SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue1Generalized woolly hair: case report and literature reviewPedroso and Gomes' verrucous Dermatitis (Chromoblastomycosis): 90 years on and still among us author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962010000100017 

IMAGENS EM DERMATOLOGIA

 

Aspectos dermatoscópicos na psoríase ungueal

 

 

Débora Cadore de FariasI; Antonella TostiII; Nilton Di ChiacchioIII; Sergio Henrique HirataIV

IMédica dermatologista. Clínica de dermatologia - Santa Casa de São Paulo - São Paulo (SP), Brasil
IIProfessora catedrática de dermatologia da Universidade de Bolonha - Bolonha, Itália
IIIMédico assistente. Clínica de dermatologia - Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo - São Paulo (SP), Brasil
IVDoutor em medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), médico do departamento de dermatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ABC - São Paulo (SP), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Os autores relatam sua experiência no uso da dermatoscopia na psoríase ungueal e descrevem os achados dessa ferramenta diagnóstica.

Palavras-chave: Doenças da unha; Psoríase; Psoríase/diagnóstico


 

 

INTRODUÇÃO

A dermatoscopia é um procedimento largamente utilizado para auxiliar o diagnóstico de lesões cutâneas (melanocíticas ou não).1 No aparelho ungueal essa ferramenta é consagrada apenas para lesões melanocíticas.2 Em lesões não melanocíticas do aparelho ungueal esse exame é recente e de grande valia. Entretanto ainda não há estudos suficientes que validem seu uso e muito menos que substituam a biópsia ungueal.

Os achados dermatoscópicos da psoríase ungueal dependem de qual parte do aparelho ungueal é afetada pela doença.3 Na matriz ungueal a psoríase produz anormalidades na superfície da lâmina ungueal, como o pitting. Quando acomete o leito ungueal, pode produzir onicólise, manchas salmão, hemorragias e hiperqueratose subungueal. A dermatoscopia permite visualizar melhor essas alterações na lâmina e no leito ungueal, bem como detectar alterações vasculares em hiponíquio e dobra ungueal proximal indicativas da doença.

Para a realização da dermatoscopia da lâmina ungueal na psoríase, é necessário um aumento de, pelo menos, 30 vezes. Podem-se utilizar aparelhos de luz polarizada ou não. Quando utilizado o de luz não polarizada, prefere-se a utilização de um gel transparente como substância de interface, pois ele preenche o espaço entre a superfície convexa da lâmina ungueal e a plana da lente do dermatoscópio. Os achados da dermatoscopia da lâmina ungueal na psoríase ungueal estão descritos no quadro 1.

Quando há a presença de onicólise, a dermatoscopia geralmente permite a visualização de borda eritematosa, muitas vezes subclínica e não visível a olho nu, representada por mancha vermelho-alaranjada circundando a área de onicólise. Esse achado é específico da onicólise da psoríase ungueal (Figura 1A).

As hemorragias em estilhaço são resultado do sangramento nos capilares do leito ungueal dispostos de maneira longitudinal e sucessiva incorporação do sangue na lâmina ungueal ventral. Esse achado não é específico da psoríase. São frequentemente observadas também em onicomicoses, dermatite de contato e traumas no aparelho ungueal (Figura 1A).

Para a realização da dermatoscopia do hiponíquio, podem-se também utilizar aparelhos de luz polarizada ou não. Notam-se capilares dilatados, alongados e tortuosos, com distribuição irregular (Figura 1B). É necessário um aumento de, no mínimo, 40 vezes para visualização dos capilares anormais. Iorizzo e colaboradores, em 2008, demonstraram que a densidade capilar é correlacionada positivamente com a gravidade da doença. Esse estudo também demonstrou que a análise quantitativa dos capilares se correlaciona com a resposta ao tratamento. Nesse estudo, os pacientes, após três meses de tratamento tópico com calcipotriol, apresentaram uma redução no número de capilares.4

Na experiência dos autores, a dermatoscopia do hiponíquio é a melhor ferramenta para confirmação do diagnóstico de psoríase em pacientes com onicólise isolada ou leve hiperqueratose do leito ungueal.3

A dermatoscopia da dobra ungueal proximal é também útil para avaliar a gravidade da doença, encontrando-se alterações quantitativas e morfológicas de capilares. O número e o diâmetro dos capilares encontram-se significativamente diminuídos.5,6,7

Zaric e colaboradores, em 1982, encontraram uma diminuição no tamanho dos capilares da dobra ungueal proximal nos pacientes com psoríase cutânea e articular, quando comparados com o grupo controle.

Bhushan e colaboradores, em 2000, observaram uma diminuição na densidade capilar na dobra ungueal proximal em pacientes com psoríase ungueal ou psoríase com acomentimento ungueal e articular quando comparados com o grupo controle. Apenas nos pacientes com psoríase articular associada ou não ao acometimento ungueal foi evidenciada também uma diminuição no diâmetro desses capilares.

Concluindo, a dermatoscopia é um exame não invasivo, de aplicação rápida e baixo custo, que pode auxiliar no diagnóstico de psoríase ungueal em casos duvidosos e melhorar o acompanhamento do paciente em relação à resposta ao tratamento instituído.

 

REFERÊNCIAS

1. Rezze GG, Soares de Sá BC, Neves RI. Dermatoscopia: o método de análise de padrões. An Bras Dermatol. 2006;81:261-8.         [ Links ]

2. Tosti A, Piraccini BM, Farias DC. Dealing with melanonychia. Seminars in Cutaneous Medicine and Surgery. 2009;28:49-54.         [ Links ]

3. Tosti A, Pirraccini BM, Farias DC. Nail dermoscopy. In: Micali G. Videodermatoscopy in Clinical Pratice. London: Informa Healthcare; 2009.         [ Links ]

4. Iorizzo M, Dahdah M, Vicenzi C, Tosti A. Videodermoscopy of the hyponychium in nail bed psoriasis. J Am Acad Dermatol. 2008;58:714-5.         [ Links ]

5. Ohtsuka T, Yamakage A, Miyachi Y. Statistical definition of nailfold capillary pattern in patients with psoriasis. Int J Dermatol. 1994;33:779-82.         [ Links ]

6. Zaric D, Clemmensen OJ, Worm AM, Stahl D. Capillary microscopy of the nail fold in patients with psoriasis and psoriatic arthritis. Dermatologica. 1982;164:10-4.         [ Links ]

7. Bhushan M, Moore T, Herrick AL, Griffiths CEM. Nailfold video capillaroscopy in psoriasis. Br J Dermatol. 2000;142:1171-6.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Débora Cadore de Farias
Rua João Moura, 975 - ap. 164 - Jardim América
05412 002 São Paulo, SP
E-mail: decadorefarias@hotmail.com

Recebido em 02.07.2009.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 18.12.09.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado na clínica de dermatologia - Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo - São Paulo (SP), Brasil.