SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 suppl.2Departamento de cabelos e unhasDepartamento de cosmiatria dermatológica author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Anais Brasileiros de Dermatologia

On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.80  suppl.2 Rio de Janeiro June/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005000900028 

CASO CLÍNICO

 

Departamento de cirurgia dermatológica

 

 

PO91 - Excisão em "meia lua" para tratamento da paroníquia crônica

 

Di Chiachio N; Loures SA; Tassara G; Finamor DC

Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo, SP

 

INTRODUÇÃO: A Paroníquia Crônica é caracterizada pelo processo inflamatório intermitente na região do eponíquio, provocando hipertrofia, eritema, dor e distrofia da unha. Tem como fator etiológico a dermatite de contato e, secundariamente, a infecção por gram negativos e fungos, principalmente leveduras. O tratamento clínico é feito removendo-se os contactantes, controle da infecção secundária e corticoterapia tópica ou intralesional. O tratamento cirúrgico consiste na remoção da dobra posterior, conforme apresentada.
RELATO DOS CASOS: Foram tratadas três pacientes que apresentavam história de inflamação e dor, com drenagem de secreção purulenta, de caráter intermitente, nos quirodáctilos. Em todos os casos observamos eritema e hipertrofia da região do eponíquio, acompanhados de distrofia ungueal. Todos os casos tinham sido tratados clinicamente sem sucesso. A cirurgia foi feita sob anestesia local. A excisão foi realizada em forma de meia lua, com largura variando de 5 a 10 mm, removendo-se o eponíquio sem o envolvimento da placa ungueal. O curativo foi feito de maneira compressiva para evitar sangramento, uma vez que não utilizamos eletrocoagulação, evitando assim danos teciduais ou ungueais. A primeira troca da bandagem foi após 48 horas com colocação de um novo curativo menor e mais confortável para o paciente, sendo orientada a troca diária, além da lavagem e uso de antibiótico tópico. A cicatrização ocorreu por segunda intenção, com resolução completa em 10 a 15 dias. A dor no pós-operatório foi facilmente controlada com analgésico.
DISCUSSÃO: Os tratamentos com antibióticos e corticoterapia tópica ou intralesional especificamente no caso de Paroniquia Crônica apresentam resposta demorada, parcial e temporária com recorrência após a interrupção da terapia. O tratamento cirúrgico é eficaz e apresenta bom resultado estético. A retração observada do eponíquio e conseqüente aumento longitudinal da placa ungueal melhoram a estética da mão, anteriormente comprometida, bem como a satisfação do paciente.
MOTIVO DA APRESENTAÇÃO: O tratamento cirúrgico da Paroníquia Crônica apresenta facilidade técnica, rapidez operatória, pós-operatório simples, além da resolução completa e definitiva.

 


 

PO92 - Tratamento cirúrgico da paroníquia crônica

 

Charlin R; Bolzani FCB; Stefani M; Mendonça IRSM; Sales PPN

Instituto de Dermatologia Prof. Rubem David Azulay da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro - CEU - Centro de Estudo da Unha

 

INTRODUÇÃO: A paroníquia crônica se caracteriza pelo eponíquio hipertrófico, de consistência fibrótica, abaulado, hipercrômico e em geral a cutícula não está presente. Forma-se um espaço virtual entre a dobra ungueal proximal e a lâmina ungueal criando um ambiente propício ao desenvolvimento de leveduras e bactérias com drenagem freqüente de pus. É caracterizada como uma dermatose ocupacional por ser freqüentemente encontrada em domésticas, enfermeiras, garçons, pescadores, mecânicos e outros profissionais que emergem freqüentemente as mãos em água e irritantes. Os casos de paroníquia crônica mostram resistência aos tratamentos clínicos habituais com freqüentes recidivas. O tratamento cirúrgico torna-se uma boa opção para a resolução desses casos.
RELATO DE CASO: Paciente de sexo feminino, negra, 45 anos. História de 20 anos de paroníquia no segundo quirodátilo esquerdo e direito, com múltiplos tratamentos insatisfatórios. Ao exame físico apresentava paroníquia, cromoníquia difusa e sulcos de beau nos segundo quirodáctilo esquerdo e direito. Exame micológico direto do eponíquio foi positivo para pseudo-hifas e blastoconídeos, e a cultura positiva para Candida sp. Com tratamento tópico com ciclopiroxolamina por 2 meses não houve resposta satisfatória. Foi realizada então cirurgia com exérese em arco da dobra ungueal proximal dos dedos acometidos.
DISCUSSÃO: Descrita por Keaser e Eatom em 1975 a técnica cirúrgica para correção da paroníquia crônica deve ser conhecida e dominada pelo dermatologista por se tratar de uma boa opção para o tratamento de uma onicose bastante freqüente na prática cotidiana. Trata-se de uma técnica relativamente simples, rápida e feita ambulatorialmente. O princípio básico é a exposição do tecido germinativo da matriz ungueal evitando a umidade e aumento da temperatura local inibindo a distrofia da unha e do tecido periungueal. Indica-se o tratamento cirúrgico para os casos crônicos e recidivantes de paroníquia.
MOTIVO DA APRESENTAÇÃO: Demonstrar o tratamento cirúrgico da paroníquia crônica, que se baseia na remoção em cunha e em bloco da dobra ungueal proximal com exteriorização da matriz ungueal, hemostasia compressiva e cicatrização por segunda intenção da área cruenta.

