SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 suppl.2Departamento de cosmiatriaDepartamento de fotobiologia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.80  suppl.2 Rio de Janeiro June/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000900007 

INVESTIGAÇÃO CLÍNICA, EPIDEMIOLÓGICA, LABORATORIAL E TERAPÊUTICA

 

Departamento de doenças infecciosas e parasitárias

 

 

PP12 - Avaliação do efeito antiparasitário do omeprazol na prevenção do desenvolvimento de lesões cutâneas em hamsters infectados por Leishmania braziliensis

 

Miot HA; Costa ALB; Matsuo CY; O’dwyer LH; Miot LDB

Departamentos de Dermatologia e de Parasitologia - FMB-UNESP - Botucatu, SP

 

FUNDAMENTOS/OBJETIVOS: A leishmaniose tegumentar americana permanece uma doença endêmica em diversas regiões do país. A sobrevivência do parasita no interior dos lisossomos dos macrófagos se deve, em parte, à atividade de uma K/H-ATPase de membrana que pode ser inibida pelo omeprazol. Este trabalho objetiva avaliar a eficácia do omeprazol na prevenção do desenvolvimento de lesões de leishmaniose em hamsters.
MATERIAL E MÉTODOS/CASUÍSTICA: Empregaram-se 18 hamsters, divididos em 3 grupos de 6 elementos: o grupo L recebeu apenas a inoculação de L. braziliensis na pata D; o grupo O recebeu apenas doses diárias de 0,4 mg de omeprazol subcutâneo, e o grupo L+O recebeu o inóculo de leishmanias e o tratamento com omeprazol desde o dia da inoculação. O estudo foi conduzido por 42 dias, e foram realizadas semanalmente medidas dos diâmetros das patas, ao final do estudo foram realizados esfregaços das lesões para verificação dos parasitas.
RESULTADOS/DISCUSSÃO: Os hamsters dos grupos L e L+O desenvolveram lesões de leishmaniose tegumentar na pata D, os diâmetros das lesões foram significativamente maiores que o início do estudo e o grupo O (p<0,05 Wilcoxon), havendo franca ulceração em 2 do grupo L e 1 do grupo L+O. Ao final do estudo, a mobilidade e vitalidade do grupo L foram menores que L+O, e estas menores que o grupo O. Não houve diferença significativa entre os diâmetros das patas dos grupos L e L+O ao final do estudo (p>0,05 Mann-Withney), e foram detectados parasitas no esfregaço das lesões dos 2 grupos.
CONCLUSÃO: Omeprazol, no protocolo utilizado, não foi capaz de evitar o desenvolvimento de lesões de leishmaniose tegumentar em hamsters.

 


 

P13 - Maxadilan (MAX) - proteína salivar de Lutzomyia longipalpis: detecção de anticorpos anti-MAX em leishmaniose tegumentar americana (LTA) e expressão gênica e protéica de MAX em Lutzomyia neivai

 

Aires JMI; Chociay MFI; Nascimento MMPII; Figueiredo JFCII; Roselino AMFI

IFaculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
IIDivisão de Dermatologia e de Moléstias Infecciosas, Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

 

FUNDAMENTOS: MAX tem sido empregado em vacina experimental para leishmaniose. Sua expressão se limita a L. longipalpis, vetor do calazar.
OBJETIVO: Detectar anti-MAX em soro de pacientes com LTA e verificar a expressão de MAX em L. neivai, vetor da LTA na região estudada.
MATERIAL E MÉTODOS: Anti-MAX foi detectado por ELISA no soro de 42 pacientes com LTA e 63 controles. A extração de proteínas e de DNA de segmento cefálico de exemplares de L. longipalpis (controle positivo) e L. neivai foi realizada pelo método Trizol. Proteínas foram detectadas em gel de acrilamida e a expressão de fragmento do gene do MAX (106 bp) por PCR (Polymerase Chain Reaction), utilizando-se par de primers específico. O produto da PCR foi submetido a RFLP (Restriction Fragment Lenght Polymorphism) com as enzimas Hha I e RSA I.
RESULTADOS: Títulos de anti-MAX em LTA resultaram significativamente maiores comparados aos controles. Entre as frações protéicas, a <10kDa sugere MAX. A expressão gênica do MAX foi detectada em L. longipalpis e L. neivai, com confirmação por meio de PCR-RFLP.
DISCUSSÃO: A partir do sequenciamento do MAX, estudos têm abordado sua capacidade vasodilatadora e imunomodulatória em experimentos in vitro e com animais infectados por L. braziliensis, demonstrando o favorecimento da infecção. No entanto, quando empregado como vacina, reduz o tempo da evolução da doença. Por outro lado, salienta-se que esses experimentos têm sido realizados com leishmania responsável pela forma cutânea, enquanto a proteína salivar - MAX - só era descrita em vetor do calazar. Mais recentemente houve relato de anticorpos anti-saliva de L. intermedia em LTA. Pela primeira vez estamos demonstrando a presença de anti-MAX no soro de pacientes com LTA, chamando a atenção para a presença de anti-MAX também em controles, tornando imprescindível a pesquisa da expressão de MAX em vetor responsável pela transmissão da LTA na nossa região. Assim, também de forma inédita, fica registrada a expressão gênica de MAX em L. neivai, vetor responsável pela transmissão da LTA na nossa região, assim como a expressão de fração protéica correspondente ao MAX.
CONCLUSÕES: A população controle, apresentando anti-MAX, confirma a exposição a picadas de flebótomos. Diante dos títulos anti-MAX maiores na amostra de LTA, com lesões cutâneas e mucosas em atividade, sugere-se que a exposição prévia e natural à proteína MAX não estaria conferindo proteção imunológica contra a leishmaniose tegumentar, desfavorecendo seu emprego em vacinação.

