SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 issue2Hypopigmented mycosis fungoides with 20 years evolutionThe pioneers of dermatology: Part 3 - The life and works of Moriz Kaposi author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.80 no.2 Rio de Janeiro Mar./Apr. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000200012 

SÍNDROME EM QUESTÃO

 

Você conhece esta síndrome?*

 

 

Paula de Rezende SalomãoI; Gustavo Carneiro NogueiraII; Maria Ester Massara CaféI

IMédica Assistente e Preceptora do Ambulatório de Dermatologia Pediátrica da Santa Casa de Belo Horizonte - Minas Gerais (MG)
IIEspecialista em Dermatologia

Endereço para correspondência

 

 

RELATO DO CASO

Criança de cinco anos, do sexo masculino, leucoderma, natural e residente em Contagem, MG. Nasceu a termo, de gravidez sem intercorrências, com peso e estatura adequados para a idade gestacional, de pais não consangüíneos. História familiar negativa para anomalias congênitas ou doenças genéticas.

Os pais relataram que, desde o nascimento, o paciente apresentava no dorso das mãos manchas cujo tamanho aumentou com o passar do tempo e que, posteriormente, apareceram no tronco.

Também apresentava rosto afinado e deformidades nas mãos, tórax e membros inferiores. Negaram fotossensibilidade, hematomas e ulcerações nas áreas expostas.

Ao exame físico foram encontradas as seguintes alterações:

• pele: máculas hipocrômicas e hipercrômicas reticuladas e atróficas associadas a telangiectasias no dorso das mãos e dos pés, nos joelhos, nos cotovelos, na face lateral do tronco e nos flancos bilateralmente;

• face: nariz de ponta afilada, discreto hipertelorismo, micrognatismo e desproporção craniofacial;

• tronco: tórax piriforme;

• membros: deformidade em flexão das articulações metacarpofalangeanas e geno valgo.

 

 

Não apresentava lesões orais nem de pêlos ou de unhas. Peso, estatura e desenvolvimento neuropsicomotor adequados para a idade.

A biópsia de pele na região lateral E do tronco mostrou ortoqueratose e epiderme sinuosa. A derme estava levemente atrófica, com discreto infiltrado inflamatório crônico perivascular superficial e vasos ectasiados. Na coloração para fibras elásticas, as mesmas se mostraram diminuídas e fragmentadas.

As radiografias simples mostraram vários tipos de alterações: desproporção craniofacial, alargamento de suturas sagital, coronal e lambdóide; grau mínimo de micrognatismo, hipertelorismo e saliência nas regiões parietotemporais; tórax piriforme, adelgaçamento de clavículas bilateralmente com porose de sua extremidade distal; leve alteração do eixo anatômico femorotibial com deformidade em valgo; absorção das falanges distais mais pronunciada nos dedos indicadores; lesões focais líticas, múltiplas, de paredes finas e escleróticas, localizadas em ambas as metáfises femorais distais.

 

 

 

QUE SÍNDROME É ESTA?

Acrogéria (Síndrome de Gottron)

Os achados clínicos e a histopatologia das lesões de pele associados às alterações osteoarticulares foram compatíveis com o diagnóstico de acrogéria.

A acrogéria é uma das síndromes de envelhecimento precoce congênitas clássicas que são: pangéria (síndrome de Werner), progéria (síndrome de Hutchinson-Gilford) e acrogéria (síndrome de Gottron). Além dessas, há várias outras doenças que cursam com envelhecimento precoce, como síndrome de Cockayne, síndrome de Bloom, ataxia telangiectásica (síndrome de Louis-Bar), síndrome Kindler, trissomia 21 (síndrome de Down).1 São doenças genéticas raras, associadas à aceleração do processo de envelhecimento da pele e de outros tecidos.2

A acrogéria foi originalmente descrita por Gottron em 1941, quando ele observou envelhecimento precoce cutâneo localizado em mãos e pés, presentes desde o nascimento em dois irmãos.3 Desde então, vários casos foram publicados, a maioria na literatura européia, predominantemente em mulheres. A maioria dos pacientes tem baixa estatura, apesar de alguns apresentarem estatura normal. Micrognatia é um achado freqüente, e a maioria dos casos descritos apresenta atrofia da pele da ponta do nariz, o que dá um aspecto de escultura. A marca registrada da condição é a pele fina (atrófica) e enrugada, com hipercromia, telangiectasias e veias proeminentes no tronco superior, dorso das mãos e dos pés. As unhas podem ser distróficas ou espessadas, mas usualmente são normais.4-6

Na histopatologia da pele, há atrofia da derme e subcutâneo. As fibras colágenas são frouxas e esparsas, e as fibras elásticas sempre fragmentadas. A epiderme é poupada.