 


 

PO93 - Dermoabrasão como altenativa eficaz de tratamento para tricoepitelioma

 

Vandresen N; Machado APB; Sandri CL; Kojima D

Hospital Universitário Evangélico de Curitiba - Paraná, PR

 

INTRODUÇÃO: O Tricoepitelioma múltiplo é um tumor benigno da pele, de diferenciação folicular, que representa um problema estético significante principalmente em jovens. É uma doença rara, de transmissão autossômica dominante em sua forma múltipla. Também pode se apresentar de forma esporádica, como uma lesão solitária. Tipicamente, as primeiras lesões aparecem na infância e gradualmente aumentam em número. Localizam-se principalmente no sulco naso-labial, mas também na face, couro cabeludo, pescoço e tronco superior. Múltiplas formas de tratamento são reportadas na literatura: criocirurgia, eletrocoagulação, dermoabrasão, laser de CO2. A dermoabrasão é um procedimento cirúrgico efetivo para o tratamento de várias condições dermatológicas.
RELATO DE CASO: Paciente feminina, 42 anos, fototipo IV, apresenta-se ao serviço de dermatologia com queixa de múltiplas lesões assintomáticas em face e couro cabeludo desde os 13 anos de idade. Negava outras patologias ou uso de medicações. Mãe e irmã com lesões semelhantes. Ao exame, apresentava múltiplas pápulas de coloração rósea, coalescentes, formando extensa placa, comprometendo toda face. Feito biópsia incisional para diagnóstico histopatológico, o qual foi compatível com tricoepitelioma. Realizado tratamento com dermoabrasão em três etapas. Na primeira, o procedimento foi feito em pequena área, para avaliação do resultado. Após, foi realizado em região malar, mandibular e lateral da face e uma terceira etapa em região frontal.
DISCUSSÃO: A dermoabrasão é um método cirúrgico que consiste na remoção mecânica da epiderme e derme superficial, reconstruindo uma nova camada epidérmica e dérmica superficial a partir de anexos da derme profunda. É indicada para cicatrizes de acne, rugas finas e de média profundidade, estrias e cicatrizes causadas por diversos tipos de trauma. Utiliza equipamento relativamente barato e apresenta baixo índice de complicações pós-operatórias como alteração da pigmentação, cicatrizes hipertróficas, quelóides e formação de mília.
MOTIVO DA APRESENTAÇÃO: Descrever a dermoabrasão como método seguro, barato, efetivo e com poucos efeitos colaterais, para o tratamento de lesões como o tricoepitelioma. Além disso, proporciona um bom resultado estético se realizado apropriadamente.

