SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 número1Pioderma gangrenoso e artrite reumatóide: relato de casoOs pioneiros da dermatologia: parte 2 - A propósito da vida e obra de Paul Gerson Unna índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Anais Brasileiros de Dermatologia

versão impressa ISSN 0365-0596versão On-line ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. v.80 n.1 Rio de Janeiro jan./fev. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000100012 

SÍNDROME EM QUESTÃO

 

Você conhece esta síndrome?*

 

 

Sílvio Alencar MarquesI; Hélio Amante MiotII; Luciane Donida Bartoli MiotIII; Mariângela Esther Alencar MarquesIV

IProfessor Livre-Docente de Dermatologia, Departamento de Dermatologia e Radioterapia, Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB), Universidade Estadual Paulista (Unesp). Pós-doutorado na Indiana University-EUA
IIProfessor Substituto, Departamento de Dermatologia e Radioterapia, FMB-Unesp. Pós-graduando (Doutorado) do Departamento de Patologia, FMUSP
IIIMédica Dermatologista, Departamento de Dermatologia e Radioterapia, FMB-Unesp. Pós-graduanda (Doutorado) do Departamento de Patologia, FMB-Unesp
IVProfessor Assistente Doutor, Departamento de Patologia, FMB-Unesp. Pós-doutorado na Indiana University-EUA

Endereço para correspondência

 

 

RELATO DO CASO

Paciente do sexo feminino, 36 anos, procura atenção médica dermatológica por quadro de alopecia do couro cabeludo desde a infância com acentuação nos últimos anos. Ao exame clínico-dermatológico observou-se alopecia difusa, particularmente frontoparietal de padrão androgenético (Figura 1), com retração da linha de implantação capilar frontal e alopecia superciliar e ciliar no terço lateral, bilateralmente. Chamavam a atenção a baixa estatura da paciente (141cm), a presença de fronte olímpica, hipoplasia alar, nariz em forma de pêra, filtro longo e apagado, lábios finos (Figura 2), implantação baixa de orelhas e pescoço longo. Associavam-se palato em ogiva e dentes mal posicionados, particularmente os incisivos superiores e inferiores, centrais e laterais e microdontia dos incisivos laterais superiores e inferiores. Nas mãos, notava-se braquidactilia dos primeiros quirodáctilos; alargamento das articulações interfalangianas proximais, exceto dos primeiros e desvio radial, particularmente, dos segundos e terceiros quirodáctilos de ambas as mãos (Figura 3).

 

 

 

 

 

 

O desenvolvimento intelectual era normal, negando casos semelhantes em familiares ou consangüinidade dos pais (Figura 4).

 

 

A paciente foi submetida à biópsia do couro cabeludo; ampla investigação laboratorial bioquímica e endocrinológica, análise cromossômica e estudo radiológico. Neste último, identificaram-se alterações em forma de cone das epífises das articulações interfalangianas proximais (Figura 5), assimetria de tamanho entre o úmero (longo), rádio e ulna (curtos) de ambos os membros superiores, e assimetria entre o fêmur (longo), tíbia e fíbula (curtos), nos membros inferiores. O estudo bioquímico e endocrinológico mostrou apenas alteração discreta da prolactina (38ng/ml, normal de 6 a 24ng/ml). A análise de cromossomos metafásicos revelou cariótipo 46 XX (normal para o sexo), sem quebras cromossômicas. Não foi investigada a presença de mutações gênicas específicas.

 

 

O exame histopatológico de corte longitudinal de biópsia por punch do couro cabeludo revelou folículos pilosos rarefeitos, com dilatação infundibular, hiperceratose e infiltrado mononuclear discreto da bainha fibrosa.

 

