SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue4Do you know this syndrome?Correspondence author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.4 Rio de Janeiro July/Aug. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962010000400028 

CORRESPONDÊNCIA

 

Tratamento de hidradenite supurativa com infliximab

 

 

Tiago TorresI; Manuela SeloresII

IMédico do Serviço de Dermatologia do Hospital de Santo António - Porto, Portugal
IIProfessora regente de Dermatologia da Faculdade de Biomédicas da Universidade do Porto, Portugal; directora de Serviço de Dermatologia do Hospital de Santo António - Porto, Portugal

Endereço para correspondência

 

 

Foi com interesse que lemos o recente artigo publicado por Obadia et al. relatando o insucesso no tratamento de um caso de hidradenite supurativa com infliximab.1 De facto, recentemente utilizámos infliximab no tratamento de dois doentes com hidradenite supurativa grave, com vários anos de evolução, tratados previamente e sem resultado com antibióticos sistémicos, isotretinoína, dapsona e finasteride. Ambos os doentes apresentavam uma dermatose extensa, activa, com importante perturbação da sua qualidade de vida. O tratamento com infliximab foi efectuado na dose de 5mg/kg às 0, 2, 6 semanas e, posteriormente, de 8-8 semanas, decorrendo sem reacções infusionais. Em ambos os casos, não foi observada qualquer melhoria com o tratamento, pelo que, ao sétimo mês, se decidiu suspender o tratamento por clara falta de resposta.

Têm sido publicados vários casos esporádicos e igualmente algumas séries pequenas de casos sugerindo que a terapêutica com infliximab poderá ser eficaz no tratamento da hidradenite supurativa.2,3 Tal como Obadia et al. referiram, o sucesso terapêutico é muito mais apelativo à publicitação do que casos de insucesso. Mas se, por um lado, são divulgadas novas formas de tratamento, por outro, poderá criar um viés importante, superestimando a eficácia de certas terapêuticas. A comprovar esta ideia está o facto de não termos equacionado a publicação destes dois casos clínicos referidos.

São necessários mais estudos controlados e com um maior número de doentes em situações similares a esta, além de um incentivo à publicação, também, dos insucessos terapêuticos, de forma a diminuir o viés associado às múltiplas publicações de casos esporádicos.

 

REFERÊNCIAS

1. Obadia DL, Daxbacher ELR, Jeunon T, Gripp AC. Hidradenite supurativa tratada com infliximabe. An Bras Dermatol. 2009;84:695-7.         [ Links ]

2. Adams DR, Gordon KB, Devenyi AG, Ioffreda MD. Severe hidradenitis suppurativa treated with infliximab infusion. Arch Dermatol. 2003;139:1540-3.         [ Links ]

3. Fardet L, Dupuy A, Kerob D, Levy A, Allez M, Begon E, et al. Infliximab for severe hidradenitis suppurativa:transient clinical efficacy in 7 consecutive patients. J Am Acad Dermatol. 2007;56:624-8.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Tiago Torres
ex-Cicap, Serviço de Dermatologia
Rua D. Manuel II s/n
4100, Porto, Portugal
e-mail: tiagotorres2002@hotmail.com

Conflito de interesse: Nenhum / Conflict of interest: None
Suporte financeiro: Nenhum / Financial funding: None

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia do Hospital de Santo António - Porto, Portugal.