SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue4Case for diagnosisHigh voltage electrical stimulation as an alternative treatment for chronic ulcers of the lower limbs author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.4 Rio de Janeiro July/Aug. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962010000400024 

QUAL É SEU DIAGNÓSTICO?

 

Caso para diagnóstico

 

 

Mônica SantosI; Carolina TalhariII; Lisiane NogueiraIII; Renata Fernandes RabeloIV; Luiz Carlos de Lima FerreiraV; Sinésio TalhariVI

IDoutora em doenças infecciosas e parasitárias; médica dermatologista da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas; professora de dermatologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) - Manaus (AM), Brasil
IIDoutora em doenças infecciosas e parasitárias; professora de dermatologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) - Manaus (AM), Brasil
IIIMédica residente de dermatologia da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas - Manaus (AM), Brasil
IVMédica residente de dermatologia da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas - Manaus (AM), Brasil
VDoutor em anatomia patológica; chefe do Departamento de Pesquisa da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas - Manaus (AM), Brasil
VIDoutor em dermatologia; diretor presidente da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas - Manaus (AM), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Desde as primeiras descrições da aids, no início da década de 1980, a infecção herpética é vista como uma das doenças oportunistas mais prevalentes em pacientes com retrovirose. A infecção pelo herpes-vírus simples tipo 2, agente etiológico de 60 a 90% dos casos de herpes genital, é bastante comum em pacientes com aids. O acometimento mucocutâneo pelo herpes-vírus simples tipo 2 pode ser grave e prolongado (persistente por mais de um mês), sendo caracterizado como doença definidora de aids.

Palavras-chave: Herpes simples; Infecções por herpesviridae; Síndrome da imunodeficiência adquirida


 

 

HISTÓRIA DA DOENÇA

Paciente do sexo masculino, pardo, 28 anos, com diagnóstico de aids desde janeiro de 2009. Admitido para internação hospitalar dois meses após o diagnóstico da imunodeficiência, com rebaixamento do nível de consciência, convulsões e síndrome respiratória. Apresentava ainda úlceras cutâneas há três meses. O exame dermatológico evidenciou lesões de aspecto gelatinoso nas bordas com ulceração central de fundo necrótico no escroto e parte interna da coxa direita (Figura 1); úlcera rasa no prepúcio e úlcera com bordas elevadas e fundo esbranquiçado, de aproximadamente 6 cm de diâmetro, na região posterior da coxa direita (Figura 2). No momento do exame físico, a contagem de linfócitos T-CD4+ era de 69 células/mm3; e a carga viral, 397. 000 cópias/mm3. O VDRL estava não reagente. O exame histológico evidenciou área de ulceração e necrose, com presença, no maior aumento, de células com núcleo volumoso, cromatina rebatida para a periferia e região central acinzentada, denominadas gray cells (Figura 3). Observou-se, ainda, necrose vascular fibrinoide e gray cells adjacentes às paredes dos vasos. A reação em cadeia da polimerase (PCR) para herpes-vírus tipo 2 foi positiva nas duas lesões, enquanto que para herpes-vírus tipo 1 foi negativa (Figura 4). Baseado nos exames clínico, histológico e de biologia molecular, confirmou-se o diagnóstico de herpes simples ulcerado crônico. O paciente foi a óbito 12 dias após a internação e um dia após ser visto pela dermatologia, possivelmente em decorrência de meningite herpética.

 

 

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS

A infecção pelo herpes-vírus simples tipo 2 (HSV2), agente etiológico de 60 a 90% dos casos de herpes genital, é bastante comum em pacientes com aids.1 A prevalência da soropositividade para HSV2 na população geral é de aproximadamente 10 a 60%.2 Na população portadora da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana tipo 1 (HIV 1), todavia, a coinfecção HSV/HIV ocorre em 50 a 95% dos indivíduos, segundo estudos realizados em diferentes partes do mundo. 3 Desde as primeiras descrições da aids, no início da década de 1980, a infecção herpética é vista como uma das doenças oportunistas mais prevalentes em pacientes com retrovirose.4 O acometimento mucocutâneo pelo HSV2 pode ser grave e prolongado (persistente por mais de um mês), sendo caracterizado como doença definidora de aids.5 O HSV2 é apontado como o principal agente causal de úlceras genitais crônicas em pacientes com aids, sendo responsável por 65% dos casos.6 Pacientes com aids e com contagem de linfócitos T-CD4+ < 100 células/mm3 podem apresentar lesões com características diversas daquelas encontradas em imunocompetentes. A evolução arrastada e a ausência de resposta ao tratamento específico são características desses quadros, podendo levar ao óbito.7 No caso apresentado, a primeira hipótese clínica, face ao aspecto gelatinoso das bordas, foi criptococose. As outras hipóteses levantadas foram histoplasmose e herpes simples. O diagnóstico de herpes simples ulcerado crônico foi confirmado com o exame histopatológico e ratificado pela PCR positiva para HSV2.

Este caso demonstra que, em pacientes imunodeprimidos, as lesões dermatológicas podem apresentar quadros clínicos distintos de sua apresentação habitual, sendo necessária estreita correlação entre o exame físico e os exames complementares, além de uma intervenção terapêutica o mais precoce possível, que pode mudar drasticamente o prognóstico do paciente.

 

REFERÊNCIAS

1. Van de Perre P, Segondy M, Foulongne V, Ouedraogo A, Konate I, Huraux JM, et al. Herpes simplex virus and HIV-1: deciphering viral synergy. Lancet Infect Dis. 2008;8:490-97.         [ Links ]

2. Lupi O. Herpes simples. An Bras Dermatol. 2000;75:261-75.         [ Links ]

3. Schacker T. The role of HSV in the transmission and progression of HIV. Herpes. 2001;8:46-8.         [ Links ]

4. Gupta R, Warren T, Wald A. Genital Herpes. Lancet. 2007;370:2127-37.         [ Links ]

5. Gbery IP, Djeha D, Kacou DE, Aka BR, Yoboue P, Vagamon B, et al. Chronic genital ulcerations and HIV infection: 29 cases. Med Trop. 1999;59:279-82.         [ Links ]

6. Cusini M, Ghislanzoni M. The importance of diagnosing genital herpes. J Antimicrob Chemother. 2001;47:9-16.         [ Links ]

7. Aoki FY. Management of Genital Herpes in HIV-infected Patients. Herpes. 2001;8:41-5.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Mônica Santos
Av. Djalma Batista, 1.661, Shopping Millennium, Torre Médica, sala 610
69050 010 Manaus - AM, Brasil

Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 07.05.2010
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado na Fundação de Medicina Tropical do Amazonas - Manaus (AM), Brasil.