auxilio médico em sua região, onde lhe foi prescrita medicação à base de corticosteróides, obtendo discreta melhora do quadro.

Posteriormente, evoluiu com progressiva dificuldade respiratória, à medida que o processo inflamatório aumentava e se estendia para as regiões malar e labial superior dessa hemiface. Uma espécie de tumoração arredondada firme e dura podia ser percebida à palpação da área afetada. Em conseqüência, houve alterações dos traços fisionômicos do paciente (Figura 1). Em junho do mesmo ano, procurou novo auxílio médico (otorrinolaringologista), o qual solicitou radiografia dos seios da face (sem alterações), submetendo o paciente a um raspado da lesão, objetivando alívio do quadro obstrutivo.

 

 

Em outubro, realizou novos exames (tomografia computadorizada de crânio), mostrando obstrução do pertuito nasal (Figura 2). Em fevereiro de 2000, foi submetido no Hospital Aldenora Belo (São Luís, MA) a biópsia da mucosa nasal e da pele do nariz, cujo diagnóstico anatomopatológico sugeriu etiologia micótica. Em março foi colhido material de secreção nasal (cultura - isolando Estafilococos aureus e Proteus sp), sendo então encaminhado a este serviço, onde foi reavaliado, incluindo o material do exame anatomopatológico (confirmando o diagnóstico de entomoftoromicose nasofacial) (Figura 3). Submeteu-se a esquema terapêutico a base de cetoconazol‚ 400mg/dia durante um período de 12 meses.

 

 

 

 

Evolução do caso - Após uma semana de tratamento, já era possível observar-se regressão do edema, com melhora da obstrução nasal, ausência de rinorréia, epistaxes e cefaléia. Foi orientado então a continuar o tratamento em seu domicílio e retornar para controle ambulatorial a cada dois meses até completar 12 meses. Na segunda avaliação, havia evidente melhora do processo, com respiração normal, associada à regressão do processo obstrutivo. Ao exame do nariz, verificou-se discreto edema com características inflamatórias, com evidente melhora do quadro inicial. Recomendou-se a continuação do medicamento na mesma dose, programando-se o retorno após cada dois meses para novas avaliações do quadro (Figura 4).

 

 

No término do esquema terapêutico (12 meses), encontrava-se com lesão totalmente involuída. Na última avaliação, 24 meses após o início da medicação, encontrava-se clinicamente curado.

 

DISCUSSÃO

As entomoftoromicoses ocorrem esporadicamente nas regiões tropicais e subtropicais dos continentes americano, africano e asiático, sendo relatadas quatro formas de apresentação clínica da doença.

1) Subcutânea - as lesões iniciam-se por pequenos nódulos que evoluem lenta e progressivamente, crescem firmes, elásticos, irregulares, móveis sobre os planos profundos, atingindo proporções gigantescas, sendo recobertos por tegumento íntegro e cor normal, acometendo mais as crianças do sexo masculino.

2) Subcutânea/visceral - a sintomatologia está na dependência da intensidade das lesões e dos órgãos viscerais comprometidos, podendo-se citar: perda de peso, diarréia, anorexia, dispnéia, febre, dificuldade nos movimentos articulares, adenopatia e trombose; de modo geral caracteriza-se por lesões exuberantes.

3) Visceral ou gastrointestinal - tem sintomatologia relacionada à intensidade das lesões e aos órgãos internos comprometidos. Em geral, cursa com perda de peso, vômitos, dor abdominal e torácica, diarréia mucossangüinolenta, tosse sem expectoração e, às vezes, complicações como peritonite e síndrome da veia cava inferior; de modo geral acomete crianças e adultos, indistintamente.

4) Centrofacial - acomete a região nasolabial, iniciando-se com quadro de obstrução nasal, associado a rinite, epistaxes e cefaléia, evoluindo para edema de face. As lesões caracterizam-se por hiperemia, edema, nódulos e pólipos. Os nódulos são firmes, com margens definidas, aderentes aos planos profundos, com mobilidade discreta, raramente exuberante, acometendo mais os indivíduos na fase adulta.5,11,12, 14

Apesar da apresentação clínica do paciente em questão ter sido caracterizada como forma centrofacial e de os achados histopatológicos serem bem sugestivos da doença, o fortalecimento do diagnóstico definitivo só é possível com o isolamento do fungo em meio de cultura apropriado, o que não se conseguiu obter, pois não houve crescimento do fungo em meio ágar Sabouraud em várias tentativas realizadas no laboratório do serviço. Para a condução do caso, levaram-se em consideração os principais diagnósticos diferenciais da doença, tais como escleroma, rinosporidiose, tumores malignos e benignos da cavidade nasal, paracoccidioidomicose e leishmaniose tegumentar americana (forma mucosa contígua), tendo em vista que as duas últimas citadas são consideradas endêmicas na região de procedência do paciente.13

Apesar de o tratamento recomendado para as entomoftoromicoses ser o iodeto de potássio, em geral com boa resposta,14,15 alguns casos têm sido tratados com outras drogas, como anfotericina B, associação de sulfametoxasol+trimetropin, 4,4-diaminodifenilsulfona, itraconazol, itraconazol+fluconazol, com bons resultados.10,11-19

Costa et al.10 utilizaram a 4,4-diaminodifenilsulfona (sulfona®) em dois pacientes portadores da doença, havendo resposta inicial satisfatória, mas, durante o acompanhamento evolutivo dos mesmos, houve recidiva das lesões. Posteriormente tais pacientes utilizaram o Cetaconazol® com excelentes resultados. Tal fato foi levado em consideração quando da decisão do uso do esquema terapêutico para o tratamento do paciente em questão, embora haja também relato de insucesso com esse mesmo esquema, em menor tempo de uso,11 na entomoftoromicose cutâneo-mucosa.

