SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue4Tinea pseudoimbricata caused by M. gypseum associated to crusted scabiesCase for diagnosis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.4 Rio de Janeiro July/Aug. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962010000400023 

QUAL É SEU DIAGNÓSTICO?

 

Caso para diagnóstico

 

 

Marcos Noronha FreyI; Renan Rangel BonamigoII; Laura LuzzattoIII; Raquel Bozzetto MachadoIV; Gabriela Bestani SeidelV

IMédico - Especializando em Dermatologia pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - Porto Alegre (RS), Brasil
IIDoutor em Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Professor Adjunto da Disciplina de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e Professor do Programa de Pós-graduação em Patologia pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - Porto Alegre (RS), Brasil
IIIMédica patologista. Pós-graduação (master) pelo Instituto Europeu de Oncologia e Especialista em Anatomia Patológica pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) - Porto Alegre (RS), Brasil
IVMédica - Especialista em Dermatologia pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - Porto Alegre (RS), Brasil
VMédica - Especialista em Medicina Interna pelo Hospital Geral de Caxias do Sul - Caxias do Sul (RS), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Líquen nítido é uma dermatose rara, caracterizada por pápulas arredondadas normocrômicas de diâmetro, variando entre 1-2 mm, e geralmente assintomáticas. Sem predileção por sexo ou raça, acomete, principalmente, crianças e adultos jovens, na maioria dos casos, possuindo curso clínico imprevisível e tendendo à regressão espontânea, anos após o início da doença. As lesões são em geral localizadas, mas raros relatos da doença cursando com lesões disseminadas existem.

Palavras-chave: Erupções liquenóides; Líquen nítidos; Líquens


 

 

HISTÓRIA DA DOENÇA

Paciente masculino, sete anos, com história de lesões cutâneas discretamente pruriginosas há aproximadamente 18 meses, que iníciaram pelos antebraços, e que em curto espaço de tempo se disseminaram. Negava uso de medicações prévias, comorbidades ou história familiar de lesões de pele. Ao exame físico, apresentava pequenas pápulas normocrômicas lisas e brilhantes, medindo entre 1-2 mm de diâmetro, não descamativas, que comprometiam praticamente todo tegumento cutâneo, poupando apenas unhas, regiões palmo-plantares, mucosas e uma parte do couro cabeludo (Figuras 1 e 2).

 

 

 

 

Avaliação histopatológica revelou presença de denso infiltrado dérmico linfo-histiocitário, parcialmente circundado por cones interpapilares, epiderme suprajacente atrófica, e presença de paraceratose (Figuras 3 e 4). Pesquisas de fungos e BAAR negativas.

 

 

 

 

COMENTÁRIOS

Descrito, pela primeira vez, em 1901, por Pinkus 1, 2 como uma variante do líquen plano, chegando a ser tratado como lesão tuberculosa em função de seu aspecto histopatológico granulomatoso, o líquen nítido é uma dermatose idiopática crônica, rara, que acomete acomete, preferencialmente, crianças e adultos jovens. Caracteriza-se por múltiplas pápulas monomórficas circunscritas, normocrômicas, brilhantes, com diâmetro variando entre 1-2 mm, e, geralmente assintomáticas (alguns referem prurido). Não há predileção por sexo ou raça, possuindo curso clínico imprevisível, com a maioria dos casos tendendo à remissão espontânea anos após o início da doença. Geralmente localizada, raramente disseminada, acomete, principalmente, a região genital, extremidades superiores, tórax e abdômen.1-10 Ocasionalmente, lesões orais, palmo-plantares e ungueais (espessamentos, estrias, "pittings" e rugosidades) podem ser vistas.5,7-10 Existem formas atípicas, descritas como: ceratodérmicas, foliculares, vesiculares, hemorrágicas, petequiais ou perfurantes,5,7-10 e "Fenômeno de Köebner" também pode ser encontrado.1,2,4,5,7

