SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.81 suppl.3Telogen effluvium after contact dermatitis in the scalpFocal acral hyperkeratosis: case report and discussion on marginal keratodermas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.81  suppl.3 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962006000900008 

CASO CLÍNICO

 

Hemangioma verrucoso*

 

 

Emmanuel Rodrigues de FrançaI; Aldejane GurgelII; Trícia CamposII; Juliana de A. SouzaII; Kelly França; Renata AzevedoII

IDoutor e Livre-Docente em Dermatologia. Professor Adjunto e Chefe do Serviço de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, Universidade de Pernambuco (UPE) – Recife (PE), Brasil
IIMédico Dermatologista

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

O hemangioma verrucoso é malformação vascular, incomum, caracterizada por dilatação e proliferação vascular na derme e no subcutâneo com alterações reativas da epiderme. Os autores relatam um caso de hemangioma verrucoso fazendo breve revisão de seus aspectos clínicos, histopatológicos e terapêuticos.

Palavras-chave: Hemangioma; Malformações arteriovenosas; Terapêutica


 

 

INTRODUÇÃO

O hemangioma verrucoso é malformação vascular incomum, algumas vezes clinicamente confundida com o angioqueratoma circunscrito. Costuma surgir ao nascimento ou no início da infância, como lesão plana, tendendo a crescer proporcionalmente ao desenvolvimento corporal no decorrer dos anos.1,2-10 Apresenta-se caracteristicamente como pápulas, placas ou nódulos vasculares de coloração azulada, com superfície verrucosa e disposição linear, unilateral, localizados habitualmente nos membros inferiores.3 Histologicamente apresenta vascularização aumentada desde a derme ao tecido celular subcutâneo, sendo sua recorrência comum após terapia convencional com crioterapia ou eletrocoagulação.3

Os autores relatam um caso de hemangioma verrucoso acometendo o antebraço, localização não habitual.

 

RELATO DO CASO

Paciente de 23 anos, do sexo feminino, faiodérmica, natural e procedente de Santa Maria da Boa Vista, PE, referia o surgimento de lesões assintomáticas há 10 anos, localizadas no antebraço direito, com crescimento progressivo. Negava tratamentos prévios. Ao exame dermatológico apresentava lesões tumorais, eritêmato-violáceas, de superfície verrucosa, com arranjo arciforme, centro atrófico-cicatricial e dispostas de forma linear na face extensora da mão e antebraço direito (Figuras 1, 2 e 3). O estudo anatomopatológico (Figuras 4 e 5) de um fragmento da lesão evidenciou hiperceratose pronunciada, acantose irregular, papilomatose e proliferação vascular na derme superficial e profunda com extensão para o tecido subcutâneo. Com base nesses achados histológicos foi estabelecido o diagnóstico de hemangioma verrucoso, sendo a paciente encaminhada para exérese profunda da lesão.

 



 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

O hemangioma verrucoso é entidade incomum que tem sido relatada na literatura com variedade de nomes, incluindo: hemangioma unilateral neviforme; hemangioma verrucoso unilateral; nevus vascular unilateral; nevus angioqueratótico.4

Surge como máculas eritêmato-azuladas, bem circunscritas, que, entretanto, com o tempo aumentam em tamanho, adquirem coloração eritêmato-violácea, e sua superfície torna-se verrucosa e hiperceratósica.1 Os aspectos verrucoso e hiperceratósico da lesão são considerados reação a injúrias como trauma e infecção.5,6,9

Ao contrário da paciente aqui relatada, que apresentava lesão no antebraço, em cerca de 95% dos casos o hemangioma verrucoso encontra-se localizado nas extremidades inferiores.4 Na histopatologia, caracteriza-se pela presença de proliferação angiomatosa com vasos dilatados estendendo-se para derme reticular e tecido subcutâneo.6,7 A epiderme mostra acantose e hiperceratose em graus variados, podendo em algumas áreas encontrar-se atrofia.2,8-10 Crostas hemáticas ou melicéricas podem ser encontradas na camada córnea indicando trauma prévio ou infecção secundária,4 como também fibrose e fragmentação de fibras elásticas são ocasionalmente observadas na derme.10

Um importante diagnóstico diferencial do hemangioma verrucoso é o angioqueratoma circunscrito, em essência uma ectasia vascular usualmente observada nos membros inferiores, sobretudo de mulheres. Apesar das semelhanças clínicas e histológicas, ele pode ser distinguido do hemangioma verrucoso pela restrição do componente vascular à derme superficial.1,8

Em contraste com o angioqueratoma circunscrito, o hemangioma verrucoso não responde bem aos meios comuns de terapia física como crioterapia, eletrocoagulação e laserterapia, apresentando recorrências freqüentes. Isso ocorre devido a sua extensão até o tecido celular subcutâneo, sendo necessária excisão profunda e ampla ou, em casos de lesões maiores, excisão seguida por enxertos de pele.1,4,5

Por essas razões, o diagnóstico e intervenção cirúrgica precoces, com exérese da lesão ainda em pequenas dimensões, são fundamentais para a obtenção de um melhor resultado cosmético.

 

REFERÊNCIAS

1. Tan YY, Seah CS, Tan PH. Verrucous hemangioma: a case report. Ann Acad Med Singapore. 1998;27:255-7.         [ Links ]

2. Kawaguchi H, Kawaguchi T, Ishii N, Nakajima H, Ichiyama S. Verrucous hemangioma. Acta Derm Venereol. 1997;77:405-6.        [ Links ]

3. Wentscher U, Happle R. Linear verrucous hemangioma. J Am Acad Dermatol. 2000;42:516-8.         [ Links ]

4. Calduch L, Ortega C, Navarro V, Martinez E, Molina I, Jorda E. Verrucous hemangioma: report of two cases and review of the literature. Pediatr Dermatol. 2000;17:213-7.        [ Links ]

5. Wong DS, Hunt SJ, Inserra DW, Avell E. Unilateral Keratotic vascular lesion on the leg. Verrucous hemangioma. Arch Dermatol. 1996;132:705-8.        [ Links ]

6. Imperial R, Helwig EB. Verrucous hemangioma. A clinicopathologic study of 21 cases. Arch Dermatol. 1967;96:247-53.        [ Links ]

7. Mankani MH, Dufresne CR. Verrucous malformations: their presentation and management. Ann Plast Surg. 2000;45:31-6.         [ Links ]

8. Fitzpatrick TB, Eisen AZ, Wolff K, Freedberg IM, Austen KF, eds. Dermatology in general medicine. 4th ed. New York: McGraw-Hill; 1993. p.1219.        [ Links ]

9. Arthur R, Wilkinson DS, Ebling FJG, Champion RH, eds. Textbook of Dermatology. 6th ed. Oxford: Oxford University Press; 1998. p.567.        [ Links ]

10. Alice CZ, Neftalí NV. Angioma verrucoso congénito. Rev Chil Dermatol. 1996;12:158.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Emmanuel Rodrigues de França
Av. Boa Viagem, 6372 - apto 701
51130-000 - Recife - PE
Tel.: (81) 9927-6720

Recebido em 22.11.2002.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.07.2006.

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, Universidade de Pernambuco (UPE) – Recife (PE), Brasil.
Conflito de interesse declarado: Nenhum