SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 suppl.2Departamento de doenças bolhosasDepartamento de alergia dermatológica author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.80  suppl.2 Rio de Janeiro June/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000900013 

INVESTIGAÇÃO CLÍNICA, EPIDEMIOLÓGICA, LABORATORIAL E TERAPÊUTICA

 

Departamento de biologia e genética molecular

 

 

PP21 - Telangiectasia Hemorrágica Hereditária: ácido tranexâmico no tratamento de úlcera plantar

 

Albuquerque GC; Quinete SS; de Oliveira CR; Terra DP; Carvalho CRSC

Serviço de Dermatologia do Hospital Central do IASERJ - Rio de Janeiro, RJ

 

INTRODUÇÃO: A Telangiectasia Hemorrágica Hereditária ou Doença de Rendu-Osler-Weber (ROW) é uma doença autossômica dominante caracterizada por telangiectasias ou malformações arteriovenosas (MAV) que afetam o mucocutâneo, o trato gastrointestinal, os pulmões e o cérebro.
RELATO DE CASO: AGM, masculino, 63 anos, negro, refere há 9 meses sangramento diário em úlcera na planta do pé esquerdo. Sangramento nasal recorrente desde a infância. História de hipertensão arterial e acidente vascular cerebral. Mãe e irmã portadoras da doença de ROW. Ex-tabagista. Ao exame, apresentava telangiectasias em regiões palmo-plantares e orofaringe e ulceração de 3x2cm localizada na face plantar do hálux esquerdo, com sangramento persistente e “em jato”, sugestivo de sangramento arterial. Na endoscopia digestiva alta havia telangiectasias em esôfago, estômago e duodeno. A TC cerebral evidenciou área de infarto extenso em hemisfério direito e na angio TC havia redução no calibre na artéria cerebral média direita. Após tentativas de oclusão da úlcera por curativos compressivos, optamos pelo uso sistêmico do Ácido Tranexâmico (dose de 25mg/kg/dia) por 30 dias. Houve sucesso terapêutico com cicatrização da lesão e redução da epistaxe nasal.
DISCUSSÃO: Classificamos como síndrome de ROW por possuir todos 4 critérios: 1) Epistaxe espontânea e recorrente. 2) Múltiplas telangiectasias visíveis. 3) MAV gastrointestinal, pulmonar, hepática, cerebral e medular. 4) História familiar positiva (parente de 1º grau com a doença). A incidência é de 1 a 5 em cada 8000 habitantes. MAV pulmonares e cerebrais são os principais fatores de mortalidade. A base teórica para atuarmos com um medicamento anti-fibrinolítico se deve a atividade fibrinolítica excessiva, localizada apenas nas lesões angiodisplásicas desta síndrome. O ácido tranexâmico e o ácido aminocapróico impedem a degradação da fibrina, permitindo a formação de coágulos apenas no local. O sucesso da terapia antifibrinolítica na doença ROW foi descrito para epistaxe e sangramentos dos tratos gastrointestinal e genitourinário.
MOTIVO DA APRESENTAÇÃO: Esta é a primeira vez que se descreve o uso desse tipo de medicação para sangramento de úlcera de perna nessa doença. Incentivamos o uso desse medicamento para outros tipos de úlcera com sangramento ativo.

 


 

PP22 - Síndrome REM associada a lúpus eritematoso sistêmico e hipotiroidismo

 

Dias ED; Schettini AP; Lima IC; Albuquerque MS; Souza IS

Fundação Alfredo da Matta – Manaus, AM

 

INTRODUÇÃO: A mucinose eritematosa reticulada é uma síndrome crônica e rara que afeta adultos jovens e de meia idade, principalmente do sexo feminino, e ocorre raramente crianças. Clinicamente é caracterizada por máculas eritematosas reticulares, pápulas e placas localizadas em área central do tórax e dorso de forma simétrica. Tem etiologia desconhecida mas alguns estudos mostram que a luz representa um fator relevante na patogênese; está associada com a produção de uma paraproteína monoclonal e há também evidencias de influência hormonal.
RELATO DO CASO: Paciente do sexo feminino, 39 anos. Há aproximadamente um mês queixando-se de lesões pruriginosas em membros superiores e “inchaço“ no corpo.
EXAME FÍSICO: Letárgica, fácies mixedematosa, apresentando em membros superiores lesões em placas reticuladas, eritematosas, infiltradas, endurecidas, além de edema em membros inferiores com cacifo ++/4, abdômen ascítico. Ausculta pulmonar murmúrio vesicular fisiológico, diminuído em bases com creptantes bilaterais, ausculta cardíaca: ritmo regular, em 2 tempos, bulhas normofonéticas sem sopros. Evoluiu na enfermaria com períodos de agitação psicomotora e alternava períodos de diarréia e constipação intestinal.
EXAMES COMPLEMENTARES: Hemograma HTC=28, FAN- 1:5120, TSH= 31.9, T4 livre= 0,20, HIV= negativo, USG = ascite e hepatomegalia, Endoscopia digestiva alta= Candidíase, Ecocardiograma= derrame pericárdico, Rx tórax: derrame pleural bilateral, A histopatologia mostrou infiltrado linfohistiocitario perivascular, a colocarão alcian blue mostrou presença de grande deposito de mucina em toda a derme.
TRATAMENTO: Cloroquina 250 mg/dia, prednisona 60mg/dia, tiroxina 25 mg/dia, fluconazol 150mg/dia e furosemida 40mg 6/6 h com excelente resposta.
DISCUSSÃO: Em aproximadamente 20% dos casos da síndrome REM há associação com outras doenças sistêmicas, especialmente auto-imunes, como o lúpus eritematoso sistêmico, hipotiroidismo, hipertiroidismo, diabetes mellitus e púrpura trombocitopênica, além de carcinomas, não se resumindo e portanto somente a manifestações cutâneas. O caso apresentado mostrou associação entre a síndrome REM e hipotiroidismo. Essa associação já foi relatada na literatura.
MOTIVO DA APRESENTAÇÃO: Raridade da síndrome.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License