A histopatologia desta dermatose é bem característica, descrita como infiltrado dérmico linfohistiocitário, bem delimitado e arredondado, circundado por papilas dérmicas hiperplásicas (classicamente chamado infiltrado tipo "ball and clay"), e paraceratose, com atrofia epidérmica logo acima deste infiltrado. 1-5,7-10 Alterações degenerativas da camada basal, idênticas às encontradas nas lesões de líquen plano, podem ser encontradas, mas ,ao contrário do líquen plano, a imunofluorescência direta no líquen nítido não costuma demonstrar depósitos de imunoglobulinas ou complemento.1,7

Embora clínica e histologicamente distintas, lesões de líquen nítido e líquen plano podem coexistir num mesmo paciente (em cerca de 30% dos casos de líquen nítido), e a possibilidade do líquen nítido ser uma variante clínica do líquen plano nunca foi totalmente descartada.2,4,5,7-9

O diagnóstico diferencial deve ser realizado, principalmente, com lesões de aspecto liquenoide ou folicular, com destaque para o líquen plano, o líquen estriado e o líquen espinuloso. Merecem ser lembradas também, entre outras: ceratose pilar, líquen amiloide, frinoderma, mucinose folicular, sífilis secundária amiloide, doença de Darier, pitiríase rubra pilar e psoríase.2,3,5-7

Sendo uma doença geralmente localizada, assintomática, e com tendência à remissão, na maioria dos casos o objetivo do tratamento é diminuir os sintomas. A forma disseminada costuma possuir um curso clínico mais imprevisível, muitas vezes prolongado. No momento, ainda não existe consenso em termos de qual seria a melhor opção terapêutica. 1-10 Além dos anti-histamínicos, são terapêuticas encontradas na literatura os corticosteroides tópicos e sistêmicos, retinoides, ciclosporina, tuberculostáticos, itraconazol, dinitroclorobenzeno e a fototerapia com ultravioleta A e B.1,2,4-10

 

REFERÊNCIAS

1. Santos OLR, Neves RG. Líquen nítido extenso. An Bras Dermatol. 1994;69:235-40.         [ Links ]

2. Shiohara T, Kano Y. Lichen planus and lichenoid dermatoses. In: Bolognia JL, Jorizzo JL, Rapini RP, editors. Dermatology. Spain: Mosby Elsevier; 2008. p. 172-4.         [ Links ]

3. Lernia V, Piana S, Ricci C. Lichen planus appering subsequent to generalized lichen nitidus in a child. Pediatr Dermatol. 2007;24:453-55.         [ Links ]

4. Al-Mutairi N, Hassanein A, Nour-Eldin O, Arun J. Generalized lichen nitidus. Pediatr Dermatol. 2005;22:158-60.         [ Links ]

5. Tilly JJ, Drolet BA, Esterly NB. Liquenoid eruptions in children. J Am Acad Dermatol. 2004;51:606-12.         [ Links ]

6. Soroush V, Gurevtch A, Peng S. Generalized lichen nitidus: case report and literature review. Cutis. 1999;64:135-6.         [ Links ]

7. Torres-Segura M, Pimentel MIF, Ramos-e-Silva M. Líquen nítido. Folha Médica. 1993;106:135-8.         [ Links ]

8. Sysa-Jedrzejowska A, Wozniacka A, Robak E, Waszczykowska E. Generalized lichen nitidus: a case report. Cutis. 1996;58:170-2.         [ Links ]

9. Ocampo J, Torné R. Generalized lichen nitidus report of two cases treated with astemizol. Int J Dermatol. 1989;28:49-51.         [ Links ]

10. Arizaga A, Bang R. Generalized lichen nitidus. Clin Dermatol. 2002;27:115-17.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Marcos Noronha Frey
Avenida Itajaí 110/apto 202, Petrópolis
90470 140 Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Tel: 51 8134 5157 51 3062 0427
E-mail: marcos.frey@gmail.com

Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 15.04.2010
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia da UFCSPA / Centro de Saúde Santa Marta - Porto Alegre (RS), Brasil.