 


 

P14 - Métodos subsidiários para o diagnóstico da leishmaniose tegumentar americana (LTA): comparação dos resultados do sequenciamento de DNA e da PCR-RFLP para determinação da espécie de leishmania em amostras cutâneo-mucosas

 

Garcia FCB; Rodrigues SS; Chociay MF; Medeiros ACR; Roselino AMF

Divisão de Dermatologia, Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP - Ribeirão Preto, SP

 

INTRODUÇÃO: A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é endêmica no Brasil, sendo que métodos moleculares têm se mostrados mais eficazes para o seu diagnóstico.
OBJETIVOS: Comparar os resultados dos exames - intradermorreação de Montenegro (IRM), pesquisa de leishmania em biópsia cutânea (Bx), reação de imunofluorescência indireta (RIFI) para leishmania, PCR, sequenciamento e PCR-RFLP (Polymerase Chain Reaction-restriction Fragment Lenght Polymorphism) - entre si, e com dados demográficos e epidemiológicos de pacientes com LTA.
MATERIAL E MÉTODOS/CASUÍSTICA: Foram estudados 152 pacientes, com realização de IRM, Bx, RIFI e PCR para pesquisa de leishmania em amostra de pele, utilizando-se par de primers específico para seqüência de 120 bp de kDNA do minicírculo, comum a todas espécies de leishmanias. O produto da PCR foi utilizado para sequenciamento e para RFLP com a enzima Hae III. A análise do padrão de restrição foi comparada às culturas de L. (L.) amazonensis e L. (V.) braziliensis.
RESULTADOS: O sexo predominante foi o masculino, com 75% dos casos, a cor predominante, a branca (80%) e a ocupação profissional predominante, urbana (48%). A idade variou de 3 a 77 anos, com predomínio de 21 a 50 anos (56,5%). Em relação à procedência, 65,8% eram do estado de São Paulo, sendo a forma cutânea (79,6%) a mais encontrada. A IRM apresentou positividade em 73,4% e o exame histopatológico evidenciou a presença de leishmanias em 30,6% das amostras, enquanto a RIFI apresentou 59,7% de positividade. A PCR foi positiva em 81,6% e a PCR-RFLP identificou L. braziliensis (66%) como espécie predominante, fato que também ocorreu com o sequenciamento, com 64,4% das amostras positivas para L. braziliensis. A PCR foi o melhor método na detecção da doença, ficando a Bx com os menores valores de detecção, somente não havendo significância estatística entre a IRM e a PCR. Na comparação entre a PCR-RFLP e o sequenciamento, encontrou-se 61% de concordância entre os resultados, mostrando significância para PCR-RFLP para L. braziliensis.
DISCUSSÃO: O método PCR-RFLP representa menor custo e menor tempo de execução comparado ao sequenciamento de DNA, no que diz respeito aos reagentes e a equipamentos.
CONCLUSÃO: Concluímos que a IRM e a PCR são estatisticamente equivalentes como métodos subsidiários para o diagnóstico da LTA, lembrando que a IRM não tem tanto valor em área endêmica, e que a PCR-RFLP e o sequenciamento são equivalentes e eficazes na identificação das espécies de leishmania.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License