QUE SÍNDROME É ESTA?
Síndrome Tricorrinofalangeana Tipo I
Giedion,1 em 1966, foi o primeiro autor a estabelecer a correlação entre as principais alterações clínicas e radiológicas presentes na síndrome, reconhecer o caráter genético da mesma e propor a denominação que persiste até o presente, referida na literatura internacional ora como "trichorhinophalangeal syndrome" ora como "tricho-rhino-phalangeal syndrome". Atualmente, são reconhecidas três variantes, identificadas como: síndrome tricorrinofalangiana tipo I (STRF-I), caracterizada clinicamente pela associação de cabelos esparsos e de crescimento lento, nariz em formato de pêra, filtro alongado, lábio superior fino e alterações ósseas, particularmente epífises em forma de cones nos quirodáctilos. Outras alterações fenotípicas podem estar associadas e encontram-se descritas no quadro 1.2 A síndrome tricorrinofalangiana tipo II (STRF-II) ou síndrome de Langer-Giedion,3 na qual, às manifestações possíveis na STRF-I, se associam a microcefalia e o retardo mental, exostoses cartilaginosas múltiplas em costelas e vértebras, e outras manifestações osteoarticulares mais graves (Quadro 1). A síndrome tricorrinofalangiana tipo III (STRF-III), ou síndrome Sugio-Kajii, é variante mais próxima do tipo I, diferenciando-se fenotipicamente pela acentuação do encurtamento de todas as falanges, dos metacarpos e metatarsos, e da baixa estatura.4

A STRF-I ocorre devido à haploinsuficiência do gene que codifica o fator de transcrição TRPS1 "Zinc-Finger" situado no braço longo do cromossomo 8 (8q24.12).5 Essa proteína parece estar relacionada à regulação andrógena da expressão gênica do antígeno prostático específico.6 A forma de segregação da síndrome é predominantemente autossômica dominante, com alta penetrância, e predominância feminina de 1,7:1 (IC95% 1,1 a 2,9) nos casos familiares.7 Das nove variantes alélicas descritas da síndrome, pelo menos três delas foram identificadas em casos esporádicos, mas a real prevalência das mutações novas não pôde ser estimada até o momento. Mutações adicionais ao TRPS1 provocam alterações fenotípicas responsáveis pela síndrome tricorrinofalangiana tipo III, e a deleção do TRFS1 associado ao gene da Exostosina 1 (EXT1 8q24.11) levam à síndrome tricorrinofalangiana tipo II.5

O caso acima descrito, fenotipicamente, enquadra-se como STRF-I, a ser corroborado pela análise molecular gênica.

Das possíveis alterações clínicas observadas na STRF-I e de sua intensidade, na dependência do grau de expressão do gene, a alopecia pode ser a mais embaraçosa para os pacientes. Giedion1 descreveu a hipotricose do couro cabeludo como decorrente da presença de cabelos finos e de lento crescimento. Desde então, poucos são os estudos tricológicos, e seu valor diagnóstico é impreciso. Lalevic-Vasic8 observou no tricograma da região occipital a presença de 52% dos cabelos em fase anágena distrófica e 48% em fase telógena. O exame histopatológico da mesma região mostrou folículos pilosos rarefeitos, descritos como folículos anágenos minúsculos e superficiais. Sob luz polarizada observou-se cabelo monocrômico com nítidas fissuras limítrofes a rupturas descritas como "en bout de doigt", observando-se em menor freqüência rupturas tipo tricorrexis nodosa e tipo tricoptilose. Outros autores observaram tricogramas com padrão compatível com alopecia androgenética combinada com alopecia difusa, com 38% dos cabelos da região frontal em fase telógena, 6% catágena e 56% anágena, e, naqueles da região occipital, os cabelos apresentavam-se em fase telógena em 26%, em 1% catágena e 72% em fase anágena.9 No mesmo estudo, à microscopia eletrônica de varredura observou-se haste do pêlo achatada, com formato elíptico. Ao exame histopatológico, com cortes longitudinais e transversais, observaram-se redução do número de folículos, com a maioria dos bulbos ancorados no tecido subcutâneo, presença de folículos anágenos de menor diâmetro e ausência de infiltrado inflamatório.10 Além da hipotricose do couro cabeludo é habitual a rarefação de pêlo do terço lateral da região superciliar e, menos freqüentemente, das regiões ciliares, axilares e pubianas.11 Em contraposição, há relatos de pacientes com crescimento normal dos cabelos.12,13

As alterações orofaciais na STRF-I têm sido pouco descritas, mas salienta-se a presença de dentes supranumerários, o relato da má oclusão, de microdontia e hipodontia.14 Presença de micrognatia e displasia dos côndilos tem sido vinculada à STRF-II.14

Das alterações osteoarticulares, Giedion,1 avaliando radiografias de 69 pacientes portadores da STRF-I, observou que além de epífises em forma de cone das falanges intermediárias, 52% dos casos apresentavam encurtamento dos metacarpos. Foram também observadas alterações das falanges proximais e distais, assim como encurtamento dos metatarsos.15 As alterações descritas podem determinar não apenas prejuízos estéticos, mas também funcionais, principalmente a longo prazo.

