SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 suppl.2Departamento de hanseníaseDepartamento de doenças bolhosas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.80  suppl.2 Rio de Janeiro June/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000900011 

INVESTIGAÇÃO CLÍNICA, EPIDEMIOLÓGICA, LABORATORIAL E TERAPÊUTICA

 

Departamento de doenças infecciosas e parasitárias

 

 

PP18 - Dermatite infecciosa associada ao HTLV-I (DIH) infanto-juvenil e do adulto - Revisão

 

Bittencourt ALI; Oliveira MFII

ILaboratório de Patologia
IIDepartamento de Medicina da UFBA
Estudo financiado pelo CNPq e FAPESB

 

INTRODUÇÃO: A dermatite infecciosa foi descrita em 1966, na Jamaica, como eczema crônico, infectado e recidivante da infância caracterizado por lesões eritêmato-escamosas, exsudativas e crostosas. Em 1990, no mesmo país, foi relacionada a infecção pelo vírus linfotrópico para células T humanas (HTLV-I) e passou a designar-se de dermatite infecciosa associada ao HTLV-I (DIH). Em 1998, La Grenade et al. estabeleceram os critérios diagnósticos da doença, que permitem diferenciá-la das dermatites atópica e seborréica. No Brasil, há relato na literatura de um caso observado no Rio de Janeiro e de 23 na Bahia, todos diagnosticados em crianças e adolescentes. Não há referência na literatura a DIH iniciada na vida adulta. A mielopatia associada ao HTLV-I/paraparesia espástica tropical (MAH/PET) caracteriza-se, principalmente, por paraparesia progressiva e espástica que afeta, principalmente, os tratos piramidais. Em crianças, há raras referências a associação de DIH e MAH/PET. Recentemente, na Bahia, foram descritos 6 casos dessa associação em crianças e adolescentes.
RELATO DOS CASOS: Dois casos do sexo feminino, com 49 e 45 anos, com DIH de aparecimento tardio há 0,6 anos e 11 anos, respectivamente. Sorologia positiva para o HTLV-I (ELISA com confirmação pelo Western blot). Um caso é associado a MAH/PET. Ambos apresentam lesões eritêmato-escamosas infectadas no couro cabeludo, fronte, pescoço, abdômen, dorso e em algumas dobras, com discreto prurido. Um caso tem lesão nas narinas. Houve boa resposta ao tratamento com sulfametoxazol/ trimetoprim, com recidiva quando da retirada das drogas. Foram realizadas biópsias e estudo imunoistoquímico usando os seguintes anticorpos: anti-CD3, CD45RO, CD20, CD79a, CD4, CD8 (técnica da estreptavidina-biotina-peroxidase) e TIA-1, gramzime-B e perforina (técnica da imunofosfatase).
COMENTÁRIOS:O infiltrado inflamatório era constituído predominantemente por linfócitos CD8+ que não apresentavam granulações TIA+, granzime B+ e perforina+, indicando tratar-se de linfócitos citotóxicos não ativados. Em um caso, havia epidermotropismo de linfócitos. Foi feito diagnóstico diferencial com micose fungóide e psoríase. O diagnóstico diferencial com dermatite atópica (DA) e seborreica (SD) foi feito devido a: 1) diferente distribuição das lesões; 2) presença de lesões exsudativas e infectadas; 3) discreto prurido; 4) boa resposta a sulfa; 5) achados imunoistoquímicos diferentes dos observados na DA e DS, nas quais há predomínio de linfócitos CD4+ e presença de granulações citotóxicas. Conclui-se que a DIH pode iniciar-se na vida adulta e associar-se a MAH/PET, como acontece com a DIH da infância e adolescência.
MOTIVO DA APRESENTAÇÃO: Constituem os primeiros casos documentados de DIH do adulto.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License