 


 

PO94 - Tratamento de cinco casos de lipodistrofia por transplante de gordura autóloga

 

Yokomizo VMF; Benemond TMH; Kadunc BV

Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo - CEDEM - São Paulo, SP

 

INTRODUÇÃO: O tecido adiposo tem sido usado para recuperação de atrofias do subcutâneo há mais de um século, sendo o enxerto autólogo de gordura uma técnica simples e que proporciona ótimos resultados no preenchimento dessas depressões, seja de causa estética (envelhecimento) ou por patologias. Inúmeras publicações mostram os benefícios no campo de rejuvenescimento e de correção de seqüelas. Existe, porém, a necessidade de reaplicações seriadas, devido à reabsorção imprecisa da gordura injetada. Vários estudos foram direcionados principalmente, na tentativa de prolongar a vida dos enxertos. Serra-Renom utilizou esse procedimento para o tratamento de lipoatrofia pelo HIV e Lapière preencheu depressões conseqüentes a esclerodermia e secundárias a traumas.
RELATO DOS CASOS: Os autores apresentam cinco casos de lipodistrofia de causas patológicas diversas, tratados com transplante autólogo de gordura. O primeiro, paciente feminina com seqüela de radioterapia para tratamento de hemangioma na pálpebra e fronte na infância, o segundo, paciente feminina, com atrofia hemifacial após quadro febril há 25 anos, o terceiro, paciente masculino com lesão estabilizada de esclerodermia em "coup de sabre", os dois últimos casos de correção de cicatriz cirúrgica deprimida após ressecção de tumores em região supra trocantérica (lipoma) e antebraço (melanoma). Os pacientes receberam de três a quatro sessões de lipoenxertia, sendo a primeira de gordura fresca e as demais de gordura congelada, até um substancial preenchimento das áreas de atrofia.
JUSTIFICATIVA DA APRESENTAÇÃO: Correção de lesões atróficas residuais de difícil tratamento, com excelente evolução estética, trazendo benefícios psicológicos importantes e melhora significativa na qualidade de vida.

 


 

PO95 - Dermatofibrossarcoma de crescimento endofítico na face - Relato de caso tratado com cirurgia micrográfica de Mohs

 

Bloch LD; Pimentel ERA

Ambulatório de Cirurgia Micrográfica de Mohs - Departamento de Dermatologia - Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - São Paulo, SP

 

INTRODUÇÃO: Dermatofibrossarcoma Protuberante (DFSP) é uma neoplasia infiltrativa cutânea rara, localmente agressiva, de malignidade intermediária e que raramente metastatiza. Sua localização preferencial é o tronco e geralmente surge entre a segunda e a quinta décadas de vida. Nos DFSP de cabeça e pescoço, o prognóstico é pior.
RELATO DE CASO: Paciente feminina, 46 anos, natural e procedente de São Paulo, procurou o dermatologista para a realização de procedimento estético de preenchimento dos sulcos naso-genianos. À palpação, notou-se pequena placa subcutânea endurecida no sulco naso-geniano direito. Realizou-se exame histopatológico da lesão, com as hipóteses de dermatofibroma, fibroma e dermatofibrossarcoma. O exame microscópico revelou proliferação neoplásica de células fusiformes com atipias nucleares e infiltração do tecido subcutâneo, derme profunda e reticular. A ultrassonografia de subcutâneo evidenciou imagens nodulares sólidas com até 3 mm de diâmetro, enquanto a ressonância magnética demonstrou espessamento difuso e homogêneo da pele na região malar e no sulco naso-geniano direito. O perfil imunohistoquímico positivo para CD34 e negativo para os demais antígenos foi compatível com dermatofibrossarcoma protuberans. A paciente foi submetida a cirurgia micrográfica de Mohs, sendo que a ressecção completa foi atingida após cinco fases cirúrgicas. Havia comprometimento profundo até o tecido músculo-esquelético Foi realizada reconstrução conjunta com a equipe de cirurgia plástica. A paciente está em seguimento há 12 meses sem sinais de recidiva.
DISCUSSÃO: A cirurgia micrográfica de Mohs é tratamento de escolha para dermatofibrossarcoma, por promover alta incidência de cura e máxima conservação tecidual, já que este apresenta significativo potencial para recorrências (a taxa de recorrência é de 2,4% na cirurgia micrográfica de Mohs, comparada com taxa de recorrência de 11% para excisão cirúrgica local com margens de 3 cm). Trata-se de tumor responsivo a radioterapia, como tratamento adjuvante a ressecção cirúrgica se houver margens comprometidas. Imatinib, um receptor de proteínas tirosina-quinase, pode ser uma alternativa de tratamento para tumores de difícil ressecção ou ainda como adjuvante cirúrgico.