SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 suppl.2Departamento de psoríaseDepartamento de doenças infecciosas e parasitárias author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Anais Brasileiros de Dermatologia

On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.80  suppl.2 Rio de Janeiro June/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000900006 

INVESTIGAÇÃO CLÍNICA, EPIDEMIOLÓGICA, LABORATORIAL E TERAPÊUTICA

 

Departamento de cosmiatria

 

 

P11 - Estudo in vivo de atividade antirradicalar por quantificação de peróxidos cutâneos

 

Pytel RF; Silva LVN; Victório TPMS; Gesztesi JL; Costa A

Natura Inovação e Tecnologia de Produtos - Cajamar, SP

 

FUNDAMENTOS/OBJETIVOS: Sabe-se que nosso organismo possui eficientes mecanismos de defesa contra os radicais livres, caracterizados por um conjunto de enzimas e compostos antioxidantes que mantém essas espécies altamente reativas em concentrações sub-tóxicas. Quando ocorre um desequilíbrio entre os processos de produção e destruição das espécies reativas de oxigênio, estabelece-se uma condição em que o ataque oxidativo das biomoléculas é favorecido, o que pode propiciar diversos processos fisiológicos e patológicos, incluindo o envelhecimento cutâneo. A relação causal observada entre estresse oxidativo, diversas patologias e processos degenerativos em humanos despertou o interesse para a exploração de moléculas com atividade antioxidante, capazes de interferir com a geração dos radicais livres de oxigênio ou com as reações por eles desencadeadas. O presente trabalho propõe a utilização de um método in vivo como ferramenta da comprovação da eficácia de um novo complexo de alta atividade antioxidante, composto por acetato de tocoferila, licopeno e mistura de ácidos clorogênicos rica em ácido cafeico, incorporados a uma fórmula base. O método in vivo utilizado para comprovação da atividade antioxidante em humanos é um teste não invasivo, que avalia o estresse oxidativo celular, por meio da porcentagem de captura de radicais livres.
MATERIAL E MÉTODOS/CASUÍSTICA: Neste ensaio, a medida da taxa de peróxido cutâneo realizou-se em três sítios, dois sítios após a incidência da radiação UV, tratado e não tratado, e um sítio não tratado e não irradiado, de nove voluntários utilizando o referido complexo e nove, com placebo. A presença do peróxido foi detectada em adesivo específico que retirou uma amostra do estrato córneo dos sítios supracitados, localizados nas costas dos voluntários. A análise desses adesivos utilizou uma sonda fluorescente na presença de peróxido, sendo essa fluorescência detectada por fluorimetria (Fluoroscan II®). O cálculo da porcentagem de proteção anti-radicalar dá-se em função das unidades de fluorimetria obtidas e estatisticamente analisadas.
RESULTADOS/DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: As áreas irradiadas e tratadas com o produto contendo o complexo estudado apresentaram concentrações 116% menores (p=0,02%) de peróxidos cutâneos, com significância estatística em relação as áreas apenas irradiadas. Já as áreas irradiadas e tratadas com o placebo apresentaram concentrações apenas 49% menores (p=0,501), o que não é estatisticamente significativo em comparação com as áreas irradiadas. Os resultados obtidos indicam que a mistura de ácidos clorogênicos, rica em ácido cafeico, o licopeno, extraído do tomate, e o acetado de tocoferila, quando combinados, possuem significativa capacidade protetora da pele contra a ação de radicais livres formados a partir da exposição solar.