No presente caso, a escassez de dados na literatura em relação à doença pode ser a explicação para a demora da conclusão diagnóstica, haja visto que poucos são os relatos de casos, o que pode não corresponder à realidade da doença no país. Tal fato, propicia o uso de terapêutica empírica, em que a dose e o tempo preciso de tratamento podem variar de acordo com a resposta clínica dos pacientes.

 

REFERÊNCIAS

1. Bandeira V, Lascet LG. Zigomicose. In: Talhari S & Neves RG, ed. Dermatologia tropical. São Paulo: Medsi, 1995:191-202        [ Links ]

2. Bittencourt AL, Barreto E, Neves RAS, França C. Entomoftoromicose cutâneo mucosa: apresentação de um caso com evolução atípica. Rev Soc Bras Med Trop 1987; 20:119-122        [ Links ]

3. Bittencourt AL, Arruda SM, Andrade JFA, Carvalho EM. Basidiobolomycosis: a case report. Pediatr Dermat 1991; 8:325-328        [ Links ]

4. Bras G, Gordon, CC, Emmons CW, Prendegast, KM, Sugar M. A case of phycomycosis observed in Jamaica; infection with Entomophthora coronata. Amer J Trop Med Hyg 1965; 14:141-145        [ Links ]

5. Campbell I & Gouveia J. Zigomicose. In: Zaitz C, Campbell L, Marques AS, Ruiz LRB, Souza VM. Ed. Compêndio de micologia médica. Rio de Janeiro: Medsi, 1998:p. 205-218.         [ Links ]

6. Carvalho FA, Macedo JLS, Costa JNL, Moraes MAP. Entomoftoromicose intestinal: relato de caso. Rev Soc Brás Med Trop 1997; 30:65-68         [ Links ]

7. Renoirte R, Vandepitte J, Gatti F, Werth R. Phycomycosis nasofacial (Rhinophycomycosis) due to Entomophtora coronata. Bull Soc Path Exot 1965; 58:847-62        [ Links ]

8. Andrade ZA, Paula LA, Sherlock IA, Cheever, AW. Nasal granuloma caused by Entomophtora coronata. Am Jour Trop Med Hyg 1967; 16:31-33         [ Links ]

9. Fonseca APM, Fonseca WSM, Leal MJS, Araújo RC. Rinoentomoftoromicose: relato de quatro casos. An Bras Dermatol 1998; 64:261-265        [ Links ]

10. Costa JML, Costa IS, Gaspar JMS, Ferreira LA, Burattini MN. Entomoftoromicose cutâneo-mucosa no estado do Maranhão, Brasil: aspectos clínicos evolutivos. An Bras Dermatol 1996; 71:29-33        [ Links ]

11. Valle FAC, Wanke B, Lazéra MS, Monteiro PCF, Viegas ML. Entomophthoromycosis by Conidiobolus coronatus. Report of a case successfully treated with the combination of itraconazole and fluconazole. Rev Inst Med Trop São Paulo 2001; 43:233-236        [ Links ]

12. Moraes MAP, Arnaud, MCV, Almeida MMR. Zigomicose nasofacial no estado do Pará: registro de dois casos. Rev Soc Bras Med Trop 1997;30:329-331        [ Links ]

13. Ministério da Saúde/Fundação Nacional de Saúde. Manual de controle da leishmaniose tegumentar americana. Brasília/DF, 2000 p.62         [ Links ]

14. Costa AR, Porto E, Pegas JR et al. Rhinofacial zygomycosis caused by Conidiobolus coronatus. A case report. Mycopathologia (Den Haag) 1991;115:1-8        [ Links ]

15. Martinson FD. Clinical epidemiological and therapeuthic aspects of entomophthoromycosis. Ann Soc Belg Med Trop 1972; 52:329-342        [ Links ]

16. Martinson FD, Clark BM. Rhinophycomycosis entomophtorae in Nigeria. Am J Trop Med Hyg 1967;16:40-47        [ Links ]

17. Bittencourt AL. Entomoftoromicose: revisão. Med Cut ILA 1988; 16:93-100        [ Links ]

18. Dowrsack RL, Pollock AS, Hodges GR, Barns WG, Ajello L, Padhye A. Zygomycosis of the maxillary sinus and palate caused by Basidiobolus haptosporus. Arch Intern Med 1976; 138:1274        [ Links ]

19. Ellis DH. The zygomycetes. In: Ajello L& Hay RJ. Medical Mycology. 9ª Ed. London: Arnold; New York: Oxford University Press, 1998:247-276. (Coller L, Ballows A & Sussman M. Topley and Wilson's Microbiology and Microbial Infections v.4)         [ Links ]

20. Moraes MAP, Almeida MMR, Veiga RCC, Silveira FT. Zigomicose nasofacial. Relato de um caso no estado do Pará, Brasil. Rev Inst Med Trop São Paulo 1994;36:171-174.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Jackson Mauricio Lopes Costa
Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz - FIOCRUZ/Bahia
Rua Valdemar Falcão No 121 (Bairro Brotas)
CEP 41295-001 Salvador Bahia
E-mail: jcosta@cpqgm.fiocruz.br

Recebido em 20.11.2000.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 27.02.2004.

 

 

* Trabalho realizado no Núcleo de Patologia Tropical e Medicina Social do Departamento de Patologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.