O diagnóstico diferencial da STRF-I faz-se principalmente com as demais variantes da própria síndrome e com outras que incluam alopecia e anormalidades estruturais do nariz ou anormalidades osteoarticulares, sendo citadas as síndromes de Larsen,16 síndrome orofacial-digital, Coffin-Siris e condrodisplasia do tipo McKusick.9

Embora considerada rara, postula-se que a síndrome tricorrinofalangiana seja mais freqüente do que vem sendo descrita e cabe aos dermatologistas dela estarem conscientes e atentos a pacientes com queixa de alopecia de padrão androgenético de início precoce.9 q

 

REFERÊNCIAS

1. Giedion A. Das tricho-rhino-phalangeale Syndrom. Helv Paediatr Acta. 1966; 21:475-8.

2. Mallory SB, Leal-Khouri S. An Illustrated Dictionary of Dermatologic Syndromes. London: The Parthenon Publishing Group; 1994. p.217-8.

3. Hall BD, Langer LV, Giedion A, Smith DW, Cohen MM, Beals RK, et al. Langer-Giedion syndrome. Birth Defects. 1974; 10:147-64.

4. Niikawa N, Kamei T. The Sugio-Kajii syndrome, proposed tricho-rhino-phalangeal syndrome Type III. Am J Med Genet. 1986; 24:759-60.

5. Momeni P, Glockner G, Schmidt O, von Holtum D, Albrecht B, Gillessen-Kaesbach G. et al. Mutations in a new gene, encoding a Zinc-Finger protein, cause tricho-rhino-phalangeal syndrome type I. Nat Genet. 2000; 24:71-4.

6. van den Bemd GJ, Jhamai M, Brinkmann AO, Chang GT. The atypical GATA protein TRPS1 represses androgen-induced prostate-specific antigen expression in LNCaP prostate cancer cells. Biochem Biophys Res Commun. 2003; 312:578-84.

7. Ludecke HJ, Schaper J, Meinecke P, Momeni P, Gross S, von Holtum D, et al. Genotypic and phenotypic spectrum in tricho-rhino-phalangeal syndrome types I and III. Am J Hum Genet. 2001; 68:81-91.

8. Lalevic-Vasic BM, Nikolic MM, Polic DJ. Étude des cheveux du syndrome trichorhinophalangeal type I. Ann Dermatol Venereol. 1994; 121:618-22.

9. Böni RH, Tsambaos D, Spycher MA, Trüeb RM. trichorhinophalangeal syndrome. Dermatology. 1995; 190:152-5.

10. Seitz CS, Lüdecke HJ, Wagner N, Bröcker EB, Hamm H. trichorhinophalangeal syndrome type I: clinical and molecular characterization of 3 members of a family and 1 sporadic case. Arch Dermatol. 2001; 137:1437-42.

11. Camacho F, Armijo M, Naranjo R, Dulanto F. Le syndrome tricho-rhino-phalangien (Giedion). Ann Dermatol Venereol. 1987; 105:17-21.

12. Bühler E, Bühler U, Beutler C, Fässler R. A final word on the tricho-rhino-phalangeal syndromes. Clin Genet. 1987; 31:133-5.

13. Yáñez S, Hernández-Vicente I, Armijo M. trichorhinophalangeal syndrome. Int J Dermatol. 1992; 31:706-9.

14. Machuca G, Martinez F, Machuca C, Bullon P. Craniofacial and oral manifestations of trichorhinophalangeal syndrome type I (Giedion's syndrome): a case report. Oral Surg Oral Med Oral Path Oral Radiol Endod. 1997; 84:35-9.

15. Giedion A. Phalangeal cone-shaped epiphyses of the hand: their natural history, diagnostic sensitivity, and specificity in cartilage hair hypoplasia and the trichorhinophalangeal syndromes I and II. Pediatr Radiol. 1998; 28:751-8.

16. Carrington PR, Chen H, Altick JA. trichorhinophalangeal syndrome, type I. J Am Acad Dermatol. 1994; 31:331-6.

 

 

Endereço para correspondência
Sílvio Alencar Marques
Rua Dr. Costa Leite, 515
18600-010 Botucatu SP
Telefone: (14) 3882-4922
Fax: (14) 3882-4922
E-mail: smarques@fmb.unesp.br

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia, Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista -Unesp.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons