SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.84 issue6Cyanoacrylate adhesives for the synthesis of soft tissueStriae distensae in pregnancy: risk factors in primiparous women author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.84 no.6 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962009000600004 

INVESTIGAÇÃO

 

Avaliação do aprendizado dos pacientes sobre a regra do ABCD: um estudo randomizado no sul do Brasil

 

 

Karen Reetz MüllerI; Renan Rangel BonamigoII; Thayse Antoniolli CrestaniIII; Gisele ChiaradiaIV; Maria Carolina Widholzer ReyV

IMédica formada pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil
IIProfessor adjunto-3 e Chefe do Serviço de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Patologia: Mestrado e Doutorado da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Doutor em Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – Porto Alegre (RS), Brasil
IIIAcadêmica de Medicina da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil
IVMédica-residente do Serviço de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil
VPreceptora do Serviço de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS). Mestre em Patologia pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) – Porto Alegre (RS), Brasil

Endereço para correspondência/ Mailing Address

 

 


RESUMO

FUNDAMENTOS: A regra do ABCD é utilizada para orientar médicos, profissionais da saúde e pacientes quanto ao reconhecimento das principais características de lesões cutâneas suspeitas de melanoma. Não há, no Brasil,estudos que validem a utilização da regra do ABCD pelos pacientes após orientações realizadas por dermatologistas.
OBJETIVOS:
Avaliar o aprendizado da regra do ABCD por pacientes atendidos em centro dermatológico de referência no sul do Brasil.
MÉTODOS:
Estudo randomizado com 80 pacientes ambulatoriais de ambos os sexos, com 12 anos ou mais. Foram avaliados: grau de escolaridade, renda mensal e acesso aos meios de comunicação. O grupo de intervenção recebeu orientações sobre o emprego da regra do ABCD, ao passo que o grupo-controle não recebeu. Ambos os grupos foram avaliados quanto às suas respostas em três momentos (basal, fora do consultório e no consultório, 15 dias após) em painel de fotografias. O nível de significância utilizado foi o p < 0,05 e o poder de 0,80.
RESULTADOS:
O grupo que recebeu as informações respondeu de forma correta, com mais frequência, quanto ao diagnóstico dos melanomas, quando comparado ao grupo-controle (p < 0,01). Excetuando-se o acesso ao rádio, que influenciou positivamente os resultados (p < 0,05), as outras variáveis avaliadas não os afetaram.
CONCLUSÕES:
A regra do ABCD pode ser usada para capacitar pacientes acima de 17 anos a identificar alterações sugestivas de melanoma. Esse aprendizado independe de sexo, nível de escolaridade, renda mensal e acesso aos meios de comunicação, exceto rádio.

Palavras-chave: Diagnóstico; Melanoma; Pacientes


 

 

INTRODUÇÃO

O melanoma representa entre 3% e 5% das neoplasias cutâneas; entretanto, sua letalidade é mais elevada que a dos carcinomas basocelular e espinocelular cutâneo. Além disso, a sua incidência tem aumentado em vários países nos últimos anos, inclusive no Brasil, onde o estado com mais ocorrências é Santa Catarina, com 8,61 casos para cada 100.000 homens e, em segundo lugar, o Rio Grande do Sul, com uma incidência de 8,2 casos para cada 100.000 homens.1,2

Segundo as estimativas de incidência de câncer no Brasil, para 2010, estão previstos 2960 casos novos de melanoma em homens e 2970 casos novos em mulheres.2 Os esforços para reverter esta tendência têm sido focados na prevenção primária, através de programas de orientação à população.3

O melanoma cutâneo localiza-se na superfície da pele e, assim, pode ser detectado, ou ao menos suspeitado, por médicos e não médicos. 4,5 Em um estudo brasileiro, 75% de uma amostra de casos de melanoma tiveram a lesão inicialmente descoberta por leigos (o próprio paciente, o cônjuge, outro membro da família ou amigo).6

A detecção precoce do melanoma pode ser facilitada pela aplicação da regra do ABCD, em que A corresponde a assimetria, B a bordos irregulares, C a cores variadas e D a um diâmetro maior que 6mm.5,7

No Brasil, não há estudos sobre o processo de aprendizagem da regra do ABCD pelos pacientes após informações médicas. É provável que ele seja influenciado pela realidade educacional e socioeconômica.

Este trabalho visa a avaliar a capacidade dos pacientes para suspeitar de diagnóstico de melanoma após receber informações sobre a regra do ABCD em um Serviço Público de Saúde do sul do Brasil, onde a população está exposta a um significativo risco de câncer de pele.

 

METODOLOGIA

O Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) aprovou ética e metodologicamente o estudo. Este constituiu-se em um estudo de coorte, prospectivo e randomizado, em que foram incluídos pacientes acima de 12 anos, alfabetizados, e do qual foram excluídos pacientes com câncer de pele no momento da consulta ou com história anterior de câncer de pele. As seguintes variáveis foram verificadas: idade, sexo, renda familiar, escolaridade, acesso à televisão, ao rádio, à internet e/ou a jornais impressos. O desfecho foi a identificação correta de melanomas em painel de lesões cutâneas, após a explicação verbal, escrita e visual (apresentação de fotografias) sobre a regra do ABCD, sempre realizada pelo mesmo médico. A escolha dos grupos de fotografias foi considerada adequada para o estudo por professores de dermatologia daquela instituição.

Foram selecionados e randomizados 80 pacientes ambulatoriais, dos quais 40 receberam as informações e um material explicativo sobre a regra do ABCD (grupo de intervenção ou grupo A) e 40 não receberam qualquer informação ou material sobre a regra do ABCD (grupo-controle ou grupo B).

Antes da intervenção inicial (momento 1 ou basal), os 80 pacientes receberam uma folha com oito fotografias coloridas e sem legendas contendo lesões de melanoma, lesões melanocíticas benignas e lesões não melanocíticas, para avaliar e responder quais seriam câncer de pele do tipo melanoma.

O momento 2 foi realizado com as respostas para um novo grupo de fotografias (diferentes das anteriores, mas com o mesmo grau de dificuldade) em ambiente fora do ambulatório (os pacientes levaram consigo o material), as quais foram devolvidas no retorno ao ambulatório após 15 dias.

O momento 3, passados os 15 dias, foi realizado com respostas a um terceiro grupo de fotografias (diferentes das anteriores, mas com o mesmo grau de dificuldade), novamente no ambulatório.

Em cada momento, entre as oito fotografias apresentadas, três eram de melanoma. Todos os pacientes do grupo-controle também receberam as informações e o material explicativo, mas após a conclusão dos três momentos.

Além de avaliar a capacidade dos pacientes de suspeitar de diagnóstico de melanoma, após receber informações sobre a regra do ABCD, as demais variáveis descritas foram analisadas em relação ao desfecho.

Os cálculos para definição do tamanho da amostra basearam-se em uma provável taxa de respostas corretas de 60% do grupo de intervenção e de 20% do grupo-controle, com nível de significância p < 0,05 e um poder de 80%.

A análise estatística incluiu, de acordo com as necessidades, descrição de frequências simples e relativas, desvio padrão, mediana, estimadores de média, teste qui-quadrado de Pearson, teste exato de Fisher, teste de Mann-Whitney.

Os dados receberam o tratamento estatístico com o software SPSS 13.0 (Statistical Package to Social Sciences for Windows).

 

RESULTADOS

Considerando-se o total da amostra (n = 80), 63,3% dos pacientes eram do sexo feminino. A média de idade foi de 46,7 anos (DP = 15,5), sendo a idade mínima 17 e a máxima 80 anos. Quanto à renda, predominou a faixa de rendimento acima de R$1.000,00, informada por 53,8% dos pacientes. Com respeito ao grau de escolaridade, o Ensino Fundamental incompleto foi o mais expressivo, com 26,3%, seguido dos graus Fundamental completo e Médio completo (22,5% dos pacientes em cada). Os dois grupos não apresentaram diferença significativa quanto às variáveis idade, sexo, renda e escolaridade (p > 0,05) (Tabela 1).

Nas informações referentes à distribuição de frequências das variáveis que investigaram o acesso à informação, o total da amostra apontou que 96,3% dos pacientes tinham acesso à TV, 86,3% tinham acesso a rádio, 76,3% tinham acesso a jornais e 31,3% tinham acesso à internet (Tabela 2).

Com base nos resultados observados na tabela 3, obtidos pelo teste do qui-quadrado de Pearson, verificou- se que, no momento 1 (teste 1, antes da intervenção), não se observou associação estatística significativa (p > 0,05), indicando que o número de acertos nos dois grupos apresentou uma distribuição semelhante.

Nos resultados do teste 2, detectou-se associação estatisticamente significante (p < 0,01), de forma que o grupo de intervenção se mostrou significativamente associado a três acertos, enquanto que, no grupo-controle, a associação se deu com os números tos zero, 1 e 2.

Na avaliação do teste 3, o grupo de intervenção apresentou associação significativa com três acertos, ao passo que, no grupo-controle, a associação se deu com os números de acertos zero e 1 (p < 0,001).

Direcionando-se a análise, compararam-se as variabilidades entre o momento 1 e o momento 3, entre casos e controles, quanto ao número máximo de acertos (3). Na comparação da diferença do número de pacientes que apresentaram três acertos entre os testes 1 e 3, entre os dois grupos, observou-se diferença estatística significativa pelo teste do qui-quadrado para comparações de proporções (c2calc = 8,548; p = 0,0035), de forma que o grupo de intervenção apresentou um número significativamente maior de pacientes que obtiveram três acertos, quando comparados ao grupo-controle.

Verificou-se que, no grupo de intervenção, a variabilidade foi de 75,6% (n = 31), ou seja, no teste 1, cinco pacientes apresentaram três acertos, enquanto que, no teste 3, 36 pacientes tiveram três acertos. No grupo-controle, por sua vez, a variabilidade ocorrida entre o número de três acertos entre os testes 1 e 3 foi de 37,9% (n = 11), isto é, no teste 1, nove pacientes apresentaram três acertos e, no teste 3, 20 pacientes responderam corretamente.

As diferenças no número de pacientes de cinco para 36 no grupo de intervenção e de nove para 20 no grupo-controle se mostraram estatisticamente significantes. A diferença percentual observada foi de 37,7% (IC 95% - 14,25; 56,24).

Excetuando-se a variável acesso a rádio, nenhuma das demais revelou diferenças estatisticamente significativas quanto ao número de acertos entre os grupos, quando utilizadas as medidas média, mediana e desvio padrão.

Quanto ao acesso às informações via rádio, observou-se uma diferença significativa no número de acertos do grupo de intervenção (p < 0,05). Os pacientes que informaram terem acesso apresentaram números de acertos significativamente superiores ao grupo de pacientes que informou não ter esse acesso (teste de Mann-Whitney, p = 0,032).

 

DISCUSSÃO

Apesar de o Brasil indicar taxas de incidência progressivamente maiores de melanoma cutâneo nas últimas duas décadas, os estudos referentes ao emprego do autoexame para detecção precoce da doença são de outros países".8-11 Particularmente quanto à regra do ABCD, apesar de sua utilização consagrada para o ensino acadêmico e leigo, pouco se conhece das suas potencialidades no emprego entre os brasileiros.

Este estudo randomizado, realizado em Porto Alegre (RS), Brasil, procurou estabelecer três momentos: o primeiro, basal, para averiguar que o estado do conhecimento prévio à intervenção era semelhante nos grupos de intervenção e controle.

Procurou-se demonstrar no segundo momento, já com a intervenção realizada sobre um dos grupos, o que permanecia do aprendizado com a provável influência do meio de cada paciente, pois o teste fora respondido em ambiente domiciliar ou em outros locais externos ao consultório médico. O terceiro momento objetivou mensurar a capacidade de responder corretamente após o resgate das informações recebidas 15 dias antes, na intervenção inicial.

Com esse panorama, a coorte verificou que a utilização da regra do ABCD para diagnosticar melanoma cutâneo pode ser bem empregada por pacientes alfabetizados, acima de 17 anos, independentemente de sexo, renda mensal, grau de escolaridade e acesso aos meios de informação como televisão, jornal impresso e internet.

O acesso às informações via rádio parece ser um fator independente que aumenta a capacidade de empregar corretamente a regra (p < 0,05), talvez por se tratar de um meio que favoreça um contato mais prolongado durante o dia e no qual as informações são mais recorrentemente repetidas ao longo do dia.

É interessante perceber que o grupo de intervenção, além de acertar mais frequentemente o diagnóstico de melanoma, apresentou uma grande variabilidade antes e depois da intervenção (p < 0,05).

O presente estudo avaliou uma coorte de acompanhamento breve. Dessa forma, considera-se uma limitação do estudo a incapacidade do mesmo em prever a permanência do aprendizado a longo prazo. É fundamental, para a crescente ampliação do número de brasileiros que conheçam a regra do ABCD e mantenham esse aprendizado, a inclusão do tema em assuntos de saúde para a população em geral em escolas, ambientes de trabalho e instituições variadas, bem como pela veiculação das informações por meio das diferentes mídias, em particular, o rádio.

 

CONCLUSÃO

O estudo demonstra, em uma amostra populacional do sul do Brasil, a pertinência do uso da regra do ABCD para a identificação correta das alterações sugestivas de melanoma. O aprendizado da regra independe do sexo do paciente, ocorre em diferentes níveis de escolaridade e renda mensal e parece ser facilitado para quem tem acesso ao rádio como veículo de comunicação.

 

REFERÊNCIAS

1.  Rager EL, Bridgeford EP, Ollila DW. Cutaneous Melanoma: Update on Prevention, Screening, Diagnosis, and Treatment. Am Fam Physician. 2005;72:269-76.         [ Links ]

2.  Inca.gov.br (homepage). Câncer de pele - melanoma (acesso 03 Dezembro 2009). Disponível em: www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/pele_melanoma/definicao";         [ Links ]

3.  Epstein DS, Lange JR, Gruber SB, Mofid M, Koch SE. Is physician detection associated with thinner melanomas? JAMA. 1999;281:640-3.         [ Links ]

4.  Carli P, De Giorgi V, Palli D, Maurichi A, Mulas P, Orlandi C, et al. Self-detected cutaneous melanoma in Italian patients. Clin Exp Dermatol. 2004;29:593-6.         [ Links ]

5.  Elwood JM. Skin self-examination and melanoma. J Natl Cancer Inst. 1996;88: 3-5.         [ Links ]

6.  Maia M, Basso M. Quem descobre o melanoma cutâneo? An Bras Dermatol. 2006;81:244-8.         [ Links ]

7.  Thomas L, Tranchand P, Berard F, Secchi T, Colin C, Moulin G. Semiological value of ABCDE criteria in the diagnosis of cutaneos pigmented tumors. Dermatology. 1998;197:11-7.         [ Links ]

8.  Berwick M, Begg CB, Fine JA, Roush GC, Barnhill RL. Screening for cutaneous melanoma by skin self-examination. J Natl Cancer Inst. 1996;88:17-23.         [ Links ]

9.  Baade PD, Balanda KP, Stanton WR, Gillespie AM, Lowe JB. Community perceptions about the important signs of early melanoma. J Am Acad Dermatol. 1997;36:33-9.         [ Links ]

10.  Carli P, De Giorgi V, Nardini P, Mannone F, Palli D, Giannotti B. Melanoma detection rate and concordance between self-skin examination and clinical evaluation in patients attending a pigmented lesion clinic in Italy. Br J Dermatol. 2002;146:261-6.         [ Links ]

11.  Robinson JK, Turrisi R. Skills training to learn discrimination of ABCDE criteria by those at risk of developing melanoma. Arch Dermatol. 2006;142:447-52.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Karen Reetz Müller
Rua Felicíssimo de Azevedo, 290 – Ap. 302
Bairro São João
90540 110 Porto Alegre – RS, Brasil
E-mail: karenrm@terra.com.br

Recebido em 16.07.2009.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.10.09.