SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.81 suppl.3Telogen effluvium after contact dermatitis in the scalpFocal acral hyperkeratosis: case report and discussion on marginal keratodermas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596
On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.81  suppl.3 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962006000900008 

CASO CLÍNICO

 

Hemangioma verrucoso*

 

 

Emmanuel Rodrigues de FrançaI; Aldejane GurgelII; Trícia CamposII; Juliana de A. SouzaII; Kelly França; Renata AzevedoII

IDoutor e Livre-Docente em Dermatologia. Professor Adjunto e Chefe do Serviço de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, Universidade de Pernambuco (UPE) – Recife (PE), Brasil
IIMédico Dermatologista

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

O hemangioma verrucoso é malformação vascular, incomum, caracterizada por dilatação e proliferação vascular na derme e no subcutâneo com alterações reativas da epiderme. Os autores relatam um caso de hemangioma verrucoso fazendo breve revisão de seus aspectos clínicos, histopatológicos e terapêuticos.

Palavras-chave: Hemangioma; Malformações arteriovenosas; Terapêutica


 

 

INTRODUÇÃO

O hemangioma verrucoso é malformação vascular incomum, algumas vezes clinicamente confundida com o angioqueratoma circunscrito. Costuma surgir ao nascimento ou no início da infância, como lesão plana, tendendo a crescer proporcionalmente ao desenvolvimento corporal no decorrer dos anos.1,2-10 Apresenta-se caracteristicamente como pápulas, placas ou nódulos vasculares de coloração azulada, com superfície verrucosa e disposição linear, unilateral, localizados habitualmente nos membros inferiores.3 Histologicamente apresenta vascularização aumentada desde a derme ao tecido celular subcutâneo, sendo sua recorrência comum após terapia convencional com crioterapia ou eletrocoagulação.3

Os autores relatam um caso de hemangioma verrucoso acometendo o antebraço, localização não habitual.

 

RELATO DO CASO

Paciente de 23 anos, do sexo feminino, faiodérmica, natural e procedente de Santa Maria da Boa Vista, PE, referia o surgimento de lesões assintomáticas há 10 anos, localizadas no antebraço direito, com crescimento progressivo. Negava tratamentos prévios. Ao exame dermatológico apresentava lesões tumorais, eritêmato-violáceas, de superfície verrucosa, com arranjo arciforme, centro atrófico-cicatricial e dispostas de forma linear na face extensora da mão e antebraço direito (Figuras 1, 2 e 3). O estudo anatomopatológico (Figuras 4 e 5) de um fragmento da lesão evidenciou hiperceratose pronunciada, acantose irregular, papilomatose e proliferação vascular na derme superficial e profunda com extensão para o tecido subcutâneo. Com base nesses achados histológicos foi estabelecido o diagnóstico de hemangioma verrucoso, sendo a paciente encaminhada para exérese profunda da lesão.

 



 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

O hemangioma verrucoso é entidade incomum que tem sido relatada na literatura com variedade de nomes, incluindo: hemangioma unilateral neviforme; hemangioma verrucoso unilateral; nevus vascular unilateral; nevus angioqueratótico.4

Surge como máculas eritêmato-azuladas, bem circunscritas, que, entretanto, com o tempo aumentam em tamanho, adquirem coloração eritêmato-violácea, e sua superfície torna-se verrucosa e hiperceratósica.1 Os aspectos verrucoso e hiperceratósico da lesão são considerados reação a injúrias como trauma e infecção.5,6,9

Ao contrário da paciente aqui relatada, que apresentava lesão no antebraço, em cerca de 95% dos casos o hemangioma verrucoso encontra-se localizado nas extremidades inferiores.4 Na histopatologia, caracteriza-se pela presença de proliferação angiomatosa com vasos dilatados estendendo-se para derme reticular e tecido subcutâneo.6,7 A epiderme mostra acantose e hiperceratose em graus variados, podendo em algumas áreas encontrar-se atrofia.2,8-10 Crostas hemáticas ou melicéricas podem ser encontradas na camada córnea indicando trauma prévio ou infecção secundária,4 como também fibrose e fragmentação de fibras elásticas são ocasionalmente observadas na derme.10

Um importante diagnóstico diferencial do hemangioma verrucoso é o angioqueratoma circunscrito, em essência uma ectasia vascular usualmente observada nos membros inferiores, sobretudo de mulheres. Apesar das semelhanças clínicas e histológicas, ele pode ser distinguido do hemangioma verrucoso pela restrição do componente vascular à derme superficial.1,8

Em contraste com o angioqueratoma circunscrito, o hemangioma verrucoso não responde bem aos meios comuns de terapia física como crioterapia, eletrocoagulação e laserterapia, apresentando recorrências freqüentes. Isso ocorre devido a sua extensão até o tecido celular subcutâneo, sendo necessária excisão profunda e ampla ou, em casos de lesões maiores, excisão seguida por enxertos de pele.1,4,5

Por essas razões, o diagnóstico e intervenção cirúrgica precoces, com exérese da lesão ainda em pequenas dimensões, são fundamentais para a obtenção de um melhor resultado cosmético.

 

REFERÊNCIAS

1. Tan YY, Seah CS, Tan PH. Verrucous hemangioma: a case report. Ann Acad Med Singapore. 1998;27:255-7.         [ Links ]

2. Kawaguchi H, Kawaguchi T, Ishii N, Nakajima H, Ichiyama S. Verrucous hemangioma. Acta Derm Venereol. 1997;77:405-6.        [ Links ]

3. Wentscher U, Happle R. Linear verrucous hemangioma. J Am Acad Dermatol. 2000;42:516-8.         [ Links ]

4. Calduch L, Ortega C, Navarro V, Martinez E, Molina I, Jorda E. Verrucous hemangioma: report of two cases and review of the literature. Pediatr Dermatol. 2000;17:213-7.        [ Links ]

5. Wong DS, Hunt SJ, Inserra DW, Avell E. Unilateral Keratotic vascular lesion on the leg. Verrucous hemangioma. Arch Dermatol. 1996;132:705-8.        [ Links ]

6. Imperial R, Helwig EB. Verrucous hemangioma. A clinicopathologic study of 21 cases. Arch Dermatol. 1967;96:247-53.        [ Links ]

7. Mankani MH, Dufresne CR. Verrucous malformations: their presentation and management. Ann Plast Surg. 2000;45:31-6.         [ Links ]

8. Fitzpatrick TB, Eisen AZ, Wolff K, Freedberg IM, Austen KF, eds. Dermatology in general medicine. 4th ed. New York: McGraw-Hill; 1993. p.1219.        [ Links ]

9. Arthur R, Wilkinson DS, Ebling FJG, Champion RH, eds. Textbook of Dermatology. 6th ed. Oxford: Oxford University Press; 1998. p.567.        [ Links ]

10. Alice CZ, Neftalí NV. Angioma verrucoso congénito. Rev Chil Dermatol. 1996;12:158.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Emmanuel Rodrigues de França
Av. Boa Viagem, 6372 - apto 701
51130-000 - Recife - PE
Tel.: (81) 9927-6720

Recebido em 22.11.2002.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.07.2006.

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco, Universidade de Pernambuco (UPE) – Recife (PE), Brasil.
Conflito de interesse declarado: Nenhum

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License