SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue3Melanocyte transplant in piebaldism: case reportExogenous pigmentation in toes feigning ischemia of the extremities: a diagnostic challenge brought by arthropods of the Diplopoda Class ("millipedes") author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.3 Rio de Janeiro June 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962010000300017 

IMAGENS EM DERMATOLOGIA

 

Ixodíase revelada pela microscopia de epiluminescência sem contato com a pele*

 

 

Paulo Ricardo CriadoI; Roberta Fachini Jardim CriadoII

IDoutor em Ciências (Dermatologia) pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp); médico da Divisão de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp) - São Paulo (SP), Brasil
IIMestre em Medicina pelo Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo; alergista da disciplina de Dermatologia da Faculdade de Medicina do ABC - São Paulo (SP), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Nós descrevemos um homem de 48 anos que procurou nossa clínica com múltiplas pápulas eritematosas e pruriginosas dois dias após uma viagem à Serra da Mantiqueira. O exame físico meticuloso com o dermatoscópio de epiluminescência demonstrou múltiplos carrapatos na fase de larva na pele.

Palavras-chave: Carrapatos; Dermoscopia; Infestações por carrapato; Ixodes


 

 

Homem branco, 48 anos, procedente de São Paulo, procurou nossa clínica privada com queixa de prurido intenso em todo o corpo nos últimos dois dias. A erupção eritematopapulosa pruriginosa havia iniciado durante viagem à região do Circuito das Águas (Serra da Mantiqueira).

O exame físico das lesões eritematopapulosas (Figuras 1A e 1B) com o dermatoscópio modelo DermLite DL100 revelou inúmeros carrapatos (Figuras 1C, 1D e 1E).

O A. cajennense tem, no Sudeste do Brasil, três estágios parasitários distribuídos ao longo do ano.2,3 As larvas, conhecidas como micuim, predominam de abril a julho; as ninfas, chamadas de "vermelhinho", de julho a outubro, e os adultos, chamados de "rodoleiro" ou de "carrapato-estrela", desenvolvem-se nos meses quentes e chuvosos, de outubro a março.

Quando é ninfa, vive amontoada, sendo seu parasitismo intenso, pois das folhas rasteiras das plantas passam ao homem (basta encostar, apenas), resultando pápulas eritematosas com inoculum central e intensamente pruriginosas. 3

 

REFERÊNCIAS

1. de Lemos ER, Machado RD, Pires FD, Machado SL, da Costa LM, Coura JR. Rickettsiae-infected ticks in an endemic area in spotted fever in the State of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1997;92:477-81.         [ Links ]

2. Labruna MB, Kasai N, Ferreira F, Faccini JL, Gennari SM. Seasonal dynamics of ticks (Acari: Ixodidae) on horses in the state of São Paulo, Brazil. Vet Parasitol. 2002;105:65-77.         [ Links ]

3. Vasconcelos W. Dermatozoíases em um imenso país tropical. An Bras Dermatol. 1979;54:87-103.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Paulo Ricardo Criado
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
Cons.: Alergoskin Alergia e Dermatologia SS Ltda.
Rua Carneiro Leão, 33 - Vila Scarpelli
09150 430 Santo André - SP
Tel.: 11 4426 8803
E-mail: prcriado@uol.com.br

Recebido em 22.02.2010.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 22.02.2010.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado na Alergoskin Alergia e Dermatologia - São Paulo (SP), Brasil.