Apesar de os pacientes terem achados clínicos semelhantes aos da progéria e da metagéria, eles geralmente não apresentam aterosclerose generalizada grave e, portanto, não costumam ter doença miocárdica ou coronariana precoce, que são as principais causas de morte. A expectativa de vida parece ser normal, com o mesmo risco de aterosclerose da população geral.7

Pelo fato de ter sido dada pouca ênfase aos achados radiológicos na maioria dos casos publicados, a acrogéria é considerada afecção principalmente cutânea por alguns autores, mas as alterações ósseas estão bem descritas como parte da síndrome.8 Para pacientes que apresentam concomitantemente alterações típicas da acrogéria e da metagéria, foi proposto acrometagéria como termo único que englobaria um espectro mais amplo das síndromes de envelhecimento precoce. No entanto, esse conceito ainda não é amplamente aceito na literatura médica.9 Como são síndromes bastante raras que têm em comum o aspecto envelhecido da pele semelhante ao da progéria, são também às vezes chamadas de síndromes progeróides.10

A etiologia da acrogéria ainda não está bem elucidada, tendo sido considerada autossômica dominante e autossômica recessiva, embora a maioria dos casos relatados não tenha história familiar positiva. Mutações no gen COL3A1 foram identificadas em fenótipos variados, incluindo acrogéria e ruptura vascular na síndrome de Ehlers-Danlos.11,12 Na cultura de fibroblastos foi encontrada redução do RNA mensageiro no colágeno tipos I e III, e do tempo de vida dos fibroblastos, que apresentaram mais precocemente alterações morfológicas de envelhecimento, o que é perfeitamente compatível com o fenótipo envelhecido dos pacientes.13

Como não existe tratamento específico para nenhuma das chamadas síndromes progeróides, a maior importância em se fazer o diagnóstico diferencial entre elas está no prognóstico, que parece ser muito melhor na acrogéria, como foi mencionado. q

 

REFERÊNCIAS

1. Beauregard S, Giechrest BA. Syndromes of premature ageing. Dermatol Clin. 1987;5: 109-21.

2. Brown WT. Premature ageing syndromes. Curr Probl Dermatol. 1987;17: 152-65.

3. Gottron H. Familiare akrogerie. Arch Dermatol Syph. 1941;181: 571-83.

4. Calvert HT. Acrogeria (Gottron type). Br J Dermatol. 1957;69: 69.

5. Groot WP, Tafelkruyer J, Woerdeman MJ. Familial acrogeria (Gottron). Br J Dermatol.1970;103: 213.

6. Hjortshoj A, Heydernreich G. Acrogeria. A case report. Dermatologica. 1977;154: 355.

7. Lenane P, Krafchick B. Aging disorders. In: Schchner LA, Hansen RC, editors. Pediatric Dermatology. Mosby; 2003: 365-8.

8. Ho A, White SJ, Rasmussen JE. Skeletal abnormalities of acrogeria, a progeroid syndrome. Skeletal Radiol. 1987;16: 463-8.

9. Greally JM, Boone LY, Lenkey SG, Wenger SL, Steele MW. Acrometageria: a spectrum of "premature aging" syndromes. Am J Med Genet. 1992;44: 334-9.

10. Gilkes JJ, Sharvill DE, Wells RS. The premature ageing syndromes. Reports of eight cases and description of a new entity named metageria. Br J Dermatol. 1974;91: 243-62.

11. Pope FM, Narcisi P, Nicholls AC, Germaine D, Pals G, Richards AJ. COL3A! mutations cause variable clinical phenotypes including acrogeria and vascular rupture. Br J Dermatol. 1996;135: 163-81.

12. Jansen T, De Paepe A, Luytinck N, Plewig G. COL3A1 mutations leading to acrogeria (Gottron type). Br J Dermatol. 2000;142: 178-9.

13. Hashimoto C, Abe M, Onozawa N, Yokoyama Y, Ishikawa O. Acrogeria (Gottron type): a vascular disorder? Br J Dermatol. 2004;151: 497-501.

 

 

Endereço para correspondência
Paula de Rezende Salomão
Rua Minas Nova, 215 / 301 - Cruzeiro
30310-090 - Belo Horizonte - MG

 

 

*Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia da Santa Casa de Belo Horizonte.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License