SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue6UVB susceptibility as a risk factor to the development of lepromatous leprosyBiostimulation effects of low-power laser in the repair process author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.85 no.6 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962010000600010 

INVESTIGAÇÃO

 

UVB: suscetibilidade no melanoma maligno*

 

 

Nilton Nasser

Doutor em dermatologia. Professor titular - Universidade Regional de Blumenau - Blumenau (SC), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

FUNDAMENTOS: Está bem definido que a radiação ultravioleta provoca depleção imunológica na pele, permitindo o desenvolvimento de tumores cutâneos malignos. A maioria dos pacientes de cânceres da pele não melanomas são considerados UVB-suscetíveis.
OBJETIVOS: Estudar a UVB-suscetibilidade nos pacientes com melanoma maligno e se este é um fator de risco para o desenvolvimento desse câncer.
MÉTODOS: Foram selecionados 88 voluntários divididos em dois grupos: grupo-controle saudável (n=61) e grupo de portadores de melanoma (n=27), todos identificados de acordo com os critérios: tipo histológico, nível de invasão, fotótipos de pele, sexo e idade. A suscetibilidade à radiação ultravioleta B (UVB) foi medida pela reação de hipersensibilidade ao contato com o difenciprone nos voluntários sensibilizados em áreas previamente irradiadas.
RESULTADOS: A suscetibilidade à radiação UVB foi de 81,5% nos pacientes com melanoma maligno e de 31,2% no grupo-controle. O risco de um indivíduo desenvolver o melanoma maligno foi 9,7 vezes maior do que nos indivíduos UVB-resistentes.
CONCLUSÕES: A UVB-suscetibilidade pode ser considerada um fator de risco importante para o desenvolvimento do melanoma maligno.

Palavras-chave: Fotobiologia; Melanoma; Raios ultravioleta


 

 

INTRODUÇÃO

O melanoma maligno é a mais frequente causa de morte entre as doenças que atingem a pele. A Sociedade Americana de Câncer estima que haja 68.720 casos novos de melanoma nos Estados Unidos da América em 2009.1

A incidência do melanoma maligno e a mortalidade por ele provocada têm aumentado dramaticamente nos últimos 25 anos, particularmente, na população caucasiana. A sua mais alta incidência tem sido registrada in Queensland (Austrália), com 56 novos casos por 100.000 habitantes por ano nos homens e 43 nas mulheres. As taxas de mortalidade mostram uma estabilização nos Estados Unidos, na Austrália e em países da Europa.1,2,3,4,5

Estudos epidemiológicos sobre o melanoma maligno, nas últimas décadas, têm demonstrado como principais fatores de risco os ligados ao meio ambiente (exposição solar e zona geográfica) e os relacionados ao indivíduo (cor da pele, dos olhos, dos cabelos)4,5,6,7; entre estes, o comportamento fotoimunológico e, mais recentemente, os testes genéticos.8,9

No que tange ao comportamento fotoimunológico, sabe-se que a capacidade de a radiação ultravioleta B (UVB) alterar o sistema imunitário cutâneo tem sido amplamente documentada, além de ser um importante fator de risco para o desenvolvimento do câncer da pele induzido pela luz solar.4-5-6 Fortes evidências epidemiológicas e moleculares relacionam a exposição solar ao desenvolvimento do melanoma maligno, sendo esse o fator de risco mais importante nesse tipo de câncer da pele.7,10,11,12

Schwarz et al. mostraram a importância das células T reguladoras na inibição da indução e na supressão da fase efetora da hipersensibilidade de contato na pele irradiada pelo ultravioleta.13 A resposta imunológica cutânea aos haptenos, denominada hipersensibilidade de contato, é um modelo-padrão que tem sido desenvolvido em ratos e humanos para estudar os efeitos da radiação UVB na imunidade local e sistêmica.14 A aplicação dos haptenos num local previamente irradiado na pele pode deprimir a resposta imunitária entre os indivíduos denominados UVB-suscetíveis e induz uma reação de hipersensibilidade de contato nos indivíduos UVB-resistentes.15

A maioria dos carcinomas da pele não melanomas é considerada UVB-suscetível.15 O estudo de tal suscetibilidade em pacientes com melanoma maligno é muito importante para determinar esse fator como de grande risco para o desenvolvimento desse câncer. Consequentemente, o objetivo deste estudo será determinar a UVB-suscetibilidade nos pacientes portadores de melanoma maligno e a magnitude desse fator de risco para os indivíduos UVB-suscetíveis desenvolverem o melanoma.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Participantes

Critérios de inclusão: indivíduos de ambos os sexos, com idade mínima de 18 anos, previamente esclarecidos sobre a natureza dos procedimentos, com aprovação formal, sem história de fotossensibilidade, imunossupressão, sem uso de corticosteroides ou de outras drogas.

Critérios de exclusão: gravidez ou lactância, história prévia de alergia, doenças imunossupressoras, parentes de portadores de melanoma maligno no grupo-controle, uso de corticosteroides e/ou outras drogas imunossupressoras, história de fotossensibilidade.

Todos os participantes foram acompanhados segundo protocolo específico e assinaram o termo de consentimento informado.

O estudo, os protocolos e os termos de consentimento foram aprovados pelo Comitê de Ética da Universidade Regional de Blumenau por meio do processo Nº 008/04.

Este é um estudo de caso controle com grupos saudáveis e portadores de melanoma, de ambos os sexos, com idades entre 18 e 78 anos.

Foram incluídos no estudo 88 voluntários assim divididos: grupo-controle com 61 indivíduos saudáveis e grupo com 27 pacientes com melanoma maligno.

O grupo com melanoma foi identificado de acordo com: sexo, idade, fotótipos I, II e III de peles, segundo classificação de Fritzpatrick,16 tipo histológico, grau de invasão segundo nível de Clark e espessura de Breslow.

O grupo-controle foi identificado de acordo com: idade, sexo e fotótipos da pele (todos apresentaram fotótipos I, II e III).

Os testes foram realizados entre 2004 e 2008 e os grupos foram uniformizados de acordo com o sexo e a idade mínima, devido às reações do teste. A equalização da idade não foi considerada, pelo fato de a UVB-suscetiblilidade se dever a um fator genético presente do nascimento até a morte do indivíduo, não tendo influência desse fator.15,17

Determinação da dose eritematosa mínima (DEM)

Uma vez caracterizado o fotótipo, realizou-se a exposição à radiação ultravioleta (RUV) para determinação da dose eritematosa mínima (DEM).

A DEM é definida como o tempo necessário para que haja formação de um eritema discreto, com bordas bem definidas e sem formação de bolhas, após exposição única à RUV, sendo expressa como energia por unidade de superfície (KJ/m2).

A área escolhida foi a parte média ou baixa não bronzeada do dorso, ou seja, uma área de pele não exposta ao sol. Utilizou-se como fonte emissora de RUV o Psora-Comb Dermalight 80(Dr K. Hönle Gmb, Munich, Germany), que emite uma radiação ultravioleta com espectro contínuo e pico de 313nm, colocado a 2,5cm de distância.

A área de teste foi revestida por uma película foto-opaca, com quatro aberturas de 2cm2, através das quais se realizou a irradiação durante 15, 30, 45 e 60 segundos, correspondendo a doses de 0,375; 0,75; 1,125 e 1,5 KJ/m2 de UVB a uma distância de 2,5cm. Os quadrados eram fechados de forma progressiva nos tempos correspondentes. Os pacientes foram orientados para evitar a exposição solar durante o período de observação. A leitura da DEM foi realizada 24 horas após a irradiação.

Suscetibilidade à Radiação Ultravioleta B

Todos os voluntários foram irradiados com o equivalente a quatro DEM em uma área não exposta ao sol de 4cm?. Essa dose é considerada suficiente para causar depleção das células apresentadoras de antígenos da pele e perto de causar uma queimadura tipo solar.

Imediatamente após a irradiação, aplicou-se 0,1ml de difenciprone diluído em acetona a 2% contido em câmaras Finn Chambers e fixou-se na pele irradiada um adesivo hipoalergênico, que foi removido após 48 horas. O difenciprone é um hapteno considerado potente sensibilizador de contato.

Após 21 a 28 dias dessa sensibilização, realizouse um teste de contato de hipersensibilidade com câmara contendo difenciprone diluído a 0,025% colocada em área não irradiada do dorso ou do braço.

Realizou-se a leitura 48 horas após a aplicação, sempre pelo mesmo observador, que aguardou, pelo menos, 30 minutos após a retirada do adesivo, obedecendo aos seguintes critérios: (-) reação negativa; (+) reação fraca = eritema discreto, pouca infiltração, sem vesiculação; (++) reação forte = eritema moderado, pápulas ocasionais, poucas vesículas; (+++) reação muito forte = forte edema e muitas vesículas; (++++) reação extrema = formação de bolhas e ulceração.

Interpretação da leitura do teste com DPCB a 0,025%

Negativa = não reatores: considerados UVBsuscetíveis (UVB-S);

Positiva = reatores: UVB-resistentes (UVB-R).

Análises estatísticas

Calculou-se o risco relativo - OR (odds ratio): 9,73, com intervalos de confiança de 95% - entre 2,89 e 34,8 (p = 0,0000127) -, para associação entre UVBsuscetibilidade nos dois grupos. Determinou-se a significância pelo teste de qui-quadrado e utilizou-se o teste de Mantel-Haenzel para determinar o OR.

 

RESULTADOS

Oitenta e oito indivíduos completaram o protocolo do estudo, sendo 27 portadores de melanoma maligno cutâneo (12 do sexo masculino e 15 do sexo feminino) e 61 indivíduos considerados controles (30 do sexo masculino e 31 do sexo feminino). A tabela 1 mostra o resultado principal deste estudo, ou seja, a UVB-suscetibilidade encontrada nos pacientes com melanoma maligno e no grupo-controle. Esses cálculos mostram que o risco de um indivíduo UVB-suscetível desenvolver o melanoma maligno no decorrer da sua vida é de 9,7 vezes maior do que nos indivíduos UVB-resistentes.

Os pacientes portadores de melanoma maligno foram considerados UVB-suscetíveis em 81,5% dos casos e UVB-resistentes em 18,5%. Nos indivíduos do grupo-controle encontraram-se 32,2% de UVB-suscetíveis e 68,8% de UVB-resistentes.

A tabela 2 mostra os tipos histológicos de melanomas malignos cutâneos encontrados no estudo com a UVB-suscetibilidade de seus portadores. Observou-se que o grupo com tipo histológico melanoma nodular tem 80% dos indivíduos com UVB- suscetibilidade e o grupo do tipo disseminativo superficial tem 82,3% de indivíduos com UVB-suscetibilidade, evidenciando alta suscetibilidade e proporções semelhantes de suscetibilidade entre os dois tipos histológicos.

A tabela 3 apresenta os tipos histológicos e o grau de invasão segundo espessura de Breslow.

A tabela 4 mostra os indivíduos participantes com seus fotótipos e doses de irradiação necessária para atingir a dose eritematosa mínima. Observou-se que os indivíduos com fotótipo I necessitam de menor dose de radiação UVB do que os de fotótipo II para atingir a dose eritematosa mínima; neles, a dose de radiação necessária é menor do que nos que apresentam fotótipo III.

De acordo com a localização primária (Tabela 5), 45% dos melanomas foram encontrados em áreas expostas e 55%, em áreas não expostas nos pacientes UVB- suscetíveis. Os pacientes UVB-resistentes tiveram 60% das lesões primárias localizadas em áreas expostas e 40% em áreas cobertas.

 

DISCUSSÃO

A exposição de caucasianos não bronzeados a aguda e baixa dose de radiação UVB permite classificar indivíduos em dois grupos denominados UVBresistentes e UVB-suscetíveis.15

Os grupos são definidos quando um sensibilizante hapteno (difenciprone) é aplicado em uma área previamente irradiada. Os indivíduos que não reagem à exposição ao hapteno após a sensibilização prévia são denominados UVB-suscetíveis, ao passo que os indivíduos que respondem com vigorosa reação ao teste de hipersensibilidade de contato são denominados UVB-resistentes. O fenótipo da UVB-suscetibilidade/resistência em humanos é determinado geneticamente e, como se viu inicialmente, é um fenômeno epidérmico ligado à sensibilidade de contato (CHS).15,17

A UVB-suscetibilidade é encontrada em 40% dos humanos e é melhor indicador do que a exposição solar para determinar o risco de desenvolver o câncer da pele.4,5,6,15,17

Neste estudo, o grupo-controle com voluntários saudáveis teve incidência de 31,2% de UVB-suscetibilidade, número que contrasta com a alta frequência de 81,5% de UVB-suscetibilidade encontrada no grupo de pacientes com melanoma maligno.

O risco relativo encontrado foi de 9,73, indicando que o risco de indivíduos UVB-suscetíveis desenvolverem o melanoma maligno é 9,7 vezes maior do que nos indivíduos UVB- resistentes. Esse dado sugere fortemente que a UVB-suscetibilidade nos humanos pode ser considerada um fator de risco para o desenvolvimento do melanoma maligno.

Quanto ao tipo histológico, o estudo mostrou que indivíduos portadores de melanoma nodular foram, em 80% dos casos, UVB-suscetíveis, e os portadores do melanoma disseminativo superficial atingiram 82,3 % de UVB-suscetibilidade.

A incidência do melanoma maligno cutâneo está aumentando em todo o mundo, particularmente, na população branca.1,2,3,4,5,6,7 Os diagnósticos histológicos precoces identificam uma grande proporção de melanomas designados de tumores finos com melhor prognóstico, indicando que a prevenção é o melhor caminho para diminuir a mortalidade.4,10

Muitas características têm sido reconhecidas como fatores de risco para o desenvolvimento do melanoma maligno, tais como pele clara, cabelos claros, olhos azuis, efélides, grande número de nevos melanocíticos, incidência familiar e tendência a queimadura solar.4,5,7,10,12

Diante dos resultados deste estudo, sugere-se que a determinação da UVB-suscetibilidade possa contribuir, associada a marcadores clínicos, epidemiológicos e, quando possível, a testes genéticos, para a avaliação de risco para o aparecimento do melanoma maligno cutâneo.

 

CONCLUSÕES

O rápido aumento da incidência do melanoma maligno na população branca em todo o mundo mostra a necessidade de prevenção e determinação de fatores de risco para o desenvolvimento desse câncer da pele.

Este estudo mostra a presença de UVB-suscetibilidade em 81,5% de indivíduos portadores de melanoma maligno e que pessoas UVB-suscetíveis têm 9,7 vezes mais probabilidade de desenvolver o melanoma do que a população em geral. Portanto, pode-se considerar que a UVB-suscetibilidade é um fator de risco importante para o desenvolvimento do melanoma maligno e a identificação dos indivíduos UVB- suscetíveis oferece mais um parâmetro para o diagnóstico precoce e a prevenção primária.

Indivíduos UVB-suscetíveis devem receber educação de fotoproteção e de reconhecimento dos sinais iniciais do melanoma (regra do ABCD), realizar o autoexame e comparecer regularmente ao exame dermatológico.

 

REFERÊNCIAS

1. American Cancer Society [internet]. Cancer facts and figures 2009. [cited 2009 Mar 26]. Available from: www.cancer.org/downloads/STT/CAFF2009PWSecured.pdf.         [ Links ]

2. Giblin AV, Thomas JM. Incidence, mortality and survival in cutaneous melanoma. J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2007;60:32-40.         [ Links ]

3. Staples MP, Elwood M, Burton RC, Williams JL, Marks R, Giles GG. Non-melanoma skin cancer in Australia: the 2002 national survey and trends since 1985. Med J Aust. 2006;184:6-10.         [ Links ]

4. Markovic SN, Erickson LA, Rao RD, Weenig RH, Pockaj BA, Bardia A, et al. Malignant melanoma in the 21st century, part 1: epidemiology, risk factors, screening, prevention, and diagnosis. Mayo Clin Proc. 2007;82:364-80.         [ Links ]

5. Leiter U, Garbe C. Epidemiology of melanoma and nonmelanoma skin cancer--the role of sunlight. Adv Exp Med Biol. 2008;624:89-103.         [ Links ]

6. Moan J, Porojnicu AC, Dahlback A. Ultraviolet radiation and malignant melanoma. Adv Exp Med Biol. 2008;624:104-16.         [ Links ]

7. Gandini S, Sera F, Cattaruzza MS, Pasquini P, Picconi O, Boyle P, et al. Meta-analysis of risk factors for cutaneous melanoma, II: sun exposure. Eur J Cancer. 2005;41:45-60.         [ Links ]

8. Schwarz T, Halliday GM. Photoimmunology. In: Lim HW, Honigsmann H, Hawk JLM, eds. Photodermatology. New York: Informa Healthcare USA Inc; 2007. p.55-74.         [ Links ]

9. Gerstenblith MR, Goldstein AM, Tucker MA, Fraser MC. Genetic testing for melanoma predisposition: current challenges. Cancer Nurs. 2007;30:452-459.         [ Links ]

10. Bordeaux JS, Lu KQ, Cooper KD. Melanoma: prevention and early detection. Semin Oncol. 2007;34:460-6.         [ Links ]

11. Dal H, Boldemann C, Lindelöf B. Does relative melanoma distribution by body site 1960-2004 reflect changes in intermittent exposure and intentional tanning in the Swedish population? Eur J Dermatol. 2007;17:428-34.         [ Links ]

12. Lea CS, Scotto JA, Buffler PA, Fine J, Barnhill RL, Berwick M. Ambient UVB and melanoma risk in the United States: a case-control analysis. Ann Epidemiol. 2007;17:447-53.         [ Links ]

13. Schwarz A, Maeda A, Wild MK, Kernebeck K, Gross N, Aragane Y, et al. Ultraviolet radiation-induced regulatory T cells not only inhibit the induction but can suppress the effector phase of contact hypersensitivity. J Immunol. 2004;172:1036-1043.         [ Links ]

14. Streilein JW, Taylor JR, Vincek V, Kurimoto I, Shimizu T, Tie C, Colomb C. Immune surveillance and sunlight-induced skin cancer. Immunol Today. 1994;15:174-9.         [ Links ]

15. Yoshikawa T, Rae V, Bruins-Slot W, Van Den Berg JW, Taylor JR, Streilein JW. Susceptibility to effects of UVB radiation on induction of contact hypersensitivity as a risk factor for skin cancer in humans. J Invest Dermatol. 1990;95:530-6.         [ Links ]

16. Fritzpatrick TB. The validity and practicality of sun-reactive skin types I through VI. Arch Dermatol. 1988;124:869-71.         [ Links ]

17. Yoshikawa T, Streilein JW. Genetic basis of the effects of ultraviolet light B on cutaneous immunity. Evidence that polymorphism at the Tnfa and Lps loci governs susceptibility. Immunogenetics. 1990;32:398-405.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Nilton Nasser
Rua Curt Hering, 20 - 3º andar - Centro
89010-030 Blumenau - SC
Tel.: 47 8408 0453
E-mail: ninasser.bnu@terra.com.br

Recebido em 01.09.2009.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 22.10.2010.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado na Universidade Regional de Blumenau - Blumenau